A Inquisição e o atraso da imprensa no Brasil

inquisicao2O Observatório da Imprensa na TV exibiu [uma] série de três programas sobre os impactos da vinda da família Real para o Brasil, ocorrida em 1808. O foco do debate foi a conjuntura que levou o país a um atraso de mais de três séculos em relação ao início da impressão industrial de textos, datada de 1456, quando Johann Gutenberg confeccionou a Bíblia de Mogúncia. Outras colônias na América, como México e Peru, fundaram suas primeiras tipografias séculos antes do Brasil, que só decretou a implantação da Impressão Régia em 13 de maio de 1808. Participaram do programa Isabel Lustosa, historiadora da Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, e o jornalista e escritor Laurentino Gomes, em São Paulo. (…)

O jornalista [Alberto Dines] comentou ainda o papel da Inquisição neste atraso [do começo da imprensa no Brasil]. Naquela época, explicou Dines, era preciso um licenciamento. O controle era exercido no início do processo pelo Santo Ofício da Igreja Católica. O órgão da igreja operava aqui através de comissários que davam informações à Coroa portuguesa e obedeciam às ordens de Lisboa. Já a coroa espanhola criou no Novo Mundo vários tribunais, descentralizando a fiscalização. A medida tornou possível execuções de condenados, mas contribuiu para que suas colônias pudessem fundar tipografias muito antes do Brasil (as primeiras impressões na América seguiram a seguinte ordem: Cidade do México, 1535; Lima, 1583; EUA, 1640; Bogotá, 1739; Santiago, 1748; Quito, 1760; Nova Orleans (Espanha), 1764; Buenos Aires, 1766; e Montevidéu, 1807).

Dines comentou que um estudo pouco conhecido aponta que a implantação da tipografia poderia ter sido antecipada em mais de 60 anos. Em 1749, Antônio Isidoro da Fonseca – que foi um dos doze tipógrafos mais importantes de Lisboa, tendo publicado a Biblioteca Lusitana, o primeiro compêndio das obras escritas em Portugal – tentou estabelecer uma tipografia no Rio de Janeiro. Após publicar alguns folhetos, foi surpreendido com uma intimação que o obrigou a fechar a gráfica porque contrariava às ordens de Lisboa. (…)

Dines perguntou a Laurentino Gomes como a corte [portuguesa] formou sua cultura se a impressão não era permitida no Brasil e, em Portugal, ainda era controlada. O autor de 1808 disse que a antiga metrópole era um dos países mais atrasados da Europa. O espírito aventureiro e de conquistas que havia marcado a época das navegações e das grandes descobertas havia desaparecido com o início do reinado de D. Maria I, extremamente ligada à Igreja Católica. Portugal foi o último país a abolir a Inquisição, havia um controle absoluto das ideias. (…)

Os prejuízos causados pela Inquisição no Brasil, para Alberto Dines, não podem ser medidos, são incalculáveis. Entre 1536, quando foi instalada na metrópole, até 1821, quando foi abolida pela Constituição de Portugal, esteve presente no Brasil através do controle de livros. As obras que vinham de Lisboa eram examinadas no cais. “Tudo isso tinha um ônus tremendo, as ideias não podiam circular”, avaliou. Os contrabandos e relatos de estrangeiros eram as alternativas encontradas pelos brasileiros para ter acesso à cultura e à informação livre.

No encerramento do debate, Laurentino Gomes disse que o Brasil pode comemorar o aniversário em 1808, apesar de ter sido descoberto em 1500. Para ele, nenhum outro período na história do Brasil passou por transformações tão profundas. Deixou de ser uma sociedade atrasada, ignorante e proibida. Isabel Lustosa reafirmou que o cerceamento à informação foi extremamente prejudicial, mas que quando a impressão foi liberada foi fundamental para a formação de uma classe política.

(Lilia Diniz, Observatório da Imprensa)

O sábado está sendo guardado no dia correto?

calendar“Há um grupo chamado World’s Last Chance (WLC) dizendo que o calendário lunar foi estabelecido por Deus e o calendário gregoriano, pela Igreja Católica com o objetivo de mudar os tempos e as leis. De acordo com essas pessoas, a Igreja Adventista teve “medo” de divulgar essa “verdade” depois do grande desapontamento de 1844. Dizem que não estamos adorando a Deus, o Criador, no dia estabelecido por Ele durante a semana da criação, ou seja, estamos adorando em um dia qualquer. Desde já agradeço a atenção e aguardo ansioso sua resposta.”

