Milhares de estudantes participam de marchas contra o aquecimento global

climaUma onda de paralisações pelo clima faz soar o alarme da crise climática. Sua mensagem é clara: estamos sem tempo e vamos agir agora. A inspiração das paralisações vem de Greta Thunberg, uma jovem sueca de 16 anos, cuja aguçada clareza moral desencadeou todo um movimento. Recentemente, Greta se reuniu com o papa Francisco e compartilhou uma videomensagem com o MCGC logo após o encontro. A próxima paralisação se dará em 24 de maio [hoje] – aniversário da Laudato Si. Você está convidado a se juntar a este enorme movimento global pelo nosso futuro. […] As paralisações são contínuas. Pequenas marchas são realizadas toda sexta-feira como parte do esforço #FridaysForFuture (“sextas pelo futuro”). Paralisações globais em massa, como a planejada para o dia 24 de maio, ocorrem em intervalos de poucos meses. Aproximadamente 1,5 milhão de pessoas participaram da paralisação anterior, que ocorreu em março. Entre elas, jovens católicos da Geração Laudato Si. Como nos diz a Laudato Si, devemos tomar medidas decisivas, aqui e agora.

(Movimento Católico Global Pelo Clima)

Nota: Uma dessas “medidas decisivas” proposta na encíclica papal Laudato Si é o descanso dominical. Faz tempo que o papa Francisco vem discursando em favor do domingo como uma das soluções para o problema climático e para a salvação das famílias, proposta que já conta com o apoio do Parlamento Europeu, por exemplo. Interessante notar como o recrutamento dos chamados “idiotas úteis” tem ocorrido cada vez mais cedo. Um problema foi criado e a solução está sendo oferecida. Infelizmente, por melhor que a ideia pareça, uma minoria incômoda sofrerá por causa disso…

Assista abaixo ao vídeo com a fala de Greta Thunberg e, em seguida, minha palestra sobre o futuro decreto dominical. [MB]

Leia também: “Global Climate Strike: record number of students walk out”

Família: paternidade e maternidade

familiaPaternidade e maternidade. Ao estudarmos as “estações” da família, esse assunto é um daqueles em que temos que nos demorar um pouco para refletir sobre os ideais de Deus. Só assim essa fase (ou a falta dela) pode fazer sentido e ter um propósito no plano maior de Deus.

Perguntas para discussão e aplicação

1. “Multipliquem-se e encham a Terra.” Essa foi a ordem de Deus aos seres humanos em duas ocasiões: na semana da criação (Gn 1:28) e logo após o dilúvio (9:1). Porém, até que ponto ter muitos filhos ainda é uma ordem efetiva para os que vivem no século 21? Em que ocasiões é mais prudente e nobre um casal cristão planejar não ter filho algum? Por quê?

2. Por que as pessoas dos tempos bíblicos consideravam a falta de filhos uma maldição? Como podemos ajudar as pessoas que sofrem por não ter filhos e que ainda pensam assim? Que versículos bíblicos você usaria para levar conforto e esperança a alguém que esteja sofrendo por isso? (Ex.: Jr 29:11; Mt 11:28; Is 43:1, 2)

3. Leia Ester 2:7. O que podemos aprender da atitude de Mordecai ao adotar a sobrinha Ester?

4. Leia Deuteronômio 6:6-9 e 11:18-20. Na prática, o que Deus está dizendo aqui aos pais e mães? Como essas palavras podem (e devem) ser aplicadas aos nossos dias?

5. De que modo educar filhos pode ser considerado uma forma de discipulado?

6. Leia Tiago 1:27. Como podemos aplicar esse verso também aos pais e mães sem cônjuge para ajudá-los a ter alívio em sua carga?

7. Veja os textos abaixo sobre filhos que se desvirtuaram devido (em grande parte) aos erros dos pais. O que podemos aprender destes exemplos negativos de paternidade? Em sua opinião, em que esses pais podem ter errado? Como podemos evitar cair nos mesmos erros?

  • Sobre os filhos do sumo sacerdote Eli: 1 Samuel 2:12, 22-24; 3:10-14
  • Sobre os filhos do profeta Samuel: 1 Samuel 8:1-3
  • Sobre Adonias, filho do rei Davi: 1 Reis 1:5, 6

8. Como você entende Provérbios 22:6? Qual deve ser a atitude dos pais que têm filhos afastados de Deus e da igreja? De que maneiras a igreja pode ajudar esses pais durante esse período de sofrimento?

Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Jardim Iguaçu, Maringá, PR

Brasil é dedicado à Virgem Maria

maria2O presidente Jair Bolsonaro participou, nesta terça-feira (21/5), no Palácio do Planalto, do ato de Consagração do Brasil ao Imaculado Coração de Maria, nesta terça-feira (21/5). O evento ocorreu no Palácio do Planalto, às 14h. A cerimônia foi idealizada pelo deputado Eros Biondini (PROS-MG), com participação da Congregação Mariana e outros grupos católicos. Na assinatura, estavam presente lideranças da Igreja, como o bispo da Administração Apostólica São João Maria Vianney, Dom Fernando Rifam. Segundo a fé católica, Nossa Senhora apareceu em Fátima, em Portugal, em 1917, e pediu que os países fizessem esse gesto como uma forma de afastar “as guerras e o comunismo”. A devoção foi difundida anos depois, pelo papa Pio XII, que consagrou todo o mundo e a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial.

Na internet, apoiadores do presidente recorrem à fé para demonstrar apoio ao governo. A tag #OrePeloBrasil ficou entre as mais comentadas do Twitter na segunda-feira (20/5). Entre as orações, alguns aproveitaram para se manifestar contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional. Diversas postagens também reforçaram a manifestação de apoio ao presidente que está sendo organizada em 26 de maio. […]

(Correio Brasiliense)

Nota: Conforme comparou meu amigo astrofísico Eduardo Lütz, a esquerda é o arco e a corda que lançarão a flecha que causará o verdadeiro estrago. Os desmandos e as baixarias perpetrados pela esquerda nos anos em que governou o país levaram o pêndulo da história para outro extremo: o da mistura entre política e religião. Nos Estados Unidos e na Europa também é perceptível um recrudescimento do sentimento religioso e uma perigosa aproximação entre Estado e igreja (sempre a hegemônica, claro). No caso do Brasil, essa igreja é a Católica, e a dedicação da nação a Maria é uma tremenda evidência de que o cenário se torna cada vez mais religioso e alinhado com as profecias relacionadas com os eventos que antecedem a volta de Jesus (sugiro que você leia o livro Eventos Finais).

Durante o evento de consagração, o padre Oscar Peroni lembrou de outros países que foram consagrados ao Sagrado Coração de Maria e que teriam recebido milagres em sua economia. O religioso destacou o caso de Portugal, que, segundo ele, ajudou aquela nação a vencer o “comunismo”. Depois o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Floriano Peixoto, assinou, ao lado de bispos convidados, o documento que formaliza essa “consagração” do país.

Para Marco Dourado, “cristãos com instinto de sobrevivência preferirão suplicar socorro ao papa a ter que ver o país transformar-se em Sodoma. E tentarão compensar a vergonha pela traição aos pais reformadores perseguindo os que não se curvarem à mitra pontificial. Foi bem isso que aconteceu em meados do século IV”.

Assista ao vídeo abaixo para entender melhor esse cenário. [MB]

1

2

Aumenta número de OVNIs avistados nos EUA

ovniO aumento de avistamentos de objetos voadores não identificados (OVNIs) em áreas controladas pelo Exército norte-americano levou a Marinha a estabelecer um novo protocolo de ação. Até agora era comum que “incursões” desse tipo fossem ignoradas e, quando um oficial fazia registro, não se fazia acompanhamento nem uma investigação exaustiva. As autoridades ainda estão trabalhando no esboço das novas diretrizes a serem seