“Ecocídio”: papa Francisco quer introduzir o “pecado ecológico” no catecismo

papaO papa Francisco anunciou que a Igreja Católica planeja introduzir o “ecocídio” ou “pecado ecológico” no catecismo, “já que o comportamento contra o meio ambiente causa danos à casa comum”, disse Bergoglio durante seu discurso no XX Congresso Internacional da Associação de Direito Penal, realizado em Roma na semana passada, informou a Europa Press. Durante o congresso, o papa definiu o “novo pecado” como qualquer “ação ou omissão que se manifesta em atos e hábitos de poluição e destruição da harmonia ambiental”. O papa então avisou que estava observando um comportamento “suicida” por parte de um sistema econômico mundial que transformou o planeta em um “depósito de lixo”. Além disso, Francisco disse que “o estilo de vida atual é insustentável” e denunciou o “mecanismo consumista compulsivo” que contribui para a destruição do planeta.

Em suas recentes declarações sobre o conceito de “ecocídio”, Bergoglio não se afastou dessa posição. Ele afirmou que “a Igreja planeja introduzir um ‘pecado ecológico’ contra a casa comum no catecismo da Igreja Católica, porque é uma obrigação”.

Bergoglio disse que o “ecocídio” é entendido como “a contaminação maciça de ar, terra e recursos hídricos, destruição em larga escala da flora e fauna e qualquer ação capaz de produzir um desastre ecológico ou destruir um ecossistema”. “Um senso elementar de justiça imporia que alguns comportamentos, pelos quais as empresas são geralmente responsáveis, não sejam deixados sem punição. Em particular, todos aqueles que podem ser considerados ‘ecocídios’”, disse o papa Francisco durante sua reunião com criminalistas.

Ele acrescentou que o mundo está enfrentando “crimes contra a paz”, que devem ser reconhecidos como tal pela comunidade internacional. “Nessa circunstância, e através dela, eu gostaria de chamar todos os líderes e líderes do setor para contribuir com seus esforços para garantir a proteção legal adequada de nossa casa comum”, acrescentou o papa.

No documento final do Sínodo da Amazônia, os bispos insistiram precisamente na necessidade de definir o pecado ecológico “como uma ação ou omissão contra Deus, contra outros, a comunidade e o meio ambiente, que se manifesta em atos e hábitos de poluição e destruição da harmonia do meio ambiente, bem como na transgressão contra os princípios da interdependência e a ruptura das redes de solidariedade entre criaturas e contra a virtude da justiça”.

No final do Sínodo, os bispos também insistiram em criar “ministérios especiais” para a promoção da Ecologia Integral no nível paroquial e em cada jurisdição eclesiástica, cujas funções incluem, entre outros, o cuidado do território e das águas, bem como a promoção da encíclica “Laudato Si”.

“A Ecologia Integral não é mais um caminho que a Igreja pode escolher para o futuro neste território, é o único caminho possível, porque não há outro caminho viável para salvar a região”, enfatizaram os bispos.

(Conexão Política)

Nota: É o caminho sendo preparado para que, no futuro, sejam consideradas pecadoras pessoas tidas como antiecológicas por não aceitar todos os decretos que visam supostamente à proteção do meio ambiente. Aliás, criar pecados é atribuição humana? [MB]

TRETA PLANA: brigas, ameaças, processos e confusão – isso foi a FlatCon

flatconAntes que alguém me pergunte: “Esse assunto de novo?”, vou explicar minhas motivações. Há cerca de 15 anos tenho me esforçado para divulgar o criacionismo bíblico e mostrar as incoerências epistêmicas de ideologias como o evolucionismo, o espiritualismo, o neoateísmo militante, o relativismo e o marxismo cultural a la Gramsci. O contraditório sempre fez parte desse debate, tornando relativamente fácil a apresentação e confrontação (tanto quanto possível respeitosa) de ideias e argumentos. Criacionistas e evolucionistas, cada qual em seu quadrado, apresentavam seus pontos de vista que podiam ser submetidos ao crivo da ciência e, assim, chegar-se a uma conclusão. Mas eis que surge uma ideologia nefasta, criando um cenário de confusão e estragando o trabalho sério de décadas: o terraplanismo religioso. Pretensos defensores do criacionismo e da Bíblia passaram a usar as redes sociais e a produzir vídeos afirmando inconsequentemente que as Escrituras Sagradas apresentam o modelo de uma Terra plana, com o Sol e a Lua girando dentro da atmosfera coberta por um domo sólido. A facilidade com que se pode divulgar hoje em dia esse tipo de conteúdo criou uma legião de seguidores de pseudocelebridades instantâneas, e a avalanche desinformativa começou a penetrar nas igrejas. Foi então que se acendeu a luz amarela.

A maioria dos youtubers terraplanistas não tem compromisso algum com qualquer igreja. São os chamados “desigrejados”. Por isso estão mais preocupados com seu rebanho virtual e com os benefícios que obtêm dessa massa. A luz vermelha se acedeu quando fui informado de que aqui perto da minha cidade um indivíduo assumiu o púlpito de uma igreja para falar de terraplanismo, e deixou muitas pessoas com a cabeça cheia de dúvidas. Uma senhora de outra região do Brasil me enviou uma mensagem em que me contou que outro indivíduo estava pregando essas ideias e afirmou que a Sociedade Criacionista Brasileira (que emitiu uma nota de repúdio ao terraplanismo) não representa a Igreja Adventista. Como assim?! A SCB é parceira da Divisão Sul-Americana (DSA) da Igreja Adventista há quase 50 anos, sendo um ministério de apoio sério e comprometido com a missão da igreja. A DSA também não representa a igreja?! A nota de repúdio da SCB foi publicada na Revista Adventista, publicação da editora oficial da Igreja Adventista no Brasil. A Revista Adventista igualmente não representa a igreja?!

A insanidade chegou a tal ponto que não me restou alternativa a não ser produzir uma série de vídeos e postá-los em meu canal para servirem de conteúdo para quem precisasse dele. Encomendei ao meu amigo físico Eduardo Lütz um material em texto com uma análise técnica dos principais argumentos terraplanistas, e desafiei os defensores da Terra plana a estudá-lo e, se possível, refutá-lo, como deve fazer o verdadeiro cientista e o pesquisador intelectualmente honesto. Mas a honestidade intelectual passou longe e alguns youtubers terraplanistas, em lugar de tentar refutar o texto do Lütz, passaram a atacar a Igreja Adventista (!), o que me deixou muito triste.

Mas Deus não Se deixa escarnecer e defende a causa de Seus filhos! De uma semana para outra, aqueles que estavam me atacando passaram a se atacar uns aos outros, com acusações de envolvimento com maçonaria, feitiçaria e desonestidade; uma verdadeira lavação de roupa suja em público, com ameaças de processo judicial, até. A casa e as máscaras caíram. Quer saber o que aconteceu? Vou deixar que o professor Dino (do canal DinoCast) conte tudo para você. Ele e outros (como o dono do canal Sistemático) têm refutado de uma perspectiva técnica os argumentos terraplanistas já há uns três anos. No vídeo abaixo, Dino faz um bom resumo de toda a polêmica (hoje se diz “treta”) desencadeada pela realização da primeira conferência terraplanista no Brasil, a FlatCon.

Fiquei muito feliz com as duas menções elogiosas que o Dino fez ao meu trabalho. Ele reconhece que meus vídeos são sérios e que o terraplanismo não tem nada a ver com o criacionismo. Louvado seja Deus por isso! Alguém compreendeu meu propósito.

Como eu disse, Deus não Se deixa escarnecer e está revertendo o opróbrio trazido por terraplanistas mal-intencionados. O feitiço está se voltando contra os feiticeiros…

O Dino fala do meu trabalho aos 31’30” e aos 49’10” (especialmente esse segundo comentário foi um bálsamo para mim). Muito obrigado, Dino. Tenho certeza de que você foi usado pelo Criador. [MB]

“Quanto ao ímpio, as suas iniquidades o prenderão, e com as cordas do seu pecado será detido” (Provérbios 5:22).

Seleção dos melhores vídeos que demonstram a esfericidade da Terra e refutam a crença terraplanista (infelizmente, alguns deles têm palavrões):

Playlist de Michelson Borges sobre Terra plana: https://www.youtube.com/watch?v=nbCBxqAe6uM&list=PLrKyVK1crMRBV0-p0AF5_JP6b-kplFDqA

Estudo sobre falácias (Eduardo Lütz):

Parte 1: https://www.youtube.com/watch?v=Acek3-Vzdnc&t=4s

Parte 2: https://www.youtube.com/watch?v=RHT1VarWkxk&t=4s

Explicações de questionamentos terraplanistas

Gravidade não existe? https://www.youtube.com/watch?v=goT5S7WYhRo

Teste de curvatura (Ilha Sumítica) – Terra plana detonada mais uma vez: https://www.youtube.com/watch?v=haQqhu_dvvA

Por que não vemos navios e prédios inclinados seguindo a curvatura da terra? https://www.youtube.com/watch?v=mG3VBwjzuLA

O mapa da Terra plana e as rotas aéreas: https://www.youtube.com/watch?v=2Q3uwe6Gcg0

Terra plana? Rota aérea Sydney-Santiago: https://www.youtube.com/watch?v=3yQuzhntobc

É nessa hora que terraplanista chora (movimento das constelações no céu/Cruzeiro do Sul): https://www.youtube.com/watch?v=yB4hEPSh2Ng

Cruzeiro do sul explicado pelo canal Inteligência Natural: https://www.youtube.com/watch?v=bfmkWbqtNnM

Maior terraplanista do Brasil explica a questão sobre o Cruzeiro do Sul: https://www.youtube.com/watch?v=M4VId-RWxgY

Terra Plana? Sol visto simultaneamente no Brasil e no Japão: https://www.youtube.com/watch?v=dhGc-RF4dTo

Experimento prova o Equinócio na Terra Plana… SQN: https://www.youtube.com/watch?v=bEwRVZ9c_zQ

Experimento terraplanista provou que a Terra plana é uma mentira: https://www.youtube.com/watch?v=KEbicL9aPU4

O verão chegou e a Terra plana acabou: https://www.youtube.com/watch?v=sS7bhv2YcOg

Razec refuta Inteligentista: https://www.youtube.com/watch?v=xXWVJYx3Pjc

Refutando eclipses longos: https://www.youtube.com/watch?v=4J0vQ__IwY4&feature=youtu.be

Walter Bislins e o tiro no pé da Terra plana: https://www.youtube.com/watch?v=dr-vth6bXTQ&feature=youtu.be

Testemunho de ex-terraplanistas

Debate na Terra plana – O que será daqui pra frente? https://www.youtube.com/watch?v=nhk7aE1Lx4Q

Confessando a Terra plana – aceita ou será ceifado! https://www.youtube.com/watch?v=TD15xSsjvck

React – Terraplanista reconhece erros e abandona o movimento: https://www.youtube.com/watch?v=CXlY_3ynoD0

Por que estamos questionando a Terra plana? https://www.youtube.com/watch?v=tEzRJg4c5vY

Reacts ao debate no GNT com terraplanista

Físico reage a terraplanista “Mude Minha Ideia” e cientistas: https://www.youtube.com/watch?v=_uaXNY3dA2g

