Um livro salvou a vida dele

22.09.18 Batismo da Primavera (3)Em 2014 distribuímos o livro missionário no cruzamento da avenida Luís Pires de Minas com a avenida Barreira Grande, próximo à nossa igreja, e decidimos que neste ano de 2018 voltaríamos ao mesmo local para então distribuir o livro O Poder da Esperança, de Michelson Borges e Julián Melgosa. Compramos vários exemplares, inclusive a versão infantil. O sábado 26 de maio foi maravilhoso. Toda a igreja esteve envolvida no projeto. Realizamos uma encenação num dos semáforos e os jovens seguraram letras que formavam a frase “Jesus te ama”. Uma de nossas desbravadoras comentou: “Este foi o melhor dia da minha vida!” Esse trabalho tem grande importância e impacto, não somente para quem recebe o livro, mas também para quem o entrega.

Há aproximadamente dois meses, num domingo à noite, um homem chegou à nossa igreja com um folheto na mão; nele havia o endereço da igreja e o horário dos cultos.

Ele se aproximou e disse: “Encontrei o livro O Poder da Esperança no para-brisa do meu carro, li todo o livro e vim dizer que o trabalho de vocês não foi em vão. Presenteei outra pessoa com ele e fiquei apenas com o folheto, pois da maneira como fui abençoado com o livro outra pessoa também precisava ser. Esse livro é extraordinário!
Uma leitura inspiradora, envolvente, cativante e impactante.”

Ele foi convidado para entrar e participar do culto e, no fim, disse: “Esse livro salvou a minha vida!”

Convidamos o Denis (à esquerda, na foto acima) para a classe bíblica da nossa igreja, que é realizada aos sábados pela manhã. Apresentamos os estudos necessários e, para a honra e glória de Deus, ele se decidiu pelo batismo. Denis Moreira Lucas agora é membro da nossa igreja.

(Edna Pereira é diretora do Ministério Pessoal e de Comunicação da Igreja Adventista do Sétimo Dia – IV Centenário)

Anúncios

O verdadeiro Che Guevara e os idiotas úteis que o idolatram

WhatsApp Image 2018-07-23 at 03.41.28Poucas pessoas conhecem Alberto Korda, o homem responsável por tirar a fotografia intitulada “Guerrillero Heroico”, aquela que se tornou símbolo de um guerrilheiro que não foi tão heroico assim. Se poucos conhecem Korda, muitos conhecem Ernesto Guevara de la Serna ou Che Guevara. Seu rosto foi marcado em diversos lugares, inclusive na pele de ícones do esporte como Diego Maradona e Mike Tyson, e virou símbolo revolucionário, sobretudo para a juventude. Escrito sob a óptica de Humberto Fontova, testemunha ocular dos horrores iniciais da Revolução Cubana, o livro retrata bem a realidade, ignorada pela mídia e pelas universidades, de um facínora idolatrado por pessoas cujas qualidades são retratadas no título do livro: O Verdadeiro Che Guevara e os Idiotas Úteis que o Idolatram.

Ao contrário do que muitos pensam, a política norte-americana de alguma forma teve influência para o “bem” da Revolução, a ponto de Fidel Castro comemorar a vitória do democrata John Fitzgerald Kennedy nas eleições. Este presidente, até onde podemos perceber por suas falas, faria um governo realmente democrata e em prol da sociedade – também da revolução cubana –, todavia seu ímpeto de enfrentar a elite que atua nos bastidores da política o levou a um fim trágico. Entretanto, Kennedy demonstrou o porquê de Fidel comemorar sua vitória sobre Richard Nixon nas urnas: “Nada podemos divulgar sobre esse acordo”, disse Robert Francis Kennedy (procurador-geral dos EUA) ao embaixador soviético Anatoly Dobrynin ao selar o pacto que pôs fim à chamada crise (dos mísseis soviéticos em Cuba). “Seria politicamente embaraçoso para nós.” A parte do acordo Kennedy-Kruschev que (secretamente) competia ao governo americano era não se opor ao regime de Fidel em Cuba.

Dentre atos secretos e outros abertamente declarados, destes últimos destaco um que também é alvo de descrença por parte dos amantes da Revolução e daqueles que bradam lutar contra o “imperialismo ianque”, o da admiração de fã ardoroso que Ted Turner (dono do canal CNN) tinha sobre Fidel Castro e, sendo seu amigo, visitá-lo de vez em quando no país insular. O cúmulo da admiração viria quando a CNN abriu um escritório em Havana em 1997. “Isto se deu pouco depois que Ted Turner, durante um discurso na Faculdade de Direito de Harvard, se empolgou dizendo à multidão: ‘Fidel é um cara da pesada! Vocês o adorariam!’”

O paradoxo da idolatria de Che por parte de roqueiros e homossexuais é algo que espanta. O movimento de maio de 1968, na França, implicou na renovação de valores, com a juventude na vanguarda, lutando – dentre outros objetivos – pela liberação sexual, ampliação dos direitos civis, etc., acabou por usar a morte de Che no ano anterior, em 1967, na fracassada tentativa de implantar a guerrilha na Bolívia, como combustível também para inflamar o movimento que teve repercussão nos EUA.

 “Numa grande capital […] alguns jovens protestavam de modo extremamente atrevido e desrespeitoso. Eles encolerizavam e alarmavam o governo que os qualificava como ‘hippies’ e ‘delinquentes’. […] Esses agrupamentos hippies tinham cabelo comprido, curtiam rock and roll e se autodenominavam de ‘os beats’ ou ‘os psicodélicos’. […] O herói rígido e autoritário que esses jovens ‘delinquentes’ e ‘vagabundos’ tinham em mente era conhecido como um disciplinador violento e severo, sem qualquer simpatia e senso de humor. Ele detestava rock and roll e constantemente ralhava contra ‘cabelos compridos’, ‘jovens vagabundos’ e qualquer outro sinal de insubordinação. Ele escrevera que os jovens devem sempre ‘ouvir com muita atenção – e o máximo respeito – o conselho dos mais velhos que estão no governo’. Ele discursava constantemente sobre o modo como os estudantes, em vez de se distraírem com tolices como o rock, deveriam se dedicar ao ‘estudo, trabalho e serviço militar’.”

Porém, os jovens cubanos acabaram por se contagiar com o rock e se tornaram rebeldes também, mas “com” causa, pois se revoltaram contra a declaração de Fidel sobre 1968 “como o ano da guerrilha heroica”, glorificando Che Guevara. “‘Esses jovens andam por aí ouvindo música imperialista!’, esbravejava Fidel Castro ao seu público cativo na Plaza de La Revolución, declarando aberta a temporada de caça aos hippies de Cuba. ‘Eles corrompem as nossas jovens e destroem pôsteres de Che! O que será que eles pensam? Que este é um regime burguês, um regime liberal? NÃO! Nada temos de liberal. Nós somos coletivistas! Nós somos comunistas! Não haverá Primavera de Praga aqui em Cuba!’”

Quanto aos homossexuais, um caso emblemático no Brasil, há um tempo, chamou muito a atenção de todos: o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), homossexual assumido e militante pela causa LGBT, se vestiu de Che Guevara para fazer uma brincadeira, e mesmo admitindo algumas atrocidades do facínora – e negando muitas outras por meio da interpretação atenuante dos horrores comunistas –, disse que admirava Che por ser um homem de seu tempo ao “destituir uma ditadura sanguinária (a de Fulgêncio Batista), levar ao paredão uma série de torturadores (como se Che não fosse um!), implementar um programa de justiça social e combate à miséria e empoderamento dos mais pobres”. Pelas palavras do deputado, fica nítido que ele só se alimentava com literatura marxista e revolucionária, porque se desse ouvido a um cubano que amava a liberdade e que conseguira escapar junto com sua família da fúria revolucionária, como Humberto Fontova, ele jamais teria dito esses absurdos.

No site do Grupo Gay da Bahia, mesmo estado onde nasceu o deputado, é possível ver uma postagem onde há crítica a Fidel Castro por ter assumido, já aposentado em 2010, que perseguia gays durante seu período no poder; a entidade comunicou que entraria com uma representação contra o ditador no tribunal de Haia. Enquanto a ONG lutava pelos gays, o deputado conterrâneo elogiava o perseguidor de homossexuais Che Guevara, o “cãozinho de estimação” de Fidel.

Um parente de Che falou diretamente sobre esses assuntos em 2004; deixo seu neto, o roqueiro Canek Sánchez Guevara – falecido em 2015 – falar sobre Cuba: “Em Cuba, liberdade não existe […]; o regime exige submissão e obediência… o regime persegue hippies, homossexuais, livre-pensantes e poetas… Eles estão em constante vigilância, controle e pressão.”

O racismo também fez parte da ditadura castrista. Che Guevara nunca escondeu seu desprezo pelos negros, mas assim como os homossexuais e os roqueiros, alguns negros também exaltavam seu algoz ideológico. Che, em seu discurso na ONU, disse: “Nós sem dúvida executamos […] e continuaremos a fazê-lo enquanto for necessário.”

WhatsApp Image 2018-07-23 at 03.44.46“Segundo o Livro Negro do Comunismo […] as execuções no paredão da revolução alcançaram a marca de catorze mil fuzilados no início da década de setenta. […] A despeito da sumária carnificina, Jesse Jackson, ao visitar Havana em 1984, ficou tão cativado por seu anfitrião […] que não pôde se conter. ‘Viva Fidel Castro!’, gritava Jackson à cativa multidão na Universidade de Havana. ‘Viva o grito da liberdade!’ ‘Viva Che Guevara!’ Este é o mesmo Jackson que escreveu um livro de 224 páginas contra a pena de morte. Vale ressaltar que Jesse Jackson, que é negro, é um pastor batista, ex-senador pelo Distrito de Colúmbia e ativista pelos direitos civis. Quanto a Che, longe de partilhar dos bons costumes de Jackson, considerava os negros como ‘indolentes e extravagantes, gastando o seu dinheiro em bebida e frivolidades’. Che escreveu essa passagem nos seus recém-famosos Diários de Motocicleta – uma das pérolas que Robert Redford e Walter Salles inexplicavelmente suprimiram.”

“Portanto, ficam facilmente perceptíveis o desprezo de Che aos negros e as manobras de Hollywood para acobertar isso. Antes de ocorrer a Revolução, no poder vigente […] havia gente de cor no cargo de presidente do Senado, ministro da agricultura, chefe do exército e – lembremo-nos do mulato Batista – presidente da república. Hoje em dia [época em que o livro foi escrito, 2007] […] exatamente 0,8 % dos cargos políticos do país é ocupado por gente de cor. Em outros lugares, essa mesma situação seria chamada de apartheid. Mas, o caso mais estarrecedor contra um negro em Cuba foi o de Eusebio Peñalver. O regime que Che Guevara ajudou a fundar ostenta a distinção de ter encarcerado o negro que mais tempo passou numa cadeia em todo o século 20. Seu nome é Eusebio Peñalver, um homem que foi preso e torturado nas masmorras de Fidel por mais tempo que Nelson Mandela na África do Sul. Peñalver sofreu tortura contínua em sua luta contra o comunismo, mas resistiu incólume a trinta anos de confinamento.

“Macaco!”, diziam-lhe os guardas. “Nós o tiramos das árvores e arrancamos sua cauda!”, gritavam os capangas de Castro ao levarem-no para a solitária. Os guardas comunistas sempre pediam que Eusebio “confessasse”, que admitisse legalmente suas “transgressões ideológicas”. Isso aliviaria seu castigo e sua punição, eles diziam. A resposta de Peñalver era clara e imediata. […] Durante os trinta anos nas masmorras de Castro, Eusebio Peñalver permaneceu firme, altivo e hostil ao que o cercava. Alguém já ouviu falar dele? Hoje vive em Miami. A CNN já o entrevistou? Alguém já o viu no programa 60 Minutos? Ou leu sobre ele no New York Times? No Boston Globe? Ou ouviu alguma coisa no black history month? Ou onde quer que seja?

Essas perguntas demonstram claramente o conluio de boa parte da mídia norte-americana com o movimento revolucionário e a ditadura castrista. A questão racial nos EUA sempre foi muito importante, porém, Ted Turner e sua turma midiática nunca atentaram para os negros que sofreram os horrores do governo comunista em Cuba e que depois conseguiram se refugiar nos EUA. Nesses breves trechos tirados do livro de Humberto Fontova, podemos perceber que as conveniências do movimento revolucionário não são compatíveis com os direitos humanos e aqueles que, de alguma forma, lutam por alguma questão que considere um “direito humano”, fatalmente aderem ao rótulo de “idiota útil”, passando a exaltar seus algozes.

O livro tem um bônus: o DVD que contém relatos de homens que estiveram junto com Che nas batalhas em Cuba e testemunharam sua realidade de perto, totalmente oposta à do homem “amante da liberdade e da vida” e “defensor dos pobres e oprimidos”.

(Thiago F. da Silva é professor de Geografia)

Leia mais sobre Che Guevara. Clique aqui.

Fontes:

FONTOVA, Humberto. O Verdadeiro Che Guevara e os Idiotas Úteis que o Idolatram, São Paulo: É Realizações, 2014. Páginas: 34, 39, 53, 54, 55, 115, 238, 239.

Em entrevista, Jean Wyllys defende homofobia de Che Guevara e ditadura cubana. Acesso em 22/7/2018. https://www.youtube.com/watch?v=4I76BB5mP-E

Matéria sobre Fidel no GGB, acesso em 22/7/2018. http://www.ggb.org.br/cuba_livre.html

Che Guevara à ONU (1964): “Fuzilamos e continuaremos fuzilando!” Acesso em 23/7/2018. https://www.youtube.com/watch?v=Ot0UjQUhr9g

Reverendo Jesse Jackson, acesso em 23/7/2018. https://en.wikipedia.org/wiki/Jesse_Jackson

Lançamento da CPB traz criacionismo para crianças e adolescentes

Capa_GalapagosAcaba de ser lançado pela Casa Publicadora Brasileira o livro Expedição Galápagos: Uma aventura no arquipélago das iguanas, das tartarugas gigantes e outras maravilhas da criação. Escrito pelo jornalista, mestre em teologia e divulgador do criacionismo Michelson Borges, o livro se destina ao público infanto-juvenil (mas com certeza será apreciado também por adultos) e apresenta os principais argumentos criacionistas em uma linguagem simples, entrelaçados em uma história bem escrita e interessante, ambientada nas ilhas do arquipélago de Galápagos, visitado pelo autor em 2016, juntamente com uma equipe de pesquisadores sul-americanos. Michelson procura refazer os passos do naturalista inglês Charles Darwin, que também visitou Galápagos, no século 19, mas oferece uma reinterpretação de dados sob a ótica criacionista.

O texto de contracapa diz o seguinte: “O que pode acontecer quando um adolescente viaja com o pai até o arquipélago de Galápagos, conhece o ‘amor de sua vida’, faz amizade com um leão-marinho e visita lugares incríveis como a borda de um vulcão, uma ilha repleta de aves exóticas, uma caverna de lava solidificada e mergulha com tartarugas e tubarões? É só abrir este livro, começar a ler e você vai descobrir!”

Como o autor passou por todos os lugares que descreve, o texto é vívido e foi escrito num formato de diário de viagem. Leitura obrigatória para quem curte aventura, viagens e descobertas científicas!

Clique aqui e garanta já o seu!

O significado da capa do livro O Poder da Esperança

O Poder da Esperança capa (1)Em minha opinião, meu amigo designer Eduardo Olszewski, que além de funcionário da Casa Publicadora Brasileira é líder em uma das igrejas adventistas aqui em Tatuí, foi muito feliz na criação da capa do livro missionário 2018, O Poder da Esperança. A capa não “entrega o jogo” logo de cara, não parecendo se tratar de um livro com conteúdo religioso, e talvez por isso (também) o livro esteja tendo ótima aceitação por parte das pessoas que o recebem. A imagem da capa é escura e apresenta uma moça em um corredor escuro, exatamente como se sentem muitas pessoas que enfrentam doenças como a depressão, por exemplo. Além disso, chove sobre ela, o que aumenta a sensação de desamparo, de viver em um mundo frio e escuro – que na verdade é exatamente a condição deste mundo de pecado. Mas a moça tem um guarda-chuva, que nesse caso simboliza a proteção divina. A chuva do desespero, da ansiedade, da depressão, da tristeza pode cair sobre ela; o guarda-chuva a mantém seca, protegida. E como o livro fala de esperança e a esperança tem que ver com a certeza de que dias melhores virão, sob os pés da moça, no reflexo na poça d’água, o cenário é bem diferente (se tiver o livro aí, vire-o de ponta-cabeça). Ali não chove, mas faz sol. Ali ela não precisa do guarda-chuva e tem os braços erguidos em gratidão a Deus pela vida, pela salvação, pela mudança operada por Jesus, o “Sol da Justiça”. Além disso, apesar das cores escuras e frias da capa, a cor do vestido dela e a cor da palavra “esperança” são quentes, o que também sinaliza a “luz no fim do túnel”.

Resumindo: pensamos em cada detalhe da capa para explicitamente representar o poder da esperança em um mundo que conspira contra toda esperança. Esperamos que você tenha gostado do resultado!

Quem já leu o livro deve ter percebido que a capa, de fato, expressa perfeitamente seu conteúdo. Para o mal da ansiedade, o livro apresenta, além de conceitos psicológicos e ferramentas científicas, a verdade da volta de Jesus. Para o problema da depressão, o livro esclarece o que é a morte e fala do perdão dos pecados passados e da superação da culpa. Para o drama do estresse, o livro traz o mandamento do sábado, o memorial da criação, o dia de adoração ao Criador. E por aí vai o texto, que mescla conselhos advindos da ciência médica e psicológica com verdades essenciais da Palavra de Deus. Quem realmente leu entendeu.

A propósito, sinta-se convidado a conhecer o site do livro O Poder da Esperança e a lê-lo, se ainda não fez isso. Clique aqui: www.opoderdaesperanca.com.br

Michelson Borges

Uma Pedrinha Branca: um convite à renovação espiritual

pedrinhaQuero apresentar a você o livro Uma Pedrinha Branca, de Vanderlei Ricken, bibliotecário do Instituto Adventista Cruzeiro do Sul (IACS). Dois anos atrás, o Vanderlei perdeu o pai e essa perda fez com que ele pensasse na fragilidade da vida e que poderia morrer e não ter o privilégio de passar seus conhecimentos para os filhos pequenos. Como ele lida muito com jovens no internato, percebeu que havia a necessidade de preparar os adolescentes para o tempo do fim com uma literatura que fosse agradável para essa faixa etária. Ele desenvolveu uma espécie de “manual de sobrevivência para o tempo do fim”, com o objetivo de instruir os filhos pequenos, mas que serve para todos, adolescentes, jovens e adultos.

São muitos os relatos de leitores que têm sido grandemente abençoados com a leitura desse livro. Quero citar um que encontrei na internet, do Cyrlon Gomes: “Quer ler um livro com emoção, desafios, romance, histórias das mais variadas, suspense, profecias, milagres, verdades em cima de verdades, mensagens de fé e esperança, e muito mais? Recomendo-lhe Uma Pedrinha Branca.”

E esse livro é tudo isso mesmo. Tive o privilégio de lê-lo antes de ser publicado. O Vanderlei é um grande amigo e foi a pessoa que Deus usou para me mostrar o adventismo e o criacionismo, no começo dos anos 1990 (confira). Um grande estudioso da Bíblia com paixão pela missão.

O livro começa com o relato de um dos remidos que está visitando um planeta sem pecado. Ele foi até lá para contar a experiência de uma família que enfrentou os desafios do tempo do fim. Cada um dos integrantes dessa família está num contexto geográfico e religioso diferente. Os eventos finais são abordados na perspectiva deles. São várias histórias em uma só, e o final surpreende e emociona. O livro é um convite à renovação espiritual e ao preparo para a volta de Jesus. Recomendo!

Michelson Borges

Para adquirir, acesse o site www.umapedrinhabranca.com

Bate-papo com os autores do livro missionário 2018 O Poder da Esperança

LIVRO O PODER DA ESPERANÇA

Baixar Livro Grátis: http://livro.esperanca.com.br

Ouvir AudioLivro: http://adv.st/esperanca-audio

Baixar Livro em MP3: http://adv.st/downmp3opoderdaesperanca

Livro em LIBRAS: http://adv.st/esperanca-libras

Livro para as crianças: http://adv.st/edu-amiguinhos

Saiba mais: http://opoderdaesperanca.com.br/

Capítulos do livro missionário apresentados pelo autor Michelson Borges