Resposta: Essas pessoas afirmam que o sábado não é o sétimo dia do ciclo semanal, mas o sétimo dia do “calendário lunissolar” proposto por eles, sendo que o primeiro dia do mês (“lua nova”) e o último dia do mês precedente – caso este tenha tido 30 dias – são considerados “não-dias”. Assim, o “sábado” seria sempre o 8º, 15º, 22º e 29º dias do mês nesse calendário.

No site deles é apresentada uma série de pressuposições que na verdade são falsas. Logo no início, é dito que “o primeiro dia da festa dos pães asmos era no dia 15 [do mês de abibe], que era um sábado”. A WLC afirma que esse era um sábado semanal, e a única “prova” que apresentam disso é o argumento de que nesse dia havia uma “santa convocação”. Ora, esse argumento não tem validade nenhuma, porque havia “santa convocação” não só no sábado semanal, mas em todos os sábados cerimoniais. Assim, havia santa convocação também no sétimo dia da festa dos pães asmos (Lv 23:8), na festa das primícias ou pentecostes (Lv 23:20, 21), na festa das trombetas (Lv 23:24), no dia da expiação (Lv 23:27), e no primeiro e último dias da festa dos tabernáculos (Lv 23:34-36). Destes, eles consideram que o dia 15 do primeiro mês e os dias 15 e 22 do sétimo mês eram sábados semanais. Baseados em quê?

Para sustentar suas pressuposições, dizem ainda que “Israel saiu do Egito na noite de 15 de abibe” (já que consideram que o dia 15 era um sábado). A Bíblia diz: “Aconteceu que, ao cabo dos quatrocentos e trinta anos, nesse mesmo dia, todas as hostes do Senhor saíram da terra do Egito. Esta noite se observará ao Senhor, porque, nela, os tirou da terra do Egito; esta é a noite do Senhor, que devem todos os filhos de Israel comemorar nas suas gerações. Disse mais o Senhor a Moisés e a Arão: Esta é a ordenança da Páscoa: nenhum estrangeiro comerá dela” (Êx 12:41-43). A Bíblia é clara em dizer que os israelitas saíram nesse mesmo dia. Que dia? Ora, o dia 15 de abibe. Se tivessem saído à noite, já não seria dia 15 de abibe, mas 16 (já que o novo dia se inicia ao pôr-do-sol). E que noite é essa, em que a Bíblia diz que Deus “os tirou da terra do Egito”? A noite que “se observará ao Senhor”, e, portanto, a noite do dia 15, em que o povo comeu a Páscoa, e não a do dia 16. Não há como escapar ao fato de que os israelitas saíram em sua jornada no dia 15 e, portanto, que esse dia não poderia ser um sábado.

Outras “provas” são acrescentadas que absolutamente não são provas. Por exemplo, o argumento de que o maná cessou no dia 16 de abibe e que, portanto, o dia anterior seria um sábado semanal em que o maná não caiu. Qual a lógica desse argumento? Nenhuma. O maná cessou no dia 16 porque no dia 15 eles já comeram pães asmos feitos com o fruto da terra.

Outra “prova”, retirada do livro de Ester, diz que “o 15º dia do 12º mês foi um dia de descanso, o que torna o 8º, 22º e 29º dias, dias de descanso também”. O que a Bíblia diz é que uma parte dos judeus fez do dia 14 um dia de banquetes e de alegria pela vitória sobre seus inimigos, e que os judeus de Susã fizeram isso no dia 15. Então, “Mordecai […] enviou cartas a todos os judeus que se achavam em todas as províncias do rei Assuero, […] ordenando-lhes que comemorassem o dia catorze do mês de adar e o dia quinze do mesmo, todos os anos, como os dias em que os judeus tiveram sossego dos seus inimigos” (Et 9:20-22). Dois dias foram instituídos como feriados, e isso não tem nada a ver com o sábado.

O calendário dos judeus era realmente lunissolar, mas esse calendário seguia o ciclo semanal normalmente e não havia nenhum dia considerado “não-dia” da semana. O mês começava quando a estreita faixa de lua nova era avistada; os meses eram lunares, de 29 ou 30 dias. Como isso perfazia apenas cerca de 354 dias no ano, ou seja, deixava o ano cerca de 11 dias mais curto, a fim de manter o ano em harmonia com as estações, um mês adicional era intercalado cada vez que a cevada ainda não estava madura para a Páscoa. Assim, o calendário lunar era mantido em harmonia com o ano solar, e, portanto, o calendário era lunissolar.

Aqui é dito que em 31 d.C. “não se tem e não se pode ter uma crucifixão na sexta-feira”. Isso é totalmente contestado no livro Chronological Studies Related to Daniel 8:14 and 9:24-27, de Juarez Rodrigues de Oliveira. A crucifixão é possível em 31 d.C., não, porém, numa sexta feira, 14 de abibe/nisã, mas numa sexta-feira 15.

Com base nesse “problema”, tomam uma carta de M. L. Andreasen para Grace Amadon e dizem que ele argumentou contra a adoção de um calendário em que o sábado “flutuava” ao longo da semana moderna, calendário este que estava sendo advogado por alguns da comissão. O problema não era esse. Na carta, Andreasen argumenta contra a adoção de um calendário como o que era usado nos tempos bíblicos, porque “embora o esquema proposto não afete de maneira alguma a sucessão dos dias da semana, e, portanto, não afete o sábado” (o que é justamente o contrário do que a WLC afirma que ele disse), a adoção de um calendário assim pela igreja causaria confusão, porque, devido ao fato de o crescente lunar, que marca o início do mês, se tornar visível em dias diferentes nas diversas localidades, as pessoas dessas diversas localidades poderiam começar seus meses em dias diferentes (por exemplo, cidades vizinhas poderiam estar, uma no último dia de um mês, outra já no primeiro dia do outro).

Os guardadores do sábado lunar estão divididos quanto ao que fazer nos dias 30 de um mês e 1º do mês seguinte, que são os dias da “festa da lua nova”. Alguns descansam nesses dias, considerando-os uma extensão do sábado do dia 29; outros se abstêm apenas de atividades comerciais e emprego remunerado, mas podem realizar outras tarefas comuns. Então, na última semana do mês, (1) no primeiro caso, trabalham seis dias e descansam três (em vez de um); (2) no segundo caso, trabalham sete ou oito dias (em vez de seis), antes de descansar um dia. Com qualquer dos dois métodos, o mandamento do Criador de que se trabalhasse seis dias e se descansasse no sétimo é violado. (Confira aqui.)

(Rosangela Lira é formada em Teologia)

PROMOÇÃO IMPERDÍVEL! Grandes Impérios e Civilizações

grandes impérios

Antes de ser chamado para trabalhar na Casa Publicadora Brasileira (CPB) como editor, há 20 anos, lecionei História para o ensino fundamental por dois anos e meio, no Colégio Adventista de Florianópolis (centro). Lembro-me de que uma das dificuldades que eu encontrava era a de indicar boas leituras complementares – livros paradidáticos que não trouxessem conceitos e valores com os quais eu não concordava e que não estivessem em desacordo com as verdades bíblicas. Assim que comecei a trabalhar na CPB, impus-me a tarefa de escrever uma coleção em seis volumes intitulada Grandes Impérios e Civilizações. Cada volume descreve um período distinto em que um império dominava o mundo, como o Egito, a Babilônia, Roma e Grécia, por exemplo. Para tornar a leitura mais atrativa, criei enredos cheios de ação e personagens interessantes. Mas, talvez, o maior diferencial da coleção esteja no entrelaçamento das histórias com a Bíblia. Todos os livros falam de valores e princípios muito necessários no mundo de hoje. Tenho certeza de que você (criança, adolescente ou mesmo adulto) vai gostar de ler essas histórias e, por meio delas, aprender um pouco mais de História. Ah, só mais um detalhe: tive o prazer de fazer todas as ilustrações internas (você pode conferir algumas delas aí embaixo). As capas são do meu amigo ilustrador Thiago Lobo. Clique aqui, aproveite a promoção válida até o dia 11 e boa leitura!

