Pastor adventista cubano refuta acusações contra a Igreja Adventista

Críticos se esforçam para emplacar a narrativa falsa de que a IASD teria apoiado a visão marxista/comunista dos revolucionários em Cuba

Revolução-Cubana

Certo grupo autointitulado adventista, mas que vive postando críticas à Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) e se mostra alinhado às ideologias progressistas/marxistas/esquerdistas postou recentemente o seguinte texto nas redes sociais:

“Na relação entre a Igreja Adventista do Sétimo Dia e a Revolução Cubana, existem duas narrativas que foram esquecidas (ou negligenciadas) pela publicações adventistas: uma relativa ao início da revolução, em Sierra Maestra, e outra ao final, em Santa Clara. Em ambas as situações, os adventistas se solidarizaram com os ideais da revolução socialista, e ofereceram hospedagem, alimentação e primeiros-socorros aos combatentes. Entre os revolucionários, nas duas ocasiões, encontra-se a figura de Ernesto Che Guevara, uma das principais personalidades da Revolução Cubana, que, além de ser salvo pelos adventistas, desenvolveu uma aproximação respeitosa e amistosa com eles. Essas narrativas são evidências insuspeitas de que a crença adventista (ao menos entre os agricultores e a membresia leiga) não encontrou conflitos entre sua esperança e o ideal socialista em Cuba, a ponto de oferecer assistência clandestina aos revolucionários, arriscando as suas vidas e a de suas famílias.”

O texto é um claro esforço para emplacar a narrativa falsa de que a IASD teria apoiado a visão marxista/comunista dos revolucionários em Cuba. Já publiquei aqui no blog uma longa entrevista com o pastor adventista cubano Rolando de los Ríos (leia aqui), uma testemunha ocular dos fatos relacionados com a revolução protagonizada por figuras como Fidel Castro e Che Guevara. Do alto de seu “lugar de fala” (para usar a expressão modinha), o pastor Rolando contradiz mais essa tentativa desonesta de deturpar a imagem da IASD e a verdade dos fatos. Voltei a contatar o pastor e mostrei-lhe esse novo texto dos críticos da igreja. Leia a resposta breve e clara dele:

“Pastor Michelson, fala-se da ‘revolução socialista’ quando, realmente, não se dizia que era assim. A grande maioria do povo cubano (e entre eles os adventistas) simpatizava com os jovens rebeldes, capazes de lutar contra o governo ditatorial de Batista para estabelecer a democracia e o direito à propriedade privada, mas nunca se disse que a revolução era socialista ou comunista, até 1961, 1962. Posso assegurar-lhe isto, porque vivi essa realidade: o povo de Cuba foi enganado. A Igreja Adventista, como organização, nunca apoiou ou apoia o governo comunista.”

Adventistas apoiaram a revolução cubana?

Há perseguição religiosa em Cuba ou é apenas uma “narrativa imperialista estadunidense”? Este texto analisa o tema a partir da Revolução Cubana até hoje.

cuba3

Certamente, muitos adventistas viram na revolução uma “libertação redentora”[1] da ditadura de Fulgencio Batista. Há relatos de que muitos adventistas celebraram a vitória da revolução e ficaram entusiasmados com o início do novo governo. Mas logo começaram as restrições, desapropriações, perseguições e prisões,[2] e eles perceberam que a velha ditadura tinha sido substituída por outra.

Argelio Rosabal foi um adventista que ajudou Che Guevara logo após os revolucionários chegarem a Cuba no barco Granma. Rosabal lhe deu roupas e cuidou de sua saúde (Che sofria ataques de asma). Nas palavras do próprio Che Guevara: “Estávamos na casa de um adventista chamado Argelio Rosabal, que todos conheciam como El Pastor. Esse camarada, ao ouvir a infeliz notícia, rapidamente fez contato com outro camponês, que conhecia muito bem a região e que disse simpatizar com os rebeldes.”[3] Rosabal foi o primeiro camponês a ajudar as forças revolucionárias.

Che Guevara também utilizou o Colégio Adventista de las Antillas como ponto de apoio numa batalha decisiva, mas, nesse caso, os adventistas não tiveram a opção de não colaborar. Apesar disso, Che sabia que os adventistas não participariam de uma luta armada nem de sua política.[4] Che desenvolveu respeito pelos adventistas por causa dessas experiências,[5] e isso foi vantajoso para os adventistas, pelo menos no início da revolução.

Porém, ainda que os adventistas tenham obtido alguma vantagem temporária por causa da gratidão de Che Guevara, a realidade é que o governo revolucionário perseguiu violentamente crentes de várias religiões, inclusive adventistas. Segundo Jeff King, presidente da International Christian Concern, o discurso inicial de Castro para os crentes era algo como: “‘Olha, você não precisa se preocupar conosco, os comunistas. Vamos criar uma utopia juntos. Somos seus amigos, etc.’ Assim que ele conseguiu o poder, você sabe o que aconteceu. Ele fez o que os marxistas sempre fazem. E o martelo desceu, e ele começou a prender, torturar e matar pastores.”[6]

Após um início de governo aparentemente amistoso com as religiões, a situação mudou rapidamente: “A existência de um conflito ideológico latente, produzido a partir da aceitação de padrões ateístas nas organizações estatais e partidárias, provocou múltiplas polêmicas, questão que se intensificou a partir de março de 1963, quando o Comandante Fidel criticou a atitude de um grupo de igrejas que fazia proselitismo no campo, entre eles os pentecostais, o Partido Evangélico Gideão, os adventistas do sétimo dia e as testemunhas de Jeová. Essas denominações entraram em conflito com o Estado por um conjunto de fatores que, juntos, apareceram como elementos negativos ao processo revolucionário e passíveis de ser utilizados pelo imperialismo: sua alienação da política, seu conformismo arraigado, seu profundo espírito de proselitismo, a rejeição do trabalho voluntário e da participação em organizações armadas como as milícias, além do fato de alguns considerarem o sábado como um dia de adoração a Deus e no qual não se podia trabalhar, sem desconsiderar as atitudes contrarrevolucionárias de alguns de seus fiéis.”[7]

A face antirreligiosa da revolução não demorou a aparecer, e ela pode ser ilustrada com a história da família Rosabal, que havia ajudado Che Guevara. Há evidências de que Argelio Rosabal recebeu o apelido de “pastor” do próprio Che Guevara. Sua esposa cozinhou para Fidel na Sierra Maestra, e como reconhecimento pela ajuda recebida, o governo revolucionário deu uma casa à família.[8]

Ironicamente, o filho de Argelio Rosabal, Omar Rosabal, adventista, casado, pai de cinco filhos, foi falsamente acusado de agenciar prostitutas, condenado a oito anos de prisão (depois de apelação, pois a previsão era de 20 anos de prisão!). O governo expulsou sua família de casa, agrediu mulheres, inclusive sua filha de 13 anos, retirada de casa à força, nua (ela acabou hospitalizada e desenvolveu pensamentos suicidas).[9] Além disso, destruíram o túmulo de Argelio Rosabal, que havia ajudado Che Guevara na revolução.[10]

cuba1

As testemunhas posteriormente teriam admitido que deram falso testemunho porque foram ameaçadas pela polícia,[11] e testemunhas de defesa também foram presas.[12] O irmão de Argelio, Onésimo Rosabal, também foi condenado a um ano de prisão, mas que poderia ser substituído por um ano de trabalho forçado.[13]

Omar Rosabal foi considerado preso político, e houve uma mobilização internacional para que ele fosse liberto. O caso foi analisado por um grupo de trabalho na Comissão de Direitos Humanos da ONU,[14] que considerou a prisão como “arbitrária”, e uma violação dos artigos 9, 10 e 11 da Declaração Universal dos Direitos Humanos.[15] Omar foi solto em dezembro de 2019, mas, segundo testemunho de familiares, continua sendo monitorado e ameaçado. Seu irmão, Argelio R. Sotomayor, lamenta por “todos aqueles que, cegamente, involuntariamente e obedecendo a esse medo que inocularam em nosso sangue, continuam a defender o sistema que os mata com miséria e fome, e continuam a gritar ‘Viva Fidel’”.

Foi assim que a família adventista que ajudou Che Guevara foi tratada pelos revolucionários. Assim, a “gratidão” inicial de Che Guevara se transformou em ingratidão revolucionária. O filho do senhor Rosabal, Argelio R. Sotomayor, assim se manifestou a respeito da revolução:

“Todos os cubanos devem estar cientes dos abusos e das torturas de que tantos cubanos foram vítimas, pelo único crime de pensar diferente e não querer para Cuba aquele regime vergonhoso e letal que trouxe tanto sofrimento e morte à ilha e ao mundo: o castrocomunismo. Tenho vergonha de meu pai ter sido o primeiro camponês a ajudar aquele bando de aventureiros cujo único objetivo era tirar do poder a ditadura de Batista para implantar sua própria ditadura, aquela que há mais de 60 anos sujeita os cubanos, oprimindo-os, aprisionando-os, privando-os de liberdade e direitos fundamentais.

“É claro que nunca passou pela cabeça do meu pai que o movimento que estava em suas mãos degeneraria no monstro sangrento que se tornou o que se chamou de Revolução, e ele foi enganado como tantos milhões de cubanos, dos quais apenas uma parte tivemos a oportunidade de abrir os olhos e ver a realidade.

“Se alguma vez acreditei que ser contrarrevolucionário era uma ofensa, hoje, depois de 62 anos de miséria e fome, repressão e prisão, creio que constitui o maior orgulho de qualquer cubano, eu o primeiro.

“Se José Martí, nosso herói nacional, pudesse ver em que uma gangue de criminosos, mafiosos e burgueses transformaram Cuba, seria o primeiro a pegar no facão e se jogar de novo no mato.

“Nós, cubanos, somos um só povo, embora eles tenham tentado nos dividir em bons e maus, em revolucionários e vermes, em patriotas e mercenários, em leais e traidores.

“É uma grande realidade, e é que todos queremos um país livre, soberano, democrático e próspero, com todos, dentro e fora; que só há um inimigo que impede de atingir esse objetivo: a ditadura comunista castrista liderada por um grupo de octogenários burgueses.

“Mas esse regime ditatorial está com os dias contados, apesar de sua ostentação e do abuso da força; porque não há nada nem ninguém que possa impedir o desejo de um povo decidido a ser livre. E isso acontecerá no mesmo dia em que todos os cubanos, de dentro e de fora, se unam e saiam às ruas de Cuba e de todos os países do mundo onde estamos, para exigir o fim da ditadura, a formação de um governo provisório, a convocação de eleições livres e constituição por sufrágio livre e universal de um governo decente e democrático.”[16]

No início do governo revolucionário, “houve entusiasmo e esperança para a maioria das pessoas, ‘uma lua de mel’”.[17] Mas a tendência antirreligiosa se impôs, como fica evidente no texto da (Artigo 54) Constituição de 1976, que diz: “(1) O Estado socialista, que fundamenta sua atividade e educa o povo na concepção científica materialista do universo, reconhece e garante a liberdade de consciência, o direito de todos de professar qualquer crença religiosa e de praticar o culto de sua preferência.”

O estado socialista admite o ateísmo como visão de mundo, e acrescenta que “(2) A lei regula as atividades das instituições religiosas”. Assim, apesar de supostamente garantir a liberdade religiosa, o governo ateísta avisa que “(3) É ilegal e punível opor a fé ou crença religiosa à revolução, à educação ou ao cumprimento de […] outros deveres estabelecidos pela constituição”.[18]

A base legal para perseguição se completa com o Código Penal de 1978 (Artigo 237) sobre o abuso da liberdade de culto: “Quem, abusando da liberdade de culto garantida pela Constituição, opõe a crença religiosa aos objetivos da educação ou ao dever de trabalhar, de defender a pátria com armas, ao reverenciar seu símbolo ou qualquer outro estabelecido na Constituição, é punido com pena privativa de liberdade de três a nove meses, multa de até 270 cotas ou ambas.”[19]

Ou seja, a educação é ateísta, e nenhum religioso poderia se opor a essa visão de mundo. Como isso poderia dar certo na prática? Resultou no óbvio: fim da liberdade religiosa e perseguição.

Os adventistas foram considerados contrarrevolucionários?

Sim. A Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) em Cuba é descrita como uma “seita em conflito com o Partido Comunista”, pois são “diferentes ideologias”.[20] Várias fontes afirmam que os adventistas foram considerados contrarrevolucionários por irem contra o Artigo 54 da Constituição de 1976. Os adventistas e as testemunhas de Jeová foram perseguidos porque suas crenças não coincidiam com as do governo.[21] Historicamente, a IASD sempre procurou manter boas relações com os governos, sem denotar apoio político. Logo após a revolução, a IASD foi convidada a assinar publicamente um apoio ao novo governo revolucionário, mas recusou.[22]

Um relatório sobre os direitos humanos afirma que, apesar de apresentar alguma melhora, “a perseguição religiosa continua. […] O governo continuou a usar o Código Penal para perseguir testemunhas de Jeová e, em menor medida, adventistas do sétimo dia. […] Porque o governo os considera ‘ativos inimigos religiosos da revolução’, testemunhas de Jeová e adventistas são vigiados e frequentemente perseguidos pelos CDRs”.[23]

Após um início de governo aparentemente amigável, logo as escolas religiosas sofreram intervenção estatal (funcionavam sob a supervisão do governo). Posteriormente, muitas propriedades da IASD foram confiscadas.[24] Em 1962, o mesmo colégio que serviu de ponto de apoio a Che Guevara sofreu uma intervenção do governo, e em 1967 foi tomado definitivamente. Uma instituição cristã considerada fundamentalista não podia ser tolerada num estado marxista-leninista.[25]

cuba2

Che Guevara e Fidel no Colegio [Adventista] de las Antillas

Fonte: https://bit.ly/3kCvHAz

O governo revolucionário de Fidel Castro proibiu programas de rádio (o “La Voz de Atalaya”), reuniões evangelísticas, e desapropriou escolas e outras instituições da igreja. O Colegio de las Antillas foi tomado pelo governo, e acabou em ruínas.[26]

Em 1963, houve vários conflitos entre o governo e cristãos que faziam evangelismo, especialmente pentecostais e adventistas do sétimo dia. O motivo é que a pregação apocalíptica era considerada antirrevolucionária.[27]

A obra de construção de uma igreja adventista em Pinar del Río foi embargada, e o material de construção foi utilizado para construir a casa de um funcionário do governo local. A Igreja Adventista de Cienfuegos teve autorização de funcionamento rejeitada e foi ameaçada de apedrejamento; igrejas adventistas foram incendiadas; adventistas foram agredidos gratuitamente por policiais, militares e “Jóvenes Comunistas” em diversas ocasiões.[28]

Em 1963, o governo divulgou um programa de combate aos movimentos religiosos, escrito pelo líder comunista Blas Roca e publicado na revista Cuba Socialista, com o título “A luta ideológica contra as seitas religiosas”.[29] Fidel mencionou o documento em discursos, e as restrições atingiram os adventistas (devido à estrita observância do sábado) e as testemunhas de Jeová (contrárias ao serviço militar e à saudação à bandeira nacional).[30]

Segundo Blas Roca, o governo deveria atacar as seitas religiosas porque o imperialismo norte-americano e “todos os inimigos de classe usaram a religião para seu trabalho contrarrevolucionário”.[31] O cristianismo era uma arma de colonização dos Estados Unidos, e “em lugar da confiança no homem e na ciência, as religiões e seitas prostram-se ante o poder sobrenatural dos deuses”.[32]

cuba4

Ruínas do Colegio de las Antillas

Fonte: https://bit.ly/3wPQLG1

Adventistas foram enviados aos campos de concentração (UMAP)?

Logo no início do governo revolucionário, doze estudantes do Colegio de las Antillas foram convocados ao Serviço Militar Obrigatório, e acabaram presos por sua posição irredutível quanto ao sábado e ao uso de armas. Na prisão, foram mantidos literalmente a pão e água por nove dias, e tiveram sérios problemas de saúde.[33]

Os adventistas receberam uma “oportunidade” para servir sem pegar em armas: trabalhar nas Unidades Militares de Apoio à Produção (UMAPs). As UMAPs eram “fazendas de trabalhos forçados, guardadas por soldados com armas longas, onde trabalhavam desde antes do amanhecer até o fim da tarde (muitas vezes até tarde da noite); com […] comida mais do que deficiente e escassa. Moravam em cabanas cercadas com arame farpado”.[34]

A propaganda oficial dizia que o objetivo da UMAP não era castigar ninguém, mas “fazer com que esses jovens mudem de atitude, educá-los, treiná-los, salvá-los. Impedir que amanhã sejam parasitas, incapazes de produzir qualquer coisa, criminosos contrarrevolucionários, ou criminosos comuns, seres inúteis para a sociedade”.

cuba5

Matéria anunciando as UMAPs como local para forjar cidadãos úteis

Fonte: https://bit.ly/2UmVQZv

Em 1965, um grupo de 48 pastores e crentes evangélicos foi acusado de “desvio ideológico” e vínculos com a CIA. No mesmo ano, militantes do Partido Comunista ameaçaram o pastor adventista Charles Vento e queimaram a Igreja Adventista de Santa Damiana, em San Juan e Martinez.[35] Algum tempo depois, o pastor Charles foi preso numa UMAP.

Nas UMAPs, os presos adventistas “foram impedidos de se alimentar aos sábados por se recusarem a trabalhar nesse dia. Isso demonstra que o desrespeito aos dogmas pregados por essas religiões também eram uma forma de tortura psicológica exercida dentro das UMAPs”.[36]

Luis Caballero Calas, sobrevivente das UMAPs, relatou: “Testemunhei o dia em que um cristão adventista foi amarrado a um cavalo para ser levado aos campos para trabalhar no sábado, um dia sagrado para eles.”[37] Também há registro de que o pastor adventista Firino Serrano foi prisioneiro dos campos de concentração.[38]

Noel Fernández, levado para uma UMAP em 1966, conta: “Alguns de nós economizamos parte de nossa comida aos sábados para dar aos adventistas, que eram forçados a ficar de pé durante toda a manhã e tarde no centro do acampamento. O chefe da unidade gritou que se a Bíblia diz que quem não trabalha não come, como não trabalhou naquele dia, não tinha direito à alimentação.”[39]

cuba6b

Há relatos de tortura psicológica, como o do pastor adventista Manuel Molina: “No acampamento Mola, cujo nome não quero lembrar. Eles levaram 17 religiosos de nós; Adventistas, testemunhas de Jeová e o Bando Evangélico Gideon, e eles ameaçaram nos fuzilar.”[40]

O pastor batista Orlando Colás viu testemunhas de Jeová sendo espetados por baionetas, espancados, e quando gritavam, jogavam terra na boca para silenciá-los. Além disso, relata que viu “a punição dos adventistas do sétimo dia que, por respeito, não trabalham aos sábados. Como os acampamentos funcionavam sete dias por semana, eles eram forçados a trabalhar aos sábados. Eles amarraram um adventista, o pastor Isaac Suárez, a uma laranjeira cheia de espinhos e disseram-lhe: ‘Agora você é Jesus Cristo e nós vamos crucificá-lo.’ Eles deixaram assim, ao sol, o dia todo. Eles levaram outro para fora e fizeram o mesmo com ele. Alguns foram enterrados, cobrindo-os completamente, deixando apenas a cabeça de fora, por dois dias ao sol”.[41]

Alguns pesquisadores tentaram “desmistificar” as UMAPs, mas a desmistificação proposta significa admitir que as UMAPs não eram só campos de tortura, mas de produção também – isso não muda absolutamente nada para as vítimas. É basicamente como argumentar que um assassino não é apenas um assassino, mas também um bom funcionário e um bom motorista.

Ignorando os inúmeros testemunhos de vítimas, alguns tentam negar o fato de que adventistas sofreram abusos nas UMAPs. Por exemplo, Tahbaz afirma que “os adventistas do sétimo dia, no entanto, não foram associados ao mesmo estigma contrarrevolucionário e, portanto, não foram alvo de abusos nos campos”.[42] No entanto, as fontes usadas por Tahbaz dizem exatamente o contrário, e incluem os adventistas entre as vítimas de abusos nas UMAPs.[43]

Apesar de fontes afirmarem que, teoricamente, os adventistas não eram considerados párias da sociedade nas UMAPs, na prática, “nas áreas rurais e semiurbanas, os ministros [adventistas] não estavam em uma classificação muito diferente da categoria mencionada”.[44] Sempre há uma diferença entre a realidade e os relatórios oficiais das ditaduras.

Estima-se que aproximadamente 35 mil pessoas passaram pelas UMAPs, e várias pessoas acabaram em clínicas psiquiátricas, morreram de tortura ou cometeram suicídio: “As pessoas mais frequentemente internadas nos campos eram religiosos (fanáticos religiosos) e gays”, e “a grande quantidade de internados [presos] incluía testemunhas de Jeová, adventistas do sétimo dia”.[45] Falando sobre as UMAPs e a perseguição aos homossexuais, mais de 40 anos depois, o próprio Fidel Castro admitiu: “Sim […], foram momentos de grande injustiça, grande injustiça!”[46]

A homenagem fúnebre do pastor adventista Charles Vento lembrou que ele esteve em um “campo de concentração chamado UMAP” em Cuba, uma “terrível experiência em que seu cristianismo foi severamente testado”.[47]

cuba6

Pastor Charles Vento

Fonte: https://bit.ly/3wSNLc2

O pastor Charles foi entrevistado em várias pesquisas sobre religião durante a revolução cubana. Charles Vento relatou tortura física e psicológica; os prisioneiros ouviam: “Aqui você vai apodrecer. Sairão quando aceitarem a revolução.”[48] Também é bem conhecido o relato do pastor cubano José H. Cortés, ex-aluno do Colegio de las Antillas, que foi prisioneiro em Cuba.[49]

Um caso extremo que ficou mundialmente conhecido foi o do adventista Humberto Noble Alexander, falsamente acusado de conspiração em 1962, condenado a 20 anos de prisão, mas que acabou ficando 22 anos, 3 meses e 11 dias preso. Foi torturado de várias formas, perdeu a família e a saúde. Foi solto em 1984, após intervenção do pastor Jesse Jackson, e morreu nos Estados Unidos em 2002.[50]

cuba8

Pastor José H Cortés, ex-prisioneiro em Cuba

Fonte: https://bit.ly/2UuTF62

cuba9

Humberto Noble Alexander, preso e torturado por mais de 20 anos

Fonte: https://bit.ly/2TmxgqS

A IASD frequentemente aparece como vítima em relatórios internacionais sobre liberdade religiosa em Cuba. Até o teólogo Adolfo Ham, um dos maiores defensores da ideia de que as igrejas deveriam cooperar com o governo revolucionário, e membro do Concilio de Iglesias Evangélicas de Cuba, admite que os adventistas estavam entre as denominações “mais castigadas”.[51]

O Serviço Militar Obrigatório era outra fonte de problemas. Mesmo nos anos 1980 ainda havia vários registros de adventistas ameaçados e perseguidos “porque, entre outras coisas, se recusaram a participar do treinamento militar”.[52] Também foram perseguidos por se recusarem a enviar os filhos à escola aos sábados.[53]

Em 1989, três adventistas de Villa Clara foram presos por publicar literatura religiosa clandestinamente.[54] Nos anos 1990, ainda havia problemas, como mostra relatório do Puebla Institute: “Outro grupo muitas vezes em desagrado são os adventistas do sétimo dia, que frequentemente se recusam a trabalhar […] aos sábados.”[55]

Outro relatório afirma que, durante a visita do Papa em 1998, uma série de “igrejas evangélicas” em Holguín, incluindo a Adventista do Sétimo Dia, “continuou sendo vitimada por cercos, proibições e fechamento de igrejas”. Esse relato diz que a Igreja Adventista dessa região já estava fechada havia mais de 20 anos.[56]

Relatório da Human Rights Watch relatava em 1999 que, “embora Cuba permita maiores oportunidades de expressão religiosa do que nos anos anteriores […], o governo ainda mantém um controle rígido sobre as instituições religiosas, grupos afiliados e crentes individuais”.[57]

Relatório da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA) de 2000 ainda menciona a questão da falta de liberdade religiosa em Cuba.[58] Eventos religiosos públicos acontecem, mas são vigiados. Um quarteto adventista espanhol (Los Heraldos del Rey) foi proibido de se apresentar em Cuba em 1998.[59] Outro relatório também menciona a proibição da apresentação do quarteto adventista Los Heraldos Negros,em 2000.[60] Relatório publicado pela Agência de Refugiados da ONU menciona essas situações envolvendo adventistas.[61]

Conclusão

A revolução começou como esperança para muitos adventistas, mas logo se tornou em pesadelo. Por causa da ajuda que recebeu de Argelio Rosabal, Che Guevara tinha gratidão aos adventistas, mas a revolução cubana não. E, apesar de Che Guevara ter conseguido uma exceção temporária à convocação militar de jovens adventistas, os adventistas foram enviados para os campos de concentração como os demais religiosos. A afirmação de que adventistas receberam melhor tratamento que os demais ou que não eram alvo de abusos nos campos de concentração por terem ajudado Che Guevara simplesmente não é sustentada pelas evidências, pelos registros, testemunhos e relatórios.

É lamentável que alguns adventistas prefiram acreditar na propaganda do partido em lugar dos inúmeros testemunhos de sobreviventes, familiares, relatórios de observadores internacionais e pesquisadores. Há uma enorme comunidade de adventistas cubanos na Flórida (EUA); essas pessoas existem, possuem relatos de primeira mão, e são nossos irmãos de fé. Um estudo mostra como as igrejas ajudaram no êxodo cubano, e o impacto que a comunidade de exilados e refugiados cubanos (adventistas, inclusive) exerceu na Flórida.[62] Não é difícil obter testemunhos de primeira mão sobre a verdadeira história da liberdade religiosa durante o governo revolucionário em Cuba.

O embargo econômico imposto pelos Estados Unidos não justifica a falta de liberdade religiosa e a perseguição. O argumento “mas a igreja cresceu nesse período” não significa que o regime foi bom. A igreja cristã cresceu na União Soviética, na Albânia, na China, e até sob o Império Romano! O argumento do crescimento é irrelevante para discutir liberdade religiosa.

Finalmente, é preciso agradecer a Deus, pois, apesar das dificuldades, a IASD cubana é vibrante e atuante. Como em toda a história de Sua igreja, Deus tem transformado maldição em bênçãos, e o evangelho prospera naquela linda ilha.

(Isaac Malheiros é doutor em Teologia e professor no Instituto Adventista Paranaense)

Referências:

[1] VALDÉS, Israel Gonzalez. La Iglesia Adventista Del Séptimo Dia en Cuba a Partir del Triunfo de la Revolución. Monografia. Berrien Springs: Andrews University, 1976. p. 19. Disponível em: https://bit.ly/3wRkKh1 Acesso em 23 jul. 2020

[2] VALDÉS, 1976, p. 24.

[3] CHE GUEVARA, Ernesto. Pasajes de la Guerra Revolucionaria.New York: Ocean Sur, 2006. p. 126 (Capítulo “A la deriva”).

[4] VALDÉS, 1976, p. 9.

[5] Che Guevara cita positivamente os adventistas algumas vezes em seus livros de memórias, por ex., GUEVARA, Che p. 89.

[6] KING, Jeff. The Untold Story of Revival in Cuba. Persecution. 15 jul. 2020. Disponível em: https://bit.ly/36V1UL3

[7] MASSÓN, Caridad. La Revolución Cubana em la vida de pastores y creyentes evangélicos. La Habana: Ediciones La Memoria, 2006. p. 14-15.

[8] FLOR, Mamela Fiallo. Cuba: profanan tumba del Pastor que rescató a combatientes del Granma. PanAm Post. 23 maio 2018. Disponível em: https://bit.ly/3hW1Dy9

[9] CUBANET. El régimen cubano expropia a una familia con dos menores de edad. 29 jun. 2018. Disponível em: https://bit.ly/3y4IBv7

[10] FLOR, 2018.

[11] DIARIO DE CUBA. Detenido un ‘exitoso’ cuentapropista en Pilón. 24 nov. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3hQ3PHl

[12] CANINO, Agustín López. Onésimo. Cuba Democracia y Vida. 22 jun. 2018. Disponível em: https://bit.ly/3iovEFO

[13] Ver o depoimento de Onésimo Rosabal, disponível em: https://bit.ly/36OAff4

[14] Disponível em: https://bit.ly/3zdKW6T

[15] Human Rights Council: Working Group on Arbitrary Detention. Opinion No. 48/2018 regarding Omar Rosabal Sotomayor (Cuba). Disponível em: https://bit.ly/3zdKW6T

[16] SOTOMAYOR, Argelio Rosabal. Facebook. 18 Mar. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3zkqzoS

[17] MASSÓN, 2006, p. 51.

[18] Constitución Política de 1976. Disponível em: https://bit.ly/3kwMV28 (ênfase acrescentada)

[19] Código Penal 1978. Disponível em: https://bit.ly/3ikAeVe (ênfase acrescentada)

[20] ROSADO, Caleb. Sect and Party: Religion Under Revolution in Cuba. Tese (doutorado). Evanston: Northwestern University, 1985. p. iii-iv.

[21] LUIS, William. Culture and Customs of Cuba. Westport: Greenwood, 2001. p. 25.

[22] VALDÉS, 1976, p. 18.

[23] DEPARTMENTE OF STATE. Country Reports on Human Rights. Volume 993. Washington: U.S. Government, 1994. p. 412-413.

[24] ALBA SILOT, John. Cuba: Iglesia y Revolución, la deconstrucción de un mito. Dissertação (mestrado). Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2015. p. 50-51. Disponível em: https://bit.ly/3wQrk7n

[25] VALDÉS, 1976, p. 39.

[26] LAND, Gary. Historical Dictionary of the Seventh-Day Adventists. Lanham: Rowman & Littlefield, 2015. p. 85.

[27] ALBA SILOT, 2015, p. 55.

[28] VALDÉS, 1976, p. 24-33.

[29] ROCA CALDERÍO, Blas. La Lucha Ideológica contra las Sectas Religiosas, Cuba Socialista, ano 3, n. 22, jun. 1963, p. 28-41.

[30] ALBA SILOT, 2015, p. 56.

[31] ROCA CALDERÍO, 1963, p. 28.

[32] ROCA CALDERÍO, 1963, p. 32.

[33] VALDÉS, 1976, p. 50.

[34] VALDÉS, 1976, p. 52.

[35] FIGUEROA, Abel R. Castro. Quo Vadis, Cuba?: Religión Y Revolución. Bloomington: Palibrio, 2012. Capítulo 4.

[36] RODRIGUES, Amanda A. G. Memórias da repressão do governo revolucionário a grupos religiosos e homossexuais em Cuba: um estudo dos testemunhos de ex-umapianos (1984-2019). Ituiutaba: Universidade Federal de Uberlândia, 2020. p. 62. Disponível em: https://bit.ly/36OKK1Y

[37] UMAP CUBA 1965. El silencio que no entierra a las UMAP. s.d. Disponível em: https://bit.ly/3BvuAZs

[38] FIGUEROA, 2012, p. 169.

[39] UMAP CUBA 1965, El silencio que no entierra a las UMAP.

[40] UMAP CUBA 1965. Manuel Molina – Pastor Adventista. s.d. Disponível em: https://bit.ly/36RtFEg

[41] UMAP CUBA 1965. Orlando Colás – Pastor Bautista. s.d. Disponível em: https://bit.ly/36Ru2Pa

[42] TAHBAZ, Joseph. Demystifying las UMAP: The Politics of Sugar, Gender, and Religion in 1960s Cuba, Delaware Review of Latin American Studies, v. 14, n. 2, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3wTafJK

[43] Por exemplo, Tahbaz cita Blanco, e mesmo assim ignora os relatos de Blanco a respeito dos maus-tratos que incluíam adventistas entre as vítimas. Ver BLANCO, José Caballero. Uma Muerte A Plazos. Yelm: D’Har, 2008 [kindle]. p. 38, 46, 49, 52, 89.

[44] VALDÉS, 1976, p. 52.

[45] TAHBAZ, 2013.

[46] SAADE, Carmen Lira. Soy el responsable de la persecución a homosexuales que hubo en Cuba: Fidel Castro. Periódico La Jornada, 31 ago. 2010, p. 26. Disponível em: https://bit.ly/3kBTOPz Para Tahbaz (2013), “homens gays certamente sofreram tratamento horrível nos campos”.

[47] Celebrando la Vida del Pr. Charles Vento. Disponível em: https://youtu.be/LgKnSIlpmNk?t=2620

[48] Por exemplo, ROS, Enrique. La UMAP: el Gulag castrista. Ediciones Universal, 2004. p. 62-64, 219; SÁNCHEZ-BOUDY, José. La Cuba eterna: la fuerza de las ideas del exilio histórico. Ediciones Universal, 2009. p. 42.

[49] CORTÉS, José H. Prisioneiro em Cuba: a história de um jovem que não perdeu a esperança. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2020.

[50] A história está registrada em ALEXANDER, Humberto Noble. Moriré Libre. Voice Media, 2015. A IASD fez uma matéria na época da libertação de Alexander, JOHNSON, Stephanie D. Standing firm in a raging storm: an account of 22 years in a Cuban prison, North Regional Voice, v. 8, n. 9, nov. 1986. p. 2-4. Disponível em: https://bit.ly/2TmxgqS

[51] MASSÓN, 2006, p. 51. Em espanhol: “más fustigadas”.

[52] BRIGGS, Kenneth A. Communist-Christian conflict in Cuba seems to ease. The New York Times. 19 abr. 1981. Disponível em: https://nyti.ms/3hRDpVw

[53] INTER-AMERICAN COMMISSION ON HUMAN RIGHTS. La situación de los derechos humanos en Cuba: septimo informe. General Secretariat, Organization of American States, 1983. p. 84.

[54] PUEBLA INSTITUTE. Cuba: Castro’s War on Religion. s.l.: Puebla Institute, 1991. p. 16.

[55] PUEBLA INSTITUTE, 1991, p. 16.

[56] CUBANET. Un mito que con el Papa se ha hecho leyenda. 18 maio 1998. Disponível em: https://bit.ly/3zdee5E

[57] HUMAN RIGHTS WATCH. Cuba’s Repressive Machinery: Human Rights Forty Years After the Revolution. 1999. Capítulo 1. Disponível em: https://bit.ly/2W68IUl

[58] INTER-AMERICAN COMMISSION ON HUMAN RIGHTS. Annual Report 2000. Capítulo IV. Disponível em: https://bit.ly/36LBueO

[59] CUBANET. Limitan la actuación de un cuarteto. 29 dez. 1998. Disponível em: https://bit.ly/3zigacW

[60] CUBANET. Permitirán oficios religiosos públicos. 3 out. 2000. Disponível em: https://bit.ly/2UVVzfY

[61] REFWORLD. Cuba: Situation of Seventh Day Adventists (update to CUB22465.E of 16 February 1996). Disponível em: https://bit.ly/3wVxDq1

[62] JORGE, Antonio; SUCHLICKI, Jaime; VARONA, Adolfo Leyva de. Cuban Exiles in Florida: Their Presence and Contributions. Miami: University of Miami, 1991. p. 111-145.

O que seria das mulheres sem o cristianismo?

Em todos os lugares em que ele chegou, as condições das mulheres melhoraram. Onde ele não chegou, veem-se coisas terríveis, como a eugenia sexual, o infanticídio e a prostituição.

woman-praying

Muito se fala sobre a situação da mulher na sociedade moderna. Acreditam não poucos que há um grande desnível – ou abismo mesmo – entre os direitos e deveres do homem e os da mulher, sendo que essa última tem sido historicamente prejudicada. E não faltam candidatos a carrasco do sexo feminino. A última moda agora é acusar as religiões de forma geral, e o Cristianismo, em especial. Não há a menor dúvida de que existem religiões no mundo que cerceiam os direitos da mulher. O Islamismo é um bom exemplo desse tipo. Tanto seu livro sagrado como sua literatura teológica discrimina e rebaixa gravemente a mulher a ponto de torná-la um objeto de propriedade, primeiramente do pai, e depois do marido. Contudo, neste texto quero provar que não há razão por que colocar o Cristianismo no mesmo cesto das religiões que pejoram a mulher. Mais do que isso, vou mostrar como o Cristianismo colocou a mulher em uma situação muito melhor do que qualquer outro sistema religioso ou filosófico que já existiu.

Um pouco de história

A vida da mulher não era fácil nas culturas antigas. Em geral, eram propriedade dos maridos. Não eram consideradas capazes ou competentes para agir independentemente. Vejamos a Grécia antiga. Aristóteles disse que a mulher estava em algum lugar entre o homem livre e o escravo (considerando que a situação do escravo não era nem um pouco auspiciosa, perceba a pobre situação feminina), e que era um “homem incompleto” (Política). Platão, por sua vez, entendia que se o homem vivesse covardemente, ele reencarnaria como mulher. E se essa se portasse de modo covarde, reencarnaria como pássaro (A República, Livro V). A sorte das mulheres não era muito melhor na Roma antiga. Poucas famílias tinham mais de uma filha. O casamento romano era uma forma de trazer mais material humano para formação do exército, e assim permitir a Roma a continuidade de sua expansão; por isso, o interesse estava em ter filhos homens. Daquelas, porém, que sobreviveram ao infanticídio, eram-lhes reservadas as tarefas do lar, mas não o exercício da cidadania e a participação política, coisa reservada apenas aos patrícios homens.

Na China, até bem recentemente, o infanticídio era uma prática comum. Os bebês do sexo feminino eram entregues como alimento aos animais selvagens ou deixados para morrer nas torres dos bebês. Adam Smith escreveu sobre essa prática no seu famoso livro A Riqueza das Nações, de 1776. Ele fala inclusive que o descarte de bebês indesejados era mesmo uma profissão reconhecida e que gerava renda para muitas pessoas.

Vejamos outros casos. Na Índia, viúvas eram mortas juntamente com seus maridos – a prática chamada de sati (que significa a boa mulher). Também havia tanto o infanticídio quanto o aborto feminino. Além disso, meninas eram criadas para serem prostitutas cultuais – as devadasis. Nessa prática religiosa, a menina era “casada com” e “dedicada a” um dos deuses hindus. Nos rituais de adoração a esses deuses, havia dança, música e outros rituais artísticos. Conforme iam crescendo, as devadasis se tornavam servas sexuais, de homens e dos “deuses”. Ainda hoje, famílias pobres entregam suas filhas para essas deidades com o objetivo de alcançar delas algum favor, ou ainda obter algum meio de renda com os frutos da prostituição.

Na África, o problema era semelhante à prática do sati da Índia. Quando um líder tribal morria, as esposas e concubinas do chefe eram mortas juntamente com ele. Mesmo hoje, no Oriente Médio, o valor da mulher é mínimo.

A mudança trazida pelo Cristianismo

Que diferença trouxe a vinda de Jesus Cristo entre nós? Muita, em vários pontos. Na verdade, foi uma revolução. Muito do que Jesus Cristo ensinou já era praticado pela sociedade judaica (que era muito diferente das nações à sua volta), e outros pontos tiveram seus termos desenvolvidos por Ele. Mas mesmo os judeus tinham um tratamento discriminatório em relação às mulheres; Jesus, entretanto, Se relacionava de forma saudável com elas. De forma geral, o Cristianismo colocou a mulher em pé de igualdade com os homens. Como ele fez isso?

– Dizendo que ambos foram criados por Deus, à Sua imagem e semelhança (“E criou Deus o homem à Sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” [Gn 1:27]. Para Deus, homens e mulheres têm o mesmo valor [Gl 3:28]).

– Que ambos deveriam dominar e sujeitar a natureza (“E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra” [Gn 1:28]). Não há nada que impeça a mulher, tanto quanto o homem, de explorar a criação em cumprimento ao mandato cultural.

– A decisão de Deus criar a mulher a partir de Adão declara que ambos provêm da mesma essência (Gn 2:22), mostrando que a mulher em nada é inferior ao homem, tampouco lhe é superior. E a declaração de Adão mostra que sua mulher, Eva, é parte de si mesmo, tendo o mesmo valor que ele próprio (Gn 2:23).

– Que o casamento, como instituição divina, implica que o homem foi feito para a mulher, assim como a mulher foi feita para o homem, e dessa forma ambos andam como uma unidade em dois corpos (Gn 2:24), o que destrói a ideia de que a mulher é escrava do marido, ou vice-versa. São complementares.

– O Cristianismo também evitou que a mulher fosse injustiçada, não permitindo a poligamia, que é inerentemente prejudicial a elas (1Co 7:2).

– O Cristianismo ensinou o cuidado com as viúvas. Elas, se não tivessem recursos, deveriam ser cuidadas e sustentadas pela igreja (1Tm 5). Se o marido morre, ela é livre para continuar viúva ou casar novamente, se quiser.

– O Cristianismo condenou a prostituição ao declarar que o corpo não pertence a nós mesmos, mas a Deus, e que ele é templo do Espírito Santo (1Co 6:13,19). O corpo do homem pertence à mulher, e o da mulher ao homem (1Co 7:4).

– O Cristianismo aprova a instituição do casamento, que não só protege a mulher da exposição aos males sociais, como provê um ambiente seguro material, espiritual e sentimentalmente para seu desenvolvimento integral (Ef 5:28, 29).

– O Cristianismo protege a vida, que entende começar no momento da concepção. Dessa maneira, nenhuma criança deixa de nascer devido a características indesejáveis (pelos pais) que ela tenha ou seja. A vida é direito inviolável, outorgada por Deus, sendo que somente Ele tem direito de reavê-la (1Sm 2:6; Jó 1:21).

– O Cristianismo também proíbe a pornografia, pois entende que ela é equivalente ao adultério. Com isso, a mulher deixa de ser vista como um objeto aos olhos do homem, e reserva o sexo e a nudez para aquele que tem direito a essas coisas, a saber, o marido (Mt 5:28).

Uma palavra sobre o movimento feminista

Se há algum direito, de qualquer pessoa que seja, que deva ser assegurado, sou completamente a favor da luta por ele. A sociedade falha em tratar as mulheres adequadamente porque ela não é uma sociedade moldada exclusivamente pela moral cristã. Muitos dos direitos pelos quais o movimento feminista luta são justos: direitos trabalhistas iguais aos do homem, proteção contra violência física e emocional, igualdade de direitos civis, entre outros. Porém, alguns pontos pelos quais ele luta não são bons, como, por exemplo, o aborto. Ora, o aborto sempre foi uma ferramenta usada pelo homem – e geralmente usado para evitar nascimento de mulheres! O aborto se refere a algo além do corpo da mulher; é outro ser vivo. Ocorre que, ao lutar por esse “direito”, a mulher trata um bebê ainda não nascido como algo menos que humano, tal como um objeto: ou seja, do mesmo modo que ela própria já foi tratada na história.

Outro problema que eu vejo é que algumas feministas mais exaltadas não querem simplesmente uma equiparação de direitos; desejam ocupar o lugar do homem que as explorava, transformando-se em exploradoras. Almejam uma inversão de papéis. Em lugar de uma sociedade patriarcal, sonham com uma matriarcal. E algumas feministas ainda descambam para a misandria – o ódio pelo sexo masculino.

Concluindo

O que o paganismo faz para proteger a mulher? Nunca fez nada, e nunca fará. E essas outras religiões não cristãs? Normalmente, colocam o sexo feminino em uma posição inferior à do homem. E o humanismo? Nada trouxe de bom para as mulheres. Na prática, uma vertente humanista (evolucionista) ensina que nada há de especial na humanidade; tudo que há é resultante de acaso. Somente o mais forte sobrevive (ou domina). Se for o sexo masculino, assim deve continuar a ser. É natural que seja assim. Não há justificativa moral (do ponto de vista evolucionista) para proibir a violência física, sexual, emocional à mulher, nem mesmo por que condenar posicionamentos machistas. A máxima é “o que agora é, é o certo”.

Mas não é assim com o Cristianismo. Em todos os lugares em que ele chegou, as condições das mulheres melhoraram. Onde ele não chegou, veem-se coisas terríveis, como a eugenia sexual, o infanticídio e a prostituição. […]

(Leandro Márcio Teixeira , Napec)

Nota: Na história do adventismo, a principal figura histórica e maior autora foi a norte-americana Ellen G. White. Ellen exerceu um consistente ministério profético por sete décadas, tendo sido palestrante reconhecida, líder, educadora e mãe.

Estaria o nome de Jesus relacionado ao porco?

Uma hipótese falaciosa afirma que o nome de Jesus é uma fabricação posterior para ridicularizá-Lo.

jesus

Com o avanço da (des)informação através da internet as pessoas têm acreditado em praticamente qualquer coisa que leem em suas telas, por mais absurda que seja – especialmente quando se trata de teorias de conspiração. Frequentemente, pessoas mal-intencionadas inventam essas coisas para que pessoas bem-intencionadas as divulguem. Sempre foi assim. Por isso Deus já advertia no tempo de Moisés: “Não espalharás notícias falsas” (Êx 23:1).

Uma dessas desinformações falaciosas afirma que o nome de Jesus é uma fabricação posterior para ridicularizá-Lo ao associá-Lo ao porco e ao cavalo. Dizem que o nome original deveria ser conforme o hebraico Yehoshua e que “Jesus” seria a junção intencional de duas palavras: “Je”, que em grego teria o significado de “terra”; e “sus”, que em latim significa “porco”, e, em hebraico, “cavalo”; tal junção resultaria em algo como “o porco da terra” ou “o cavalo da terra”.

Essa ideia é completamente absurda! Não é porque há coincidência entre a sílaba de um idioma e uma palavra de outro que exista também uma relação de significados. Essa ideia é tão insana como dizer que o nome Manoel tem intencionalmente um significado obscuro: “man”, que significa “homem” em inglês; “o”, que é um artigo definido masculino em português; e “el”, que significa Deus em hebraico. Daí, Manoel supostamente significaria “Homem, o Deus”, o que revelaria uma afronta ao Deus do Céu. Sim, esse é o resultado de uma criatividade ilógica e até “maluca”. Equivale a dizer que o nome Elmar necessariamente seja uma alusão intencional ao mar, pois é esse o significado em espanhol (el mar). Ou ainda que o nome Mauro esteja ligado semanticamente ao adjetivo “mau”, pois “faz parte” do nome. Isso para não falar do nome russo Sergei (lê-se “Serguei”), que na língua original não tem nada a ver com o que parece soar em nosso idioma e talvez em outros. Da mesma forma, o nome de Jesus não tem nenhuma ligação com o significado de sus em hebraico (“cavalo”), nem em latim (“porco”).

Essa teoria de conspiração também usa o seguinte argumento: como a letra “J” só foi criada no século 16, o nome Jesus não poderia existir, pois Ele viveu mais de 1.500 anos antes disso. Como em toda boa mentira, sempre se faz uso de alguma verdade para dar credibilidade ao erro. Nesse caso, é fato que a letra “J” só foi inventada em 1524 por um gramático chamado Gian Giorgio Trissino. Mas isso não significa que o som representado por essa letra não existisse antes. De fato, a letra grega inicial usada no nome Iesous é chamada de “iota”, justamente porque seu som é uma variante entre os sons de “i” e “j”. O que Trissino fez foi criar uma forma gráfica para representar especificamente o som (ou fonema) mais propenso para “j” do que para “i”. É como o caso da letra hispana “ñ”: ela foi “criada” no século 13, mas seu som já existia séculos antes, sendo representado por “nn” ou “gn” (que em nossa língua representamos por “nh”).

O nome Jesus veio do latim Iesus, que veio do grego Iesous, que, por sua vez, é uma adaptação do hebraico Yeshua. No hebraico, as palavras que em nossa língua começam com “j” geralmente são iniciadas com a letra “yod”, que equivale ao nosso “y”. Nos textos em grego essa letra era representada pela sua equivalente chamada “iota”: Ierousalém, Ioudaia, Ionas, etc. Dizer que o nome Jesus é uma profanação de Cristo só porque não existia a letra “J” é tão sem sentido quanto dizer que os nomes Jerusalém, Judá, Jonas e todas as palavras que contêm “J” na Bíblia estão profanadas!

O nome hebraico Yeshua é a abreviação de Yehoshua, o qual traduzimos em português como “Josué”. Esse era um nome comum no Antigo Testamento, como se pode ver em 1 Samuel 6:14 e 2 Reis 23:8. Seu significado é “Yahu resgata/salva” (sendo que Yahu é uma das formas do nome de Deus). Com o passar do tempo, por questões linguísticas naturais, o prefixo Yeho foi encurtado para Ye. O próprio Josué (Yehoshua) é mencionado em Neemias 8:17 com a forma encurtada de seu nome (Yeshua).

Aparentemente, esse nome abreviado se tornou mais popular, pois há vários outros “Josués” mencionados no Antigo Testamento no formato Yeshua (ex.: 1Cr 24:11; 2Cr 31:15; Ed 2:2, 6, 36, 40; Ne 3:19; 7:7, 11, 39, 43; 12:24, 26). Esse também era muito provavelmente o nome de Jesus – Yeshua –, que em grego era registrado como Iesous. Por isso em Mateus 1:21 o anjo interpreta o nome do Menino com o mesmo significado de Josué: “Deus salvará o Seu povo”. Na Septuaginta (LXX), famosa versão grega do Antigo Testamento – produzida cerca de 200 anos antes de Cristo –, o nome hebraico de Josué é sempre traduzido como Iesous. Assim, como o nome grego Iesous é totalmente equivalente ao nome hebraico de Josué, a versão bíblica King James substitui o nome Josué por Jesus em Atos 7:45 e Hebreus 4:8.

Portanto, o nome de Jesus era muito comum em Sua época, tanto na forma hebraica Yeshua quanto na forma grega Iesous. Um exemplo disso é o homem chamado “Jesus, conhecido como o Justo”, referido em Colossenses 4:11 como um dos fiéis amigos de Paulo. Conforme alguns manuscritos antigos de Mateus 27:16, 17, é possível que o primeiro nome de Barrabás fosse Jesus (mas isso é conteúdo para outro estudo).

Como se pode notar, o nome Iesous não foi inventado para profanar Cristo, pois esse nome já existia séculos antes da era cristã como a forma grega de Josué (Yeshua). Geralmente, quem inventa (e quem espalha) uma teoria de conspiração como essa não entende nada das línguas originais que dissimuladamente usa para enganar. Por exemplo, ao dizerem que a sílaba Je significa “terra”, em grego, demonstram ignorar por completo que a palavra grega para “terra” é ge, a qual se lê como “gue” e não como “je”.

Alguém pode ainda perguntar por que os nomes mudam tanto de um idioma para outro, e se não deveríamos usar apenas o nome “original” de Jesus, Yeshua, ou até mesmo sua versão não abreviada (Yehoshua). Mas o fato é que não conseguiríamos pronunciar corretamente o nome. Como será que se pronuncia esse “Y” inicial (que é uma transliteração da letra hebraica “yod”)? Seria como um “Y”, como um “I” ou como um “J”? Ou seria como um meio-termo entre essas letras? A letra “e” seria pronunciada como um “ê” ou como um “é”? E o “u” seria como o “ü” de Müller, como o “u” francês ou o português? E ainda: Seria como o som hebraico atual ou o antigo?

Há fonemas que são muito naturais em uma língua, mas muito difíceis de reproduzir em outra. Para uma pessoa hispana, por exemplo – que não usa o fonema “ó” –, é muito difícil perceber a diferença entre os sons de “vovô” e “vovó” e reproduzi-los corretamente (faça um teste com um amigo hispano). O mesmo acontece com outras línguas. Uma vez perguntei a um amigo texano qual era a diferença de pronúncia entre as palavras year (ano) e ear (orelha). Ele pronunciou essas duas palavras como se a diferença fosse muito óbvia, mas para mim soavam exatamente iguais. Então eu percebi, depois de muita ênfase dada por ele, que o “y” deles soa de modo quase imperceptível para nós, como um tipo de “j” muito discreto e quase mudo. Assim, a palavra year (que pronunciamos errado como “iear”) soa quase como “jear”, mas com um “j” muito diferente, pronunciado meio com a garganta (gutural) e com a parte de trás do céu da boca. Talvez algo similar deva ser a realidade das letras “yod” em hebraico e “iota” em grego.

Por incrível que seja, há palavras em outras línguas que nós não conseguiríamos reproduzir nem mesmo sob ameaça de morte. Vemos um exemplo disso em um episódio da Bíblia que mostra como uma pequena variação de dialeto entre as tribos de Israel fez com que milhares de pessoas morressem por não conseguirem reproduzir corretamente uma palavra (Jz 12:6). Muitas pessoas morreriam se suas vidas dependessem de pronunciar corretamente palavras inglesas como world, girl, Connecticut, three, entre outras. Ainda bem que com Deus não é assim que funciona, como querem os conspiracionistas com suas teorias!

São questões linguísticas como essas que fazem com que um apóstolo seja chamado de Ioannes na língua em que ele mesmo escreveu (grego), e ainda de Iohan, Johanes, John ou João em outras línguas. Da mesma forma, Iácobos se tornou Jacob em inglês e Tiago em português. É difícil entender essas transformações que às vezes ficam tão diferentes, mas elas acontecem de modo natural, pois a pronúncia é inevitavelmente modificada em outras línguas e acaba se adaptando. Da mesma forma, há vários nomes de estrangeiros muito difíceis de serem reproduzidos corretamente em nosso idioma. Pense no nome americano masculino Earl em solo brasileiro! Imagine as várias tentativas dos amigos para reproduzirem esse nome: “Er”; “Ere”; “Eare”; “Erul”! O tal do Earl teria que reconhecer que seu nome é muito difícil para os falantes daquela língua e aceitaria suas tentativas.

Da mesma forma o Senhor Jesus certamente aceita o modo como O chamamos com reverência em nossa própria língua (Is 65:1). Por isso não é preciso dizer Yeshua, HaMashiah (“Jesus o Messias”) para se referir a Ele, nem HaShem (“O Nome”) para falar sobre o Pai. Não existe outro “Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó”; não há outro que possa ser chamado de “Aquele que fez o Céu, a Terra, o mar e as fontes das águas” (Ap 14:7). Ele sabe que nos referimos unicamente a Ele quando Lhe chamamos em nosso idioma de “Senhor”, de Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz (Is 9:6). Nesse sentido, em todas as diferentes línguas, dialetos e sotaques, “nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (At 4:12).

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)

Canibalismo entre índios brasileiros

Assim era a vida em algumas tribos no Brasil, antes da chegada dos conquistadores

canibalismo

Sacrificar e comer os inimigos capturados faziam parte de uma das instituições sociais mais importantes dos tupis. Muitas vezes, o prisioneiro não era morto logo após ser capturado, pois acontecia de ele permanecer na aldeia, convivendo com os índios, em certas situações, por muitos anos, sendo vigiado e “engordado”. Havia o costume de oferecer uma companheira para viver com ele, alimentá-lo e até ter filhos com ele.

Quando o dia da cerimônia chegava, o cativo era morto, despedaçado, cozido e devorado durante uma grande festa. Pedaços do prisioneiro podiam ser defumados para serem comidos mais tarde. Quando os participantes da festa eram muitos e a refeição era pouca, respeitavam-se os princípios patriarcais da sociedade tupinambá. Os homens comiam as partes mais nobres da vítima, e as mulheres e as crianças contentavam-se com a cabeça ou com um “mingau” feito com as vísceras e outras sobras. Nada era desperdiçado.

Algumas partes eram preferidas em detrimento de outras, devido a supostas virtudes mágicas, ou então ao sabor. Certas partes, como a língua e os miolos, eram reservadas aos jovens. Os adultos regalavam-se com a pele do crânio. As mulheres banqueteavam-se com os órgãos sexuais. Porções nobres eram dadas aos hóspedes de honra. Acreditava-se que a carne humana tivesse poderes curativos.

Caso o cativo tivesse um filho com sua guardiã, a criança também seria sacrificada. As mães não se negavam a ingerir a carne de seus filhos, porque eles também eram vistos como inimigos. Os tupis consideravam que o filho descendia do pai e nada se devesse à mãe.

(Fonte: Clickideia)

O que podemos aprender com o desapontamento de 22 de outubro de 1844

A última casa de Ellen White

Patrimônio histórico da Igreja Adventista do Sétimo Dia e dos EUA

01

Segunda-feira, 27 de outubro de 2014. Foi impressionante a passagem pela famosa ponte Golden Gate, em San Francisco, e pelas vinhas de Napa Valley, mas nada se compara à emoção de entrar na casa em que Ellen White viveu os últimos anos de sua vida incrivelmente produtiva e inspiradora. A bela e bem conservada casa de madeira foi construída em 1885 por um homem muito rico que a usava nas férias. Na época, foram gastos 15 mil dólares na construção, mas Ellen pagou por ela apenas cinco mil. Ellen havia passado nove anos na Austrália e desejava encontrar um bom e barato lugar para morar. Ela orou a Deus e pediu que Ele mostrasse o melhor negócio. Foi então que encontrou a grande oportunidade em Santa Helena, na Califórnia. Detalhe: a casa estava toda mobiliada e tinha vários móveis com tampa de mármore branco, o preferido de Ellen. Deus havia lhe dado um presente, depois de uma vida inteira de tantas privações e lutas, como educadora, escritora, pregadora, líder e mensageira de Deus. 

Aliás, é bom lembrar que Ellen escreveu mais de cem mil páginas manuscritas, foi traduzida para mais de 140 idiomas e tem seu legado reconhecido até mesmo pelo governo dos Estados Unidos, tanto é que há uma placa na varanda inferior da casa em que se reconhece a residência como monumento histórico nacional.

02

No interior da casa que Ellen passou a chamar de Elmshaven (“refúgio dos olmeiros”), pode-se ter uma ideia da rotina de Ellen White e dos que moravam com ela. Na sala, eram realizados dois breves cultos por dia, um de manhã e outro à tarde. Eles cantavam, liam um texto bíblico e cada um dos presentes tomava parte nos momentos de oração. Na sexta-feira ao pôr do sol, o culto era mais longo, e Ellen lia partes do relato dos missionários além-mar. No sábado à noite, havia “pipocada”. 

Ellen utilizava o cômodo de cima para escrever, e sua secretária Sarah procurava evitar que visitas a atrapalhassem em sua missão. Mas os netinhos sabiam como “furar o bloqueio”: eles subiam sorrateiramente pela escada que chamavam de “passagem secreta”. Ellen e eles ficavam felizes por ter alguns momentos juntos.

Ellen costumava levantar às 3h ou às 4h para escrever. Em 1915, com 88 anos de idade, ela caiu, quebrou o quadril e seu estado de saúde foi piorando. Até que, em 16 de julho, ela faleceu, antes tendo feito seus amigos garantirem que venderiam a propriedade para ajudar a pagar a compra de duas instituições da igreja. O horário da morte de Ellen (3h40) foi registrado no momento exato por Sarah no relógio que havia sido de Uriah Smith e doado pela viúva dele. O relógio está lá até hoje marcando o mesmo horário. Ao filho ela disse as últimas palavras: “Eu sei em quem eu creio.” 

Em 1927, dois adventistas compraram a casa e a doaram para a igreja. Hoje ela recebe mais de sete mil visitas por ano e continua sendo um monumento mais do que histórico; é a marca de uma vida que causou profundo impacto no coração e na mente de tantas pessoas, efeito que continua se multiplicando por meio da dezena de livros que ela escreveu. 

No quarto em que Ellen costumava receber a visita de anjos (o que foi confirmado por pessoas que viviam no sanatório não muito longe dali e que viram uma luz intensa saindo pelas janelas do cômodo), fizemos uma oração dedicando nossa vida mais uma vez ao Deus a quem Ellen White serviu com tanta dedicação por mais de sete décadas. 

Michelson Borges

Conheça mais
 sobre a vida dessa mulher extraordinária lendo a minibiografia escrita pelo neto dela (clique aqui).

Querem apagar o a.C. e o d.C. dos livros e Jesus da sociedade

ac-dc

Sou assumidamente contra a união Igreja/Estado. Sei que não houve ano zero e o Anno Domini é um erro se considerar que Jesus nasceu “antes de Cristo”. Contudo, não entendo certas posturas. Índios também não são índios foi um entendimento errado de Colombo. Ninguém, eu muito menos, se importou com isso. Mas se for algo relacionado a Jesus, melhor excluir do currículo. Enquanto os árabes mantêm com orgulho o calendário a partir da Hégira a viagem do profeta para Medina; enquanto judeus celebram o ano 5780 da criação de Adão e os chineses socialistas festejam 2020 como o ano do rato; uma secretaria de ensino propõe evitar os nomes antes e depois de Cristo por ser uma visão religiosa da história.

Deixe ver se entendi: janeiro vem de Janus, o deus das portas; fevereiro vem da deusa Fébrua, e março de seu filho Marte, deus da guerra. Julho e agosto homenageiam imperadores que viraram deuses mas Jesus não deve constar nas nomenclaturas de história.

Os dias da semana em alemão, inglês e espanhol continuam homenageando deuses babilônicos e nórdicos, como também alguns corpos celestes, especialmente planetas. Então o problema é misturar religião ao currículo ou excluir Jesus dele? Fiquei confuso; homenagens pagãs ficam, referência a Jesus sai.

Só sei que 88% dos brasileiros dizem crer nAquele que disse que não reconheceria os que tendo conhecimento dEle O negassem perante os homens (Mt 10:33).

Muitos, ao entrar na universidade, sofrem crises de fé. Eu, contudo, sofro crise de intelectualidade, pois está difícil entender certas lógicas de hoje. Talvez falte-me clareza para compreender a proposta, mas entre o expertise do mundo e a singeleza do Evangelho, prefiro o segundo. Afinal, a história me mostrou o que pode fazer um intelectualismo destituído da sabedoria que vem do alto. Ou vocês acham que foram idiotas indoutos que fundamentaram o nazismo? Ali estavam intelectuais de primeira, alguns, aliás, “endeusados” até hoje na academia olha a religião aí de novo. Nesse caso pode, não é?

Sabe por que levo tão a sério esse negócio de cristianismo? Porque Jesus me levou a sério ao morrer na cruz. Se for obrigado a escolher, prefiro a loucura da cruz à sabedoria do mundo.

(Rodrigo Silva é apresentador do programa Evidências, da TV Novo Tempo)

CPB relança livro que resgata história do adventismo no Brasil

resgate-da-nossa-historia5Em sua segunda edição, livro A Chegada do Adventismo ao Brasil ressalta o papel dos pioneiros no desenvolvimento da Igreja no País a partir do fim do século 19

Durante décadas, os primeiros episódios sobre o desembarque e a difusão da mensagem da Igreja Adventista no território nacional ficaram restritos aos núcleos de famílias diretamente ligadas a eles, e aos poucos “historiadores” que preservaram detalhes transmitidos de geração em geração. Algumas dessas particularidades foram “imortalizadas”, também, graças aos relatórios enviados por missionários à Associação Geral (sede mundial da denominação) e às publicações oficiais em língua portuguesa, como a Revista Adventista. Mas foi somente no fim da década de 1990 que tudo foi reunido, sistematizado e narrado de forma cronológica e detalhada pelo então estudante Michelson Borges. O que era apenas um requisito acadêmico para se obter o diploma universitário tornou-se uma radiografia do desenvolvimento da Igreja no País. [CONTINUE LENDO.]

Pedra maia fala da chegada do “senhor dos céus”

maiaO famoso calendário maia, que inspirou até filmes como “2012”, voltou a ser destaque na mídia e nas redes sociais. Isso porque um suposto pesquisador teria identificado um erro de interpretação das inscrições na pedra. Segundo ele, a data do fim do mundo na verdade é 21 de junho de 2020, ou seja, daqui a dois dias (veja aqui). Obviamente que as piadas e os memes voltaram a fervilhar na internet. E mais uma vez o tema do fim do mundo alimentou chacotas.

O calendário maia é uma pedra calcária esculpida com martelo e cinzel, e está incompleta. “No pouco que podemos apreciá-la, em nenhum de seus lados diz que em 2012 o mundo vai acabar”, disse em 2012 José Luis Romero, subdiretor do Instituto Nacional de Antropologia e História.

Na pedra está registrada a data de 23 de dezembro de 2012, o que na época provocou rumores de que os maias teriam previsto o fim do mundo para esse dia. Mas o detalhe mais interessante não foi destacado pela imprensa: “No pouco que se pode ler, os maias se referem à chegada de um senhor dos céus, coincidindo com o encerramento de um ciclo numérico”, afirmou Romero. A data gravada em pedra se refere ao Bactum XIII, que significa o início de uma nova era, insistiu Romero.

A Bíblia garante que ninguém sabe o dia nem a hora da volta de Jesus, mas é curioso notar como a pedra maia se refere à chegada do “senhor dos céus”. Centenas de culturas antigas também se referem ao dilúvio universal; outras tantas culturas trazem resquícios do relato da criação semelhante ao que encontramos na Bíblia. Seria essa referência à vinda do “senhor dos céus” outra “semente da verdade” que ficou na memória do povo maia?

É bom lembrar que muito tempo antes da encarnação de Jesus, Enoque, o sétimo depois de Adão, já proclamava a segunda vinda de Cristo (cf. Judas 14). Portanto, esse evento futuro pode muito bem ter sido preservado entre as tradições orais e escritas de alguns povos antigos.

Sabedor de que a Bíblia e mesmo resquícios de culturas antigas falam da vinda do Senhor, o inimigo de Deus procura desviar o foco das pessoas desse assunto importante, transformando-o em piada ou “anestesiando” a percepção popular, com várias falsas datas anunciadas e não cumpridas.

Jesus disse claramente que ninguém pode saber o dia e a hora de Sua vinda, mas no momento certo o Senhor dos Céus virá!

Michelson Borges