Astrônimo reagindo à Terra plana – “Mude Minha Ideia | Quebrando o Tabu”: https://www.youtube.com/watch?v=mA-QjboQdts

Abaixo, vídeos de um físico discutindo a parte histórica e conceitual por trás de teorias de Newton e Einstein que estão sendo questionadas:

Newton é um charlatão? | Analisando um texto do Olavo de Carvalho: https://www.youtube.com/watch?v=Y8sYIVkFM7I

A farsa de Albert Einstein? | Um vídeo do Olavo de Carvalho: https://www.youtube.com/watch?v=Jm4zpiAyqMs

Análise facial

Terraplanistas não acreditam na Terra plana (análise da participação se terraplanistas no programa “The Noite”: https://www.youtube.com/watch?v=thHOJhxqmyE

“A chamada ciência e a religião achar-se-ão em campos antagônicos, porque os homens finitos não compreendem o poder e a grandeza de Deus. Estas palavras da Escritura Sagrada foram-me apresentadas: ‘Dentre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si’ (Atos 20:30). Isso se verá certamente entre o povo de Deus” (Ellen White, Evangelismo, p. 593).

“Ao vir a sacudidura, pela introdução de falsas teorias, esses leitores superficiais não ancorados em parte alguma, são como a areia movediça. Escorregam para qualquer posição para agradar a tendência de seus sentimentos de amargura” (Ellen White, Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, p. 112).

Se os terraplanistas provocam risos, os antivacina provocam mortes

vacinaPesquisa mostra que sete em cada dez brasileiros acreditam em notícias falsas sobre vacinação

Quando saí da maternidade, lembro que recebi a carteirinha de vacinação do meu filho já com dois carimbos que comprovavam que ele tinha sido imunizado contra a tuberculose e a hepatite B. Eu sabia que a meta era encher aqueles quadradinhos todos com as mais diversas vacinas – pólio, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, coqueluche, meningite, pneumonia. A minha única dúvida era se o que o SUS oferecia de forma gratuita era da mesma qualidade que as vacinas da clínica particular – “sim, com certeza”, garantiu o pediatra do meu filho. Dependendo do orçamento do mês e do calendário vacinal, eu decidia se pagava por uma vacina que protegia contra mais vírus do que aquela oferecida pelo posto de saúde ou se meu filho ia tomar a gotinha da pólio, feita com o uso de vírus atenuado, ou a injeção, fabricada com o vírus inativo.

Nunca passou pela minha cabeça a possibilidade de não vacinar e sequer imaginava há nove anos, quando ele nasceu, que alguns pais não vacinam as crianças, às vezes escolhem quais vão ou não dar, subvertem o calendário (já que há épocas em que as crianças tomam muitas picadas na mesma época), duvidam da imunização ou defendem a tese de que há um forte interesse da indústria farmacêutica ao se lançar mais e mais vacinas. Eu só descobri que o tal movimento antivacina existia e era relativamente relevante quando participei de alguns grupos de mães nas redes sociais (que são ótimos e já me ajudaram muitas vezes, importante dizer isso). Mas foi lá que eu vi pela primeira vez gente ligando imunização ao autismo, por exemplo, e também assisti a quem desmentisse frontalmente essa tese (nascida de uma falsa pesquisa publicada por um médico que já teve seu registro até cassado, leia aqui e aqui). Quando eu entrava nesses papos, meio incrédula, mais assistia do que argumentava ao perceber que a treta parto normal x cesárea pode parecer brincadeira de criança perto da discussão “vacinar ou não vacinar”.

Mas onde isso começou, como essa ideia se retroalimenta e atinge tantas pessoas? Uma pesquisa encomendada ao Ibope pela comunidade de mobilização online Avaaz e pela Sociedade Brasileira de Imunizações ouviu duas mil pessoas em todo o país e apontou alguns caminhos. Tive acesso a esses dados esta semana e logo pensei estar diante de uma boa notícia quando li que os antivacina são minoria no Brasil – 87% dos adultos com mais de 16 anos disseram aos pesquisadores que nunca deixaram de se vacinar ou de vacinar uma criança que está sob os seus cuidados. Os “não vacinantes” são “apenas” 13% dos entrevistados – e as aspas no advérbio são justificadas pelo fato desse número representar estatisticamente um universo de 21 milhões de pessoas, pouco mais que a população do Chile. O que aconteceria se todos os habitantes de um país desse tamanho simplesmente decidissem não se vacinar? Pois é.

Quando os pesquisadores perguntaram as razões pelas quais essas pessoas decidiram não se imunizar ou não dar a vacina aos filhos, um pouco mais metade dos entrevistados (57%) relatou pelo menos um motivo considerado pela Sociedade Brasileira de Imunizações e pela OMS como “desinformação”. Os mais comuns, nesta ordem, foram: “não achei a vacina necessária” (31%)”; “tive medo de ter efeitos colaterais graves após tomar uma vacina”(24%); “medo de contrair a doença que estava tentando prevenir com a vacina” (18%); ou decidi pela não imunização “por causa das notícias, histórias ou alertas que li online” (9%) e “por causa dos alertas, notícias e histórias de líderes religiosos” (4%). (Tem dúvidas sobre o que é mito e o que é verdade sobre as vacinas? Leia aqui um texto sobre o assunto feito pelo Ministério da Saúde.)

Todos os entrevistados foram convidados a responder onde buscam informação sobre o assunto. A mídia tradicional – ou seja, televisão, rádio, jornais e sites da grande imprensa – foi a mais mencionada (68%), seguida pelas redes sociais, como Facebook, YouTube, Instagram, além do WhatsApp e demais aplicativos de mensagens instantâneas (48%). Apenas em quarto e quinto lugar aparecem Ministério da Saúde e os médicos, respectivamente.

O impacto das redes sociais na vida contemporânea começou a ser estudado há pouco e ainda é difícil mensurar as consequências da circulação de informações enviesadas ou falsas nessas plataformas, mas os pesquisadores apontam que as atitudes e percepções negativas e errôneas sobre vacinas foram mais comuns entre os entrevistados que citaram YouTube, Facebook e WhatsApp como fonte de informação. Surpresa? Nenhuma. Basta abrir os jornais diariamente para ler reportagens e mais reportagens sobre o papel das redes sociais nos movimentos de manipulação, desinformação e ódio contemporâneos.

Depois que a pesquisa feita pelo Ibope sinalizou que as notícias falsas sobre vacinas têm influenciado os brasileiros, a Avaaz mergulhou mais fundo e foi investigar quais eram as principais fake news sobre o assunto e de onde vinham: o estudo inicialmente se debruçou em uma amostra de 30 notícias falsas já checadas e desmentidas por agências de fact-checking e pelo Ministério da Saúde e que se multiplicaram com a ajuda do YouTube (pelo menos 2,4 milhões de visualizações) e pelo Facebook (23,5 milhões de pageviews e 578 mil compartilhamentos). Em uma análise mais aprofundada dos vídeos antivacina, foram encontradas as 69 produções mais assistidas e compartilhadas que atingiram, só no YouTube, 9,2 milhões de visualizações e 40 mil comentários (importante lembrar que esses vídeos também são compartilhados pelo WhatsApp mas, pela política da plataforma, não é possível mensurar quantas vezes essas produções foram repassadas). A Avaaz descobriu que metade da amostra de fake news corrigida pelos verificadores brasileiros foi traduzida literalmente ou escrita com base em informações em inglês originalmente publicadas nos Estados Unidos.

Esse novo estudo revelou, ainda, que de 2016 para cá as páginas que mais geraram interação nas redes sociais foram: “Cruzada Pela Liberdade” (762 mil interações / 350 mil seguidores); o grupo “O Lado Obscuro das Vacinas” (64 mil interações / 13 mil membros / mais de 1.970 posts); e “Contra Nova Ordem Mundial” (54 mil interações / 22 mil seguidores). E as desinformações mais recorrentes são: a crença de que as vacinas obrigatórias são um plano secreto e maligno da nova ordem mundial para dominar a sociedade; a tal relação entre vacinas e autismo; alegações de que metais nocivos, como mercúrio, estão presentes em vacinas em alta dosagem; e argumentos de que as vacinas prejudicam o corpo, enquanto terapias e produtos naturais seriam “a verdadeira maneira de prevenir doenças”.

O movimento antivacinação foi incluído recentemente pela Organização Mundial de Saúde em seu relatório sobre os dez maiores riscos à saúde global. De acordo com a OMS, ele ameaça reverter o progresso alcançado no combate a doenças evitáveis por imunização. E o resultado dessa onda de desinformação e fake news está aí para quem quiser ver. A onda antivax proporcionada grandemente pelas notícias falsas (mas não só, bom dizer) já mostra suas garras com a volta do sarampo em vários países onde ele não dava as caras havia décadas. Os surtos dessa doença, que é altamente contagiosa, aumentaram 300% no mundo nos primeiros três meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018. E o Brasil está entre os países que mais tiveram casos de sarampo na comparação entre 2017 e 2018, perdendo apenas para Ucrânia e Filipinas. Só em São Paulo, já são mais de 11.500 casos e quatorze mortes.

Se os terraplanistas só provocam risos, os antivacina provocam mortes. Muitas. Principalmente de crianças e pessoas que por motivos de saúde não podem tomar a vacina – o que não é nada engraçado, mas sim uma verdadeira tragédia que precisa ser combatida com urgência.

(Rita Lisauskas, Estadão)

A IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA E A VACINAÇÃO

A Igreja Adventista apresentou [há quase quatro anos] uma declaração oficial sobre vacinas, intitulada “Imunização”. A recomendação oficial da denominação, com pouco mais de 18 milhões de membros em todo o planeta, é favorável ao uso de vacinas. A resolução, na íntegra, diz que “a Igreja Adventista do Sétimo Dia coloca forte ênfase na saúde e no bem-estar. A ênfase adventista quanto à saúde se baseia na revelação bíblica, nos escritos inspirados de Ellen White (co-fundadora da Igreja) e em literatura científica submetida à revisão de pares. Como tal, encorajamos a imunização/vacinação responsável, e não há qualquer razão religiosa ou baseada na fé para não incentivar nossos adeptos a participarem responsavelmente em programas de proteção e prevenção de imunização” (fonte).

ELLEN WHITE E A VACINAÇÃO

Sobre a questão da vacinação, não temos nenhuma declaração direta das mãos de Ellen G. White. No entanto, temos o testemunho do Pastor D. E. Robinson, um dos secretários da Sra. White em seus últimos anos na Austrália, e então em Santa Helena, na Califórnia, desde 1903 até o fim da vida dela. Ele se casou com a neta mais velha da Sra. White, Ella White, e por muitos anos, depois do prazo de serviço missionário, o pastor Robinson se manteve conectado com o nosso escritório até sua aposentadoria há poucos anos. Ele é, portanto, muito bem qualificado para falar de sua memória sobre a atitude de Ellen White a respeito de certas coisas, e sobre o que realmente teve lugar envolvendo Ellen White e os membros da equipe do escritório.

Em resposta a esse questionamento recebido no nosso escritório, o pastor Robinson escreveu em 12 de junho de 1931:

“Você pede por informações definitivas e concisas a respeito do que a irmã White escreveu sobre vacinação e soro. Essa questão pode ser respondida brevemente; ao passo que não temos nenhum registro, ela não escreveu nada referente a eles em nenhum de seus escritos. Você vai se interessar ao saber, entretanto, que naquela época, quando houve uma epidemia de varíola na vizinhança, ela mesma foi vacinada e instou a seus ajudantes, aqueles conectados a ela, a serem vacinados. Ao dar esse passo, a irmã White reconheceu o fato de que foi provado que a vacina ou dá imunidade à varíola a alguém, ou alivia muito os efeitos de quem adoeceu. Ela reconheceu também o perigo de expor os outros, caso eles falhem em tomar essa precaução.”

Outra vez, falando sobre a atitude da Sra. White a respeito dessa questão, o Pastor Robinson escreveu: “Apesar de estar totalmente ciente da prática de vacinação durante uma epidemia de varíola, ela não expressou desaprovação sobre isso, nem como prevenção, nem como remédio. Membros da sua própria família foram vacinados e com sua aprovação.”

Arthur L. White, 19 de janeiro de 1956

Leia também o artigo “Eles não querem a vacina”, publicado na revista Vida e Saúde, da Casa Publicadora Brasileira, editora oficial da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Papo reto com Michelson Borges: passado, presente, futuro

Adventista tem direito a fazer vestibular em horário diferente

Man filling a standardized test formA liberdade de culto deve, sempre que possível, ser respeitada pelo Poder Público na prática de seus atos. Assim entendeu a 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região ao manter sentença que reconheceu o direito de um membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia de fazer a prova do vestibular em horário diferente. Ninguém pode ser privado de direitos por motivos de crença religiosa, reafirmou desembargadora federal. De acordo com a relatora, desembargadora Daniele Maranhão, a liberdade de culto trata da garantia de exteriorização da crença e de fidelidade aos hábitos e cultos, “como no caso concreto, em que o sábado é considerado dia de guarda”.

De acordo com o processo, o impetrante, após se inscrever no vestibular, constatou que a primeira prova foi marcada para um sábado, momento em que surgiu o impasse pelo fato de que, como membro adventista, deve guardar e santificar esse dia da semana.

Ao manter a sentença que autorizou que o autor fizesse a prova em dia e horário diferente, a desembargadora destacou que o artigo 5º da Constituição Federal define que ninguém será privado de direitos por motivos de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política.

(Consultor Jurídico, com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-1)

Obelisco no túmulo de Ellen White

whiteAlgumas pessoas têm expressado surpresa e preocupação ao verem um monumento no formato de um obelisco no cemitério da família de Tiago e Ellen White. O obelisco (um, apenas) não é uma lápide para uma das pessoas ali enterradas, mas um marco familiar no centro do lote. A preocupação surge por causa da conexão que existe entre obeliscos e o culto pagão do Egito, bem como outras associações questionáveis. Evidentemente, contudo, muitas pessoas no século 19 não consideravam isso um problema. Os obeliscos eram marcos comuns nos cemitérios daquele tempo. Nas proximidades do mausoléu da família White, existem algo como 20 ou 30 outras sepulturas com marcos em forma de obelisco. Uma situação semelhante existe no cemitério de Rochester, Nova York, onde alguns pioneiros do adventismo foram sepultados. É pouco provável que toda essa gente fosse maçom ou adeptos de religiões antigas que adoravam o Sol. O uso de obeliscos como marcos de cemitérios era apenas uma prática comum, não um tributo à maçonaria ou a crenças pagãs. Os adventistas daquela época pareciam estar entre os que não viam nenhum problema no uso de obeliscos.

Recentemente, encontramos uma correspondência relacionada a essa questão entre as cartas de George I. Butler, que era o presidente de Associação Geral quando Tiago White morreu, em 1881, e por vários anos após. Em 12 de fevereiro de 1884, o Pastor Butler escreveu para a Sra. White: “O monumento de granito escuro em B.C. (Battle Creek) que a senhora viu, eu o encomendei na semana passada, a pedido do seu filho Willie. Ele me disse que debitasse essa despesa em sua conta.”

Isso indica que a Sra. White tinha visto o monumento escolhido, e provavelmente W. C. White também. Ele aprovou a compra. Uma carta do pastor Butler para W. C. White, em 10 de fevereiro daquele ano, discutia o custo do monumento “com a lápide e outras pedras”, dizendo que ele “será erigido tão logo a senhora mande a inscrição”. Fica claro que a família White estava envolvida na escolha do monumento.

Vinte anos mais tarde, em 1904, a Sra. White escreveu sobre uma sugestão diferente para a lápide de Tiago White: “‘Nunca!’, disse eu, ‘nunca! Ele fez, sozinho, o trabalho de três homens. Nunca será colocado sobre seu túmulo um monumento partido’” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 105). Só podemos conjecturar, mas pode ser que no contraste presente nessa sugestão, ela estivesse bastante satisfeita por ter um monumento bem moldado e simétrico colocado no cemitério da família.

Alguns têm perguntado sobre a suposta conexão do obelisco com a maçonaria. Ao verem o obelisco na sepultura da família, uns poucos até chegaram a supor que a própria Sra. White devia ter estado envolvida com o movimento maçônico. Essa é uma conclusão sem qualquer garantia. A Sra. White era uma franca opositora da maçonaria. Enquanto estava na Austrália, ela insistiu com um obreiro adventista que estava envolvido com a maçonaria para que cortasse sua conexão com o movimento. Ela também aconselhou outros contra o envolvimento com ordens maçônicas (ver Evangelismo, p. 617-623; Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 120-140).

Qual a razão, então, para haver um obelisco no cemitério da família White? Evidentemente, a Sra. White não o considerava um símbolo inerente da maçonaria ou pagão, a despeito do fato – conhecido dela ou não – de que os maçons e os adoradores do Sol o haviam usado dessa maneira. Os símbolos têm o significado que as pessoas atribuem a eles. A própria cruz já foi um símbolo repugnante da opressão e crueldade de Roma, mas hoje, os cristãos de todo o mundo a consideram o símbolo da nossa redenção, por meio de Cristo.

Os símbolos podem mudar de significado. Quando Tiago White começou a publicar a Advent Review and Sabbath Herald como um jornal quinzenal (ele passou a ser semanal em setembro de 1853), cada edição vinha com a data da publicação e o nome convencional do dia da semana no qual era publicada, seja segunda-feira ou terça-feira. (O dia da publicação variava naquele tempo.) No entanto, logo ele mudou. A revista publicada na “quinta-feira [Thursday, em inglês], 12 de maio de 1853”, foi seguida, duas semanas depois, por outra exibindo a data de publicação como “quinto dia [Fifth-day, em inglês], 26 de maio de 1853”. Por várias décadas depois, o jornal designou o dia de sua publicação como “quinto dia” e “terceiro dia [Fifth-day e Third-day, em inglês], aparentemente por causa da preocupação com o fato de os dias da semana terem recebido nomes pagãos. Por volta da edição de 1º de janeiro de 1880, entretanto, o jornal voltou a usar os nomes convencionais dos dias da semana. Aparentemente, nossos pioneiros decidiram que o uso daqueles nomes não comprometia sua fé.

As pessoas que usam os nomes convencionais dos dias da semana não o fazem para expressar devoção aos deuses pagãos. Os nomes simplesmente não simbolizam mais esses deuses, a despeito de seu significado original. Da mesma maneira, embora obeliscos possam ter comunicado algum significado oculto lá pelo século 19, esse significado já não era levado em consideração por muitas pessoas, exceto os próprios maçons. Claramente, a Sra. White não sustentava essas crenças.

(Extraído do livro 101 Perguntas Sobre Ellen White e Seus Escritos, de William Fagal, CPB)

IMG_7298

Terraplanistas são maçons?

maçonaria[Alerta! O texto a seguir é pura ironia e um convite à reflexão.]

O Teatro Liberdade é um espaço cultural paulistano que faz parte do Complexo Maçônico da Grande Loja Maçônica do Estado de São Paulo, uma das mais tradicionais do Brasil, fundada em 1927. O auditório, devidamente decorado na fachada com o brasão maçônico (com o transferidor, o compasso e o famoso “G”), foi palco de muitos eventos, mas recentemente esteve no centro de uma grande polêmica por ter abrigado a primeira Conferência da Terra Plana, a FlatCon. Em seus canais no YouTube, os terraplanistas vivem denunciando a maçonaria como uma das sociedades secretas que dominam e enganam o mundo. Pelo fato de haver alguns astronautas maçons (como há maçons em várias outras áreas), para os terraplanistas a Nasa faria parte desse grande engano satânico. Parece que era tudo cortina de fumaça, e que, na verdade, os terraplanistas são maçons. Quem sabe até realizem a próxima FlatCon nas instalações da Nasa.

Note como eles foram espertos em enganar as pessoas esse tempo todo. Mesmo que a locação do primeiro auditório não tenha dado certo, na megalópole paulistana existem centenas de auditórios que poderiam ser alugados. Mas não! Os organizadores da FlatCon escolheram a dedo o local de seu primeiro encontro nacional: o auditório de uma das mais tradicionais lojas maçônicas. É possível que eles tenham até inventado a história do cancelamento do primeiro auditório só para fazer de conta que não tinham opção a não ser se reunir no espaço do suposto inimigo que eles condenavam só para disfarçar. Mas é óbvio que se tratava de uma “armação”. Tanto é que só revelaram o local do evento no dia anterior, para que os participantes não tivessem tempo de cancelar a inscrição e fossem obrigados a entrar no local, como gado levado ao matadouro.

Outra evidência de engano veio da música cantada no evento. Originalmente, a letra menciona a maçonaria, mas quando foi cantada no auditório maçônico, essa parte foi mudada e a palavra substituída. Além disso, alguns dias antes, parte dos organizadores foram ao programa “The Noite” e, quando questionados pelo apresentador sobre quem são os “eles” mencionados pelos entrevistados várias vezes, os terraplanistas se recusaram a revelar que se tratam, entre outros, de seus parceiros maçons. Portanto, mais uma evidência de relacionamento com a maçonaria e um recado claro dado poucos dias antes da FlatCon. Só não percebeu quem não quis.

Tem mais: a Grande Loja Maçônica do Estado de São Paulo foi fundada em 1927, mesmo ano em que o piloto norte-americano Charles Lindbergh realizou um voo transcontinetal de costa a costa nos Estados Unidos e, uma semana depois, voou de Nova York até Paris, numa viagem de pouco mais de 33 horas (olha o grau 33 aí!). Nesse ano, também, cerca de mil “cavaleiros” da Ku Klux Klan desfilaram nas ruas de Nova York. Você acha que tudo isso é por acaso? Os terraplanistas escolheram a dedo o local de sua reunião, já que os voos longos apontam para uma Terra globo, como o voo impossível de Sidney a Santiago, e a Ku Klux Klan é também conhecida pela sigla “KKK”, hoje um tipo de risada comum nos textos de internet, o que significa que os organizadores estão rindo da cara das pessoas que eles conseguiram enganar por todo esse tempo (kkkkk).

No brasão maçônico está a letra “G”, numa clara afirmação de que, na verdade, os terraplanistas, além de maçons, são globalistas disfarçados. E agora os líderes que organizaram a FlatCon, tentando justificar o injustificável, estão chamando os terraplanistas que saíram da “matrix” de “terraplanoides”. Ou seja: assim como é arriscado deixar a maçonaria, é arriscado também deixar o terraplanismo. No mínimo será xingado.

Temos que admitir: eles foram geniais! Enganaram quase todo mundo.

[Fim do texto irônico. Se eu usasse o mesmo raciocínio falacioso dos terraplanistas, poderia realmente ter apresentado como verdade tudo o que escrevi acima.]

Bem, agora vamos falar sério. No texto acima, quase tudo o que escrevi é falso e de conteúdo altamente especulativo e conspiracionista. Apliquei várias das falácias que o físico Eduardo Lütz explica em seus dois vídeos postados em meu canal no YouTube (assista-os e aprimore sua capacidade de identificar falácias; aqui e aqui). E fiz isso justamente para mostrar como os terraplanistas costumam agir em seus vídeos. Senão, vejamos:

  1. Uma das falácias que eles usam e abusam na parte conspiracionista do discurso é a de confundir coincidências com causa e efeito (como fiz acima com o ano 1927, por exemplo). Tipicamente, essa falácia aparece de maneira mais sutil, como confusão entre correlação e causalidade, mas os terraplanistas são tão menos cuidadosos em sua argumentação que usam versões exageradas das falácias.
  1. Pelo fato de um dos fundadores de um dos laboratórios da Nasa ter sido ocultista, os terraplanistas afirmam que a Nasa é ocultista. Não sei exatamente por que os organizadores da FlatCon resolveram alugar um auditório maçom (dando, assim, dinheiro para a loja maçônica), mas eu seria leviano se dissesse que eles são maçons por causa disso. Creio que foi só uma pataquada mesmo. Seria mais bonito que eles admitissem o erro, em lugar de gravar vídeos se justificando.
  1. Um grande divulgador do terraplanismo na internet afirmou, com base em informações antigas e distorcidas, que a Igreja Adventista seria abortista, embora essa mesma igreja tenha recentemente divulgado um documento em que reafirma sua posição pró-vida. Aliás, em lugar de se valer de documentos oficiais da organização, ele prefere apelar para fontes espúrias e críticos da igreja. Desonestidade intelectual, no mínimo. No meu texto irônico acima, o mínimo que se esperaria de mim seria ter procurado os organizadores para saber deles o porquê de terem escolhido um auditório maçônico para a realização da conferência.
  1. Para os interessados, gravei um vídeo (aqui) no qual indico materiais sérios sobre sociedades secretas e maçonaria, e deixo claro que a Igreja Adventista não aprova que seus membros façam parte desse tipo de organização. Esses conteúdos são de pessoas que, além de cristãs, adventistas e seriamente comprometidas com a verdade bíblica, também estiveram profundamente envolvidas dentro dessas sociedades, tendo, portanto, gabarito para falar desses temas a partir do que viveram lá e de materiais restritos a que tiveram acesso por serem “de dentro”. Portanto, não falam como observadores de fora, que obtiveram informações especulativas de segunda mão na internet.
  1. Algum tempo atrás, após um centro de cultura japonesa desistir de aceitar receber a FlatCon, um dos youtubers terraplanistas mais conhecidos declarou que não deveriam fazer o evento perto de locais com ligações com os “poderosos do mundo”, especialmente a maçonaria. Fez isso demonstrando ressentimento combinado com ataques/insinuações maldosas sobre o centro de cultura japonesa que os rejeitou e é vizinho de loja maçônica. A ironia completa é que não podem realizar eventos ao lado de locais maçônicos (como o centro de cultura japonesa), mas podem fazer dentro de local declaradamente maçônico. Em vídeo depois da polêmica toda, esse mesmo youtuber, ao tentar “passar pano” e não reconhecer a incoerência de toda a situação, recebeu críticas de diversos terraplanistas que agora consideram que ele e os outros líderes é que são parte do “sistema” contra o qual acreditam estar lutando (essas pessoas não sabem o quão próximas da verdade podem estar com essas afirmações…).
  1. Parte das críticas dos terraplanistas aos seus “gurus” do YouTube também se deveu a finalmente perceberem que, ao questionarem a incoerência da situação toda, foram chamados de “terraplanoides”. Parece que os “gurus” do terraplanismo estão perdendo o poder de enganar, pois seus seguidores, ao fazerem o que eles mandam, que é questionar tudo, estão percebendo os absurdos e as incoerências do movimento terraplanista (inclusive recentemente pai e filha que tinham um canal terraplanista e abandonaram o movimento por questionar com sinceridade foram duramente atacados por seus ex-“gurus”; clique aqui).
  1. Outra crítica dos agora chamados “terraplanoides” tem que ver com a ida dos principais líderes da FlatCon ao programa “The Noite” (veja o programa). Os recém-saídos da “matrix” se deram conta de que seus ex-“gurus” representaram muito mal o terraplanismo (como se houvesse como representá-lo bem…), embora o maior nome do terraplanismo no YouTube, que vive depreciando críticos (mesmo os altamente graduados), tenha elogiado a atuação desastrosa dos quatro terraplanistas na TV.
  1. Se quiser ver na prática falácias como as que eu inventei em meu texto irônico, assista ao vídeo em que um terraplanista distorce as palavras de um cientista prêmio Nobel (o cientista disse que dificilmente alcançaremos um exoplaneta por causa da distância, mas o youtuber usou essa fala para afirmar que o cientista teria dito ser impossível deixar a Terra, coisa que ele não disse; confira); ou então ao vídeo em que outro terraplanista afirma que a Nasa teria descoberto o tal domo sólido sobre a Terra, quando, na verdade, foi descoberta uma “parede” de hidrogênio (sim, a palavra foi grafada entre aspas no texto original) nos confins do sistema solar, obviamente não sólida (confira); ou ainda ao vídeo em que youtuber defensor da não ida do homem à Lua seleciona cuidadosamente as palavras de uma astronauta para dar a entender que ela teria se referido ao tal domo sólido, num claro exemplo de desonestidade intelectual e desrespeito à memória de uma profissional já falecida (confira aqui e aqui).
  1. Um último exemplo é o que o terraplanista mais graduado do YouTube está fazendo com o texto escrito pelo físico Eduardo Lütz: deixando de fora os pontos principais, combatendo argumentos do espantalho e dizendo que está “refutando” o documento. E o povo acredita…

Bem, o que quis com esta postagem foi mostrar aos terraplanistas falaciosos o quão amargo é o veneno que eles mesmos vivem espalhando, e deixar claro, mais uma vez, que verdadeiros cristãos e verdadeiros criacionistas não podem compactuar com essas mentiras, distorções, acusações e falácias. O pai dessas coisas a gente já sabe quem é. [MB]

Se você deseja saber mais sobre esse assunto, sugiro que assista aos vídeos listados abaixo. Treine sua capacidade de identificar falácias e você será feliz!

Seleção dos melhores vídeos que demonstram a esfericidade da Terra e refutam a crença terraplanista (infelizmente, alguns deles têm palavrões):

Playlist de Michelson Borges sobre Terra plana: https://www.youtube.com/watch?v=nbCBxqAe6uM&list=PLrKyVK1crMRBV0-p0AF5_JP6b-kplFDqA

Estudo sobre falácias (Eduardo Lütz):

Parte 1: https://www.youtube.com/watch?v=Acek3-Vzdnc&t=4s

Parte 2: https://www.youtube.com/watch?v=RHT1VarWkxk&t=4s

Explicações de questionamentos terraplanistas

Gravidade não existe? https://www.youtube.com/watch?v=goT5S7WYhRo

Teste de curvatura (Ilha Sumítica) – Terra plana detonada mais uma vez: https://www.youtube.com/watch?v=haQqhu_dvvA

Por que não vemos navios e prédios inclinados seguindo a curvatura da terra? https://www.youtube.com/watch?v=mG3VBwjzuLA

O mapa da Terra plana e as rotas aéreas: https://www.youtube.com/watch?v=2Q3uwe6Gcg0

Terra plana? Rota aérea Sydney-Santiago: https://www.youtube.com/watch?v=3yQuzhntobc

É nessa hora que terraplanista chora (movimento das constelações no céu/Cruzeiro do Sul): https://www.youtube.com/watch?v=yB4hEPSh2Ng

Cruzeiro do sul explicado pelo canal Inteligência Natural: https://www.youtube.com/watch?v=bfmkWbqtNnM

Maior terraplanista do Brasil explica a questão sobre o Cruzeiro do Sul: https://www.youtube.com/watch?v=M4VId-RWxgY

Terra Plana? Sol visto simultaneamente no Brasil e no Japão: https://www.youtube.com/watch?v=dhGc-RF4dTo

Experimento prova o Equinócio na Terra Plana… SQN: https://www.youtube.com/watch?v=bEwRVZ9c_zQ

Experimento terraplanista provou que a Terra plana é uma mentira: https://www.youtube.com/watch?v=KEbicL9aPU4

O verão chegou e a Terra plana acabou: https://www.youtube.com/watch?v=sS7bhv2YcOg

Razec refuta Inteligentista: https://www.youtube.com/watch?v=xXWVJYx3Pjc

Refutando eclipses longos: https://www.youtube.com/watch?v=4J0vQ__IwY4&feature=youtu.be

Walter Bislins e o tiro no pé da Terra plana: https://www.youtube.com/watch?v=dr-vth6bXTQ&feature=youtu.be

Testemunho de ex-terraplanistas

Debate na Terra plana – O que será daqui pra frente? https://www.youtube.com/watch?v=nhk7aE1Lx4Q

Confessando a Terra plana – aceita ou será ceifado! https://www.youtube.com/watch?v=TD15xSsjvck

React – Terraplanista reconhece erros e abandona o movimento: https://www.youtube.com/watch?v=CXlY_3ynoD0

Por que estamos questionando a Terra plana? https://www.youtube.com/watch?v=tEzRJg4c5vY

Reacts ao debate no GNT com terraplanista

Físico reage a terraplanista “Mude Minha Ideia” e cientistas: https://www.youtube.com/watch?v=_uaXNY3dA2g

Astrônimo reagindo à Terra plana – “Mude Minha Ideia | Quebrando o Tabu”: https://www.youtube.com/watch?v=mA-QjboQdts

Abaixo, vídeos de um físico discutindo a parte histórica e conceitual por trás de teorias de Newton e Einstein que estão sendo questionadas:

Newton é um charlatão? | Analisando um texto do Olavo de Carvalho: https://www.youtube.com/watch?v=Y8sYIVkFM7I

A farsa de Albert Einstein? | Um vídeo do Olavo de Carvalho: https://www.youtube.com/watch?v=Jm4zpiAyqMs

Análise facial

Terraplanistas não acreditam na Terra plana (análise da participação se terraplanistas no programa “The Noite”: https://www.youtube.com/watch?v=thHOJhxqmyE

“A chamada ciência e a religião achar-se-ão em campos antagônicos, porque os homens finitos não compreendem o poder e a grandeza de Deus. Estas palavras da Escritura Sagrada foram-me apresentadas: ‘Dentre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si’ (Atos 20:30). Isso se verá certamente entre o povo de Deus” (Ellen White, Evangelismo, p. 593).

“Ao vir a sacudidura, pela introdução de falsas teorias, esses leitores superficiais não ancorados em parte alguma, são como a areia movediça. Escorregam para qualquer posição para agradar a tendência de seus sentimentos de amargura” (Ellen White, Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, p. 112).