Michelson Borges

Jesus, Papai Noel e outras questões natalinas

A verdadeira história de Moisés. É a Super que sabe?

moisesMais uma vez a revista Superinteressante, que adora tratar de temas bíblicos de um jeito polêmico e questionador, quase sempre perto do Natal (pois assim vende mais), traz um título avassalador para uma de suas matérias: “A verdadeira história de Moisés”, acompanhado do subtítulo: “Como um rei megalomaníaco, muita geopolítica e uma farsa de proporções bíblicas criaram a saga de Moisés – o herói que foi sem nunca ter sido”. Agora, sim! Esqueça a Bíblia, pois a Super tem a verdadeira história – como sempre. O texto afirma, entre outras coisas, que os israelitas jamais moraram no Egito, que Moisés não escreveu a Torá, e por aí vai. Vou deixar aqui o link para você conferir por si mesmo. Providencialmente, o Dr. Rodrigo Silva, apresentador do programa “Evidências”, da TV Novo Tempo, e doutor em Arqueologia Clássica pela USP, tratou desse tema em seu último programa. Está aí para você assistir e comparar com a “verdade” da Superinteressante. [MB]

Clique aqui a leia outras análises de artigos publicados pela Superinteressante.

Assista a este filme e conheça a verdadeira face do comunismo

milada[Com o perdão dos spoilers.] Milada Horáková nasceu em Praga, capital da Tchecoslováquia, em dezembro de 1901. Formou-se em Direito e se tornou defensora dos direitos humanos, dos direitos das mulheres, uma crítica acérrima do trabalho infantil e da legalização da prostituição, e lutou contra a ocupação nazista em 1939 e, posteriormente, contra o domínio comunista soviético em seu país. Foi presa pela Gestapo e condenada à morte, pena que foi alterada para prisão perpétua graças à defesa apresentada pela própria condenada. Esteve nos campos de concentração nazistas de Terezin, Leipzig e Dresden. Foi torturada ao longo de 36 interrogatórios, mas nunca denunciou seus colegas da resistência. Alguns historiadores creem que foi nessa época que sua experiência religiosa se aprofundou.

Com a derrota dos alemães e a libertação da Tchecoslováquia em 1945, Milada voltou a defender a democracia e foi eleita deputada, cargo ao qual renunciou após o golpe que levou o Partido Comunista ao poder, o que ela considerava uma verdadeira ocupação soviética. Por ser uma voz discordante (coisa que os comunistas detestam), Milada acabou sendo injustamente presa e terrivelmente torturada, participando depois de um julgamento forjado (muito comuns na ex-União Soviética) em que teria que admitir uma culpa que não tinha, de ter colaborado com o “imperialismo americano” contra os interesses de seu país e seu povo – justamente as duas coisas que ela mais amava e pelo que sempre lutou.

A rádio em que o esposo de Milada trabalhava foi fechada, numa atitude igualmente típica dos comunistas de controlar a mídia com mão de ferro. Posteriormente, o esposo dela teve que fugir para a Alemanha Ocidental, sob risco de morte, deixando a filha única aos cuidados dos avós.

No 7 de junho de 1948, alguns políticos tchecos renunciam por se recusar a assinar a nova Constituição do governo comunista; e uma semana mais tarde, em 14 de junho, Klement Gottwald foi eleito presidente, apelidado de “presidente operário”. O aumento da repressão levou à fuga de diversos intelectuais, artistas e altos funcionários. Cerca de oito mil pessoas deixaram o país.

A polícia política recebeu ordens de Gottwald para prender imediatamente todos os suspeitos de atividades contra a nova ordem dominada pelo Partido Comunista. Mais de 250 mil pessoas foram condenadas, das quais 178 foram executadas. Cerca de 600 presos não sobreviveram às torturas. Setenta mil pessoas foram condenadas a trabalhos forçados. A título de comparação, 434 pessoas foram mortas ou ficaram desaparecidas durante o regime militar no Brasil…

Milada_HorákováEnquanto o julgamento de Milada e dos outros réus prosseguia, eles eram absurdamente chamados de “traidores da República”, “terroristas”, “agentes dos imperialistas americanos, ingleses e franceses”, “pequenos Hitlers” e “ratazanas que conspiraram nos esgotos contra a classe operária”.

Aos 48 anos de idade, Milada foi condenada à morte por enforcamento, no dia 27 de junho de 1950. Pessoas famosas como Albert Einstein, Winston Churchil e Eleonor Roosevelt pediram a comutação da pena, mas foram ignoradas. Ela foi falsamente acusada de atividades conspiratórias e de espionagem contra o Estado, como se pretendesse derrubar o comunismo com a ajuda das potências ocidentais, iniciando assim uma terceira guerra mundial! Com a mídia nas mãos do governo, essas “fake news” foram divulgadas e muitas pessoas acabaram acreditando em tudo.

A crueldade dos comunistas foi tanta que Milada não foi autorizada a ver os familiares durante seu tempo de prisão. Somente na noite anterior à execução lhe foi permitido, durante quinze minutos, ver a filha, a irmã e o cunhado. Ela tentou abraçar e beijar a menina pela última vez, mas os guardas não permitiram. Eram ordens do governo.

Em 1968 teve início uma revolta na Tchecoslováquia contra a ocupação soviética, conhecida como Primavera de Praga, e a praga do comunismo foi afastada do país. Em 2006, o presidente Václav Haus afirmou: “Milada Horáková é o símbolo perene da resistência ao comunismo. […] Pagou caro a defesa da liberdade e da democracia, apesar dos protestos que na época foram feitos no mundo inteiro.”

ceusEnquanto assistia ao filme, lembrei-me do livro Ainda que Caiam os Céus, do pastor adventista Mikhail Kulakov (Casa Publicadora Brasileira). As semelhanças com a história de Milada são grandes, com a diferença básica de que o pastor Kulakov foi preso pelos comunistas por motivos religiosos, mas com a “desculpa” de que ele realizava “reuniões anti-soviéticas”. A religião conservadora bíblica também é um empecilho para as pretensões comunistas. Sempre foi.

Nem preciso dizer que você precisa urgentemente assistir ao filme “Milada” (tem na Netflix) e ler o livro de Kulakov. Assim poderá conhecer a verdadeira face fascista do comunismo e os perigos entranhados nessa ideologia anticristã.

Michelson Borges

P.S.: Quem sabe um dia alguém publique a história de Vaclav Havel. Ele e a família ficaram dois ou três anos escondidos e protegidos em uma fazenda até conseguirem atravessar a fronteira austríaca. Quem os protegeu? Um pastor adventista. Depois da queda do comunismo e da eleição de Havel, o governo tcheco devolveu à Igreja Adventista as propriedades confiscadas pelos comunistas.

Incêndio no Museu Nacional destruiu parte da nossa “alma”

museuNo fim do ano de 2015, fomos visitar uma família amiga no Rio de Janeiro e aproveitamos para conhecer alguns pontos turísticos, com destaque para o Museu Nacional de História Natural, localizado Quinta da Boa Vista, no bairro de São Cristóvão. Ficamos impressionados com tudo o que vimos ali naquele prédio criado por D. João VI, e minha filha Giovanna até escreveu na época um texto sobre nosso passeio e sobre essa visita (confira aqui). Deu orgulho ver tantas e relevantes peças preservadas nessa primeira instituição científica do País e um dos maiores museus do mundo. Por isso, quando tomei conhecimento do incêndio que destruiu duzentos anos da história do Brasil, transformando em cinzas milhões de peças e documentos de valor incalculável, senti um aperto no coração. É como se parte da “alma” do nosso país tenha sido transformada em fumaça em questão de horas.

De tudo o que li por aí a respeito dessa tragédia que repercutiu mundialmente, creio que o texto da jornalista Cláudia Geigher, publicado em sua página no Facebook, é um dos que melhor expressam o sentimento de revolta que arde no peito de muitas pessoas que conheciam o real valor do Museu Nacional:

“Vinte e um milhões de reais! Apenas isso! Era o que o Instituto de Patrimônio Historio e Artístico Nacional pedia ao governo federal, ao BNDS para reformar a Quinta da Boa Vista e conservar digna e responsavelmente o prédio e o acervo do Museu Nacional. No mesmo Brasil onde roubaram bilhões de reais com a corrupção política e empresarial, essa tragédia arde diante dos nossos olhos. O quinto maior museu do mundo em volume de peças catalogadas não tinha sistema de combate à incêndio efetivo! Tivemos duzentos anos para cuidar de tudo isso e agora o choque de ver tudo pegando fogo. Combater incêndio em museu com água apenas? Meu Deus! Isso destroi ainda mais o que poderia ser salvo! Perdemos dez mil anos [sic] de itens arqueológicos… Perdemos uma referência. Fruto de pesquisas, de coleções particulares, de documentos, acervos e presentes recebidos ou trazidos pela Família Real Brasileira… Ali estava uma das maiores coleções de ciências naturais, com quase 500 mil volumes, mais de 2.500 obras raras dessas coleções… Foram tantas expedições ao longo de mais de duzentos anos, e tudo registrado e disponível para a posteridade… Tudo se perdeu pro fogo.

“A maior coleção paleontológica de fósseis e registros de pesquisas iniciadas no século 18 na América Latina. Os fósseis dos gigantes pré-históricos que ocupavam o nosso território estavam ali. Maior coleção de meteoritos do Brasil. Ali estava também o crânio de Luzia, o mais antigo fóssil de um ser humano das Américas. Na Arqueologia: milhares e peças arqueológicas das Américas, do Egito e de diversas regiões do mundo. Coleção egípcia que começou ainda com D. Pedro I e ampliada pelo filho D. Pedro II. Teresa Cristina, quando veio se casar com D. Pedro II, trouxe sua coleção pessoal de peças arqueológicas egípcias, romanas, etruscas e as colocou em exposição no Museu Nacional; até afrescos da antiga Pompeia, devastada pelas cinzas do vulcão Vesúvio, estavam aqui no Brasil, no nosso Museu.

“Da pré-história e da época pré-colonial das Américas, o museu guardava mais de noventa mil itens dos povos nativos do Brasil, e também dos nossos vizinhos maias, astecas, incas… Tanta coisa… Cerâmica, escultura, artefatos…

IMG_8282a“O que D. João diria? O que nossos imperadores, as famílias que apoiavam a cultura e a pesquisa, diriam? D. João, que ao vir com a Corte para o Brasil colônia, trouxe coleções e artefatos justamente para que aquele então Brasil ignorante começasse a escrever uma nova história ao ter acesso às coleções… D. João, que criou o Museu e trouxe com ele da Europa a necessidade de investir em educação, cultura, história, memória, patrimônio. Uma visão europeia de desenvolvimento que infelizmente não vingou por aqui..

“Os naturalistas, cientistas, antropólogos, paleontólogos, arqueólogos, etnólogos, linguistas, historiadores, todos os pesquisadores deixaram ali suas preciosidades… Ali tínhamos um resumo do mundo. Algumas das coleções mais raras e importantes do planeta.

“Eu sinto um vazio… Mais de vinte milhões de itens viraram cinzas. Que dor no coração! Ali trabalham e trabalhavam pessoas apaixonadas por aprender, por conservar, por ajudar a entender nossa história… uns guerreiros que dedicavam a vida sem receber recurso direito, sem ter condições técnicas, e ainda assim não desistiam..

“Como nosso país permitiu que a nossa história chegasse a esse estado de abandono? Sem manutenção, sem dinheiro para conservar nosso acervo, o Museu Nacional foi a primeira instituição de ensino e pesquisa do Brasil. A História do Brasil em chamas… devastador!

“Não consigo aceitar… Visitei esse museu algumas vezes e me encantei com o que vi, e sempre saía com vontade de ficar, descobrir mais, ver mais, aprender mais… Desde 1892 o Museu Nacional estava na Quinta da Boa Vista. Era para ser um lugar onde os brasileiros conseguiriam redescobrir e aprender mais sobre a nossa história, a formação do nosso país e sobre a história do mundo. Ao ver esse incêndio ao vivo pela TV meu sentimento, além de tristeza, passa pela indignação, pelo inconformismo e pela desesperança.

museu fogo.jpg

“O que o fogo destruiu não será jamais recuperado. O que o povo deixou de conhecer jamais será resgatado. É o retrato do que a nossa nação se transformou: um país destruído. Um país que não valoriza sua história; um país que não investe de verdade e sistematicamente em conservação, restauração dos nossos museus; não investe de verdade na educação e muito menos no enriquecimento cultural do Brasil.

“Só posso pensar: QUE VERGONHA! Só posso sentir: QUE RAIVA! Só posso dizer: CANSEI DE DEFENDER ESTE PAÍS!”