Fazer atividades físicas mais que dobra nível de felicidade

Sabe-se há muito tempo que a atividade física reduz a depressão e a ansiedade, e os exercícios físicos são comumente prescritos para prevenir ou curar condições negativas de saúde mental. Mas será que os exercícios físicos podem melhorar a saúde mental positiva da mesma forma que amenizam os aspectos negativos da saúde mental. Essa foi a questão a que Weiyun Chen e Zhanjia Zhang, da Universidade de Michigan (EUA), se propuseram responder. Especificamente, os pesquisadores examinaram quais aspectos da atividade física estavam associados à felicidade e ao contentamento e que parcelas da população poderiam se beneficiar dos efeitos. Para isso, eles revisaram 23 estudos científicos que incluíram aspectos da felicidade e da atividade física. O balanço geral incluiu informações sobre a saúde de milhares de adultos, idosos, adolescentes, crianças e até sobreviventes de câncer – todos de vários países.

Os 15 estudos observacionais incluídos na amostra revelaram uma associação positiva direta ou indireta entre felicidade e exercícios físicos. Em comparação com pessoas inativas, a probabilidade de se sentir feliz é de 20% para pessoas que estão insuficientemente ativas, 29% para aquelas que se consideram suficientemente ativas e de 52% para as muito ativas.

“Nossos resultados sugerem que a frequência e o volume de atividade física são fatores essenciais na relação entre atividade física e felicidade”, disse Chen. “Mais importante ainda, até mesmo uma pequena mudança na atividade física faz diferença na felicidade.”

A revisão de estudos observacionais indica que há um efeito de limiar para a relação entre felicidade e atividade física – vários estudos revelaram dois níveis de felicidade similares, um para as pessoas que se exercitavam de 150 a 300 minutos por semana, e outro, mais elevado, para as pessoas que se exercitavam mais de 300 minutos por semana. Os oito estudos de intervenção mostraram resultados inconsistentes.

Os resultados foram publicados no Journal of Happiness Studies.

(Diário da Saúde)

Leia também: “Adeus, sedentarismo!”

Anúncios

Proteínas da carne aumentam risco cardiovascular

carne-vermelhaPesquisadores norte-americanos e franceses confirmaram que a proteína da carne – e não apenas a gordura – está associada a um aumento acentuado no risco de doenças cardíacas, enquanto a proteína das nozes, castanhas e sementes é benéfica para o coração humano. Pessoas que consumiram grandes quantidades de proteína da carne apresentaram um aumento de 60% nas doenças cardiovasculares, enquanto as pessoas que consumiram grandes quantidades de proteína de nozes, castanhas e sementes tiveram uma redução de 40% nas mesmas doenças cardiovasculares. Incluindo dados de mais de 81 mil participantes, este foi um dos maiores trabalhos a examinar em detalhes não apenas as fontes de gordura, mas também as proteínas animais e vegetais em relação às doenças cardíacas e coronarianas.

“Embora as gorduras alimentares sejam parte do risco das doenças cardiovasculares, as proteínas também podem ter efeitos independentes importantes e largamente negligenciados sobre esse risco”, disse o Dr. Gary Fraser, da Universidade Loma Linda (EUA), que trabalhou com a equipe do Dr. François Mariotti, do Instituto Nacional de Pesquisas Agronômicas (França). Segundo o Dr. Fraser, os nutricionistas tradicionalmente olham para o que ele chamou de “gorduras ruins” nas carnes e “gorduras úteis” nas nozes, castanhas e sementes como agentes causais de diversas condições de saúde. No entanto, os novos resultados sugerem mais. “Esta nova evidência sugere que o quadro completo provavelmente envolva também os efeitos biológicos das proteínas nesses alimentos”, disse ele.

O pesquisador afirma que o trabalho diferiu de maneira significativa das pesquisas anteriores. Embora estudos anteriores tenham examinado as diferenças entre as proteínas animais e vegetais, este estudo não parou em apenas duas categorias, mas optou por especificar as proteínas da carne e as proteínas das nozes, castanhas e sementes juntamente com outras fontes alimentares importantes – as gorduras.

“Esta pesquisa está sugerindo que há mais heterogeneidade do que apenas a categorização binária de proteína vegetal ou proteína animal”, afirmou.

O estudo deixa outras questões em aberto para uma investigação mais aprofundada, como quais aminoácidos específicos das proteínas da carne contribuem para as doenças cardiovasculares e se as proteínas de fontes específicas afetam fatores de risco cardíaco conhecidos, como os lipídios sanguíneos, a pressão arterial e o excesso de peso, que estão associados às doenças cardiovasculares.

O estudo foi publicado no International Journal of Epidemiology.

(Diário da Saúde)

Jesus: nosso divino exemplo inigualável

Jesús y el PanUm comentário da Lição da Escola Sabatina desta semana, se mal compreendido, pode gerar conclusões equivocadas. Ele diz o seguinte: “Cristo veio a este mundo para nos mostrar o que Deus pode fazer e o que nós podemos fazer em cooperação com Deus [1]. Em carne humana, Ele foi ao deserto para ser tentado pelo inimigo. Ele sabe o que é ter fome e sede. Conhece as fraquezas e enfermidades da carne [2]. Foi tentado em todas as coisas, à nossa semelhança [3]. Nosso resgate foi pago por nosso Salvador. Ninguém precisa ser escravizado por Satanás. Cristo Se encontra diante de nós como nosso divino exemplo [4], nosso todo-poderoso ajudador [5].”

Vou comentar brevemente os pontos que numerei no texto:

[1] Podemos vencer em cooperação com Deus. Isso é ponto pacífico. Ainda que mantenhamos a natureza pecaminosa até a glorificação por ocasião da volta de Jesus, a promessa é de que podemos ser “crucificados com Cristo” e guiados por Ele. Isso não faz de nós seres impecáveis e isentos da possibilidade de pecar. Isso faz de nós pessoas santas, enquanto andamos de mãos dadas com Jesus, aquele que nos santifica.

[2] Jesus conhece as fraquezas e enfermidades da carne: sentiu, fome, cansaço, frio… Foi afetado pelo pecado, mas não infectado por ele. Ele foi o único ser humano que nasceu sem pecado e foi perfeito/puro desde o nascimento. Se Jesus morresse como bebezinho, não precisaria de um redentor. Outro ser humano, se morresse como bebezinho, mesmo sem ter cometido um ato pecaminoso, precisaria de um redentor? Claro que sim, e isso deixa clara nossa diferença essencial em relação ao Salvador. Ele veio com a natureza humana afetada por quatro milênios de decadência, mas moralmente como Adão antes do pecado. Ele veio para vencer onde Adão caiu. Quando se diz que Jesus veio com a natureza humana o sentido é de que não veio com a natureza dos anjos nem de seres não caídos, veio com a natureza dos seres humanos deste planeta.

[3] Foi tentado à nossa semelhança, não exatamente como nós. Afinal, algum ser humano poderia ser tentado a transformar pedras em pães ou a descer da cruz tendo o poder de fazê-lo? Jamais compreenderemos o nível de tentação a que Jesus foi submetido. Seremos tentados à semelhança dEle, mas não de maneira igual.

[4] Ele é nosso divino exemplo. Ele é DIVINO, nós não. Ele não tinha tendência para o pecado (o inimigo nada tinha nEle), nós temos. Podemos e devemos imitar esse Exemplo, mas nunca igualá-Lo, conforme explica Ellen White.

[5] Graças a Deus temos um todo-poderoso ajudador que nos auxilia na luta contra o pecado e nos ajuda a subjugar a natureza pecaminosa que Ele, como Adão antes do pecado, não tinha. Em Jesus somos mais que vencedores! [MB]

Trinta mil suicídios por ano: riqueza, tecnologia e vazio na alma

suicidioUma análise do período compreendido entre 1998 e 2010 apontou que mais de 30 mil pessoas se suicidaram no Japão em cada ano desse intervalo, taxa que, aproximadamente, continua se aplicando até o presente. Cerca de 20% dos suicídios se devem a motivos econômicos e 60% a motivos relacionados com a saúde física e a depressão, conforme recente pesquisa do governo. O assunto é abordado pelo bispo [católico] japonês dom Isao Kikuchi em artigo divulgado pela agência AsiaNews. Ele observa que o drama se tornou mais visível a partir de 1998, “quando diversos bancos japoneses se declararam falidos, a economia do país entrou em recessão e o tradicional ‘sistema de emprego definitivo’ começou a colapsar”. Durante os 12 anos seguintes, uma média superior a 30 mil pessoas por ano tirou a própria vida num país rico e avançado. O número, alarmante, é cinco vezes maior que o de mortes provocadas anualmente por acidentes nas rodovias. Rodeados por riquezas materiais de todo tipo, os japoneses têm tido graves dificuldades em encontrar esperança no próprio futuro: perderam esperança para continuar vivendo, avalia o bispo.

Um sinal de mudança, embora pequeno, foi registrado por ocasião do trágico terremoto seguido de tsunami que causou enorme destruição em áreas do Japão no mês de março de 2011: a partir daquele desastre, que despertou grande solidariedade e união no país, o número de suicídios, de modo aparentemente paradoxal, começou a diminuir. Em 2010 tinham sido 31.690. Em 2011, foram 30.651. Em 2012, 27.858. Em 2013, 27.283. A razão da diminuição não é clara, mas estima-se que uma das causas esteja ligada à reflexão sobre o sentido da vida que se percebeu entre os japoneses depois daquela colossal calamidade.

Dom Isao recorda a recente pesquisa do governo que atrela 20% dos suicídios a motivos econômicos, enquanto atribui 60% a fatores de saúde física e depressão. Para o bispo, os estopins do suicídio são complexos demais para se apontar uma causa geral. No entanto, ele considera razoável e verificável afirmar que uma das razões do fenômeno é a falta de sentido espiritual na vida cotidiana dos japoneses.

O prelado observa que a abundância de riquezas materiais e o acesso aos frutos de um desenvolvimento tecnológico extraordinário são insuficientes para levar ao enriquecimento da alma. A sociedade japonesa focou no desenvolvimento material e relegou a espiritualidade e a religiosidade a um plano periférico da vida cotidiana, levando as pessoas a se isolarem e se sentirem vazias, sem significado existencial. E é sabido que o isolamento e o vazio de alma estão entre as principais causas do desespero que, no extremo, leva a dar fim à própria vida. […]

(Aleteia)

Nota: Em 2016, realizei uma série de palestras e pregações em duas cidades da Suíça: Genebra e Zurique. Pense em um país perfeito! A pontualidade é respeitada, não há pedintes nas ruas que, por sinal, são impecavelmente limpas. Crimes são tão raros que, quando ocorrem, surpreendem a todos. A educação pública é nota mil e dinheiro não falta no país, afinal, a Suíça é o banco do mundo. Para completar o quadro, as paisagens são de tirar o fôlego! Um paraíso na Terra? Infelizmente, não é bem assim…

Quando saio em viagens missionárias a outros estados e países, gosto de ficar em casas de amigos e irmãos e de conviver com a população local. Assim a gente fica sabendo de coisas que o turismo não revela. E algo me deixou triste lá: o país é um dos campeões no ranking de suicídios entre jovens. A pergunta é instantânea: Por quê? Eles têm tudo o que nós aqui no Brasil consideraríamos sinônimo de felicidade e bem-estar: saúde, educação, segurança, estabilidade financeira. O que falta, então?

IMG_8803Quando visitei a Universidade de Zurique (onde estudaram famosos como Einstein) e o Museu da Reforma Protestante, em Genebra, pude ter um vislumbre do motivo por que a Suíça apresenta esse contraste. A religião naquele país – como em outros da Europa – hoje é assunto de museu. A Reforma Protestante é uma lembrança de tempos quase esquecidos. As igrejas estão vazias. O povo, secularizado. A visão de mundo evolucionista/materialista faz com que as pessoas se vejam como meros animais racionais guiados por instintos. Mais ou menos o mesmo cenário do Japão e de outros países economicamente desenvolvidos e espiritualmente subdesenvolvidos. Quando falta Deus, falta tudo. Perde-se o sentido de viver.

O Poder da Esperança capa (1)Neste ano a Igreja Adventista do Sétimo Dia em vários países está distribuindo um livro que trata de saúde emocional e da esperança apresentada na Bíblia Sagrada. É tudo o que as pessoas mais precisam – e muitas talvez nem saibam disso. O livro, cujo título é O Poder da Esperança, já foi traduzido para o inglês, espanhol, francês e romeno. A tiragem só no Brasil ultrapassou a marca de 16 milhões de exemplares. Mas é preciso que muitas mãos se disponham a distribuir esse livro que certamente vai ajudar muitas pessoas que enfrentam o drama da depressão, da ansiedade, do estresse e dos vícios, e, inclusive, dos pensamentos suicidas. O Impacto Esperança será daqui a pouco mais de um mês. Participe! [MB]

Portugal distribui livro missionário O Poder da Esperança

Jesus Cristo e Marielle

Casal de judeus distribui livro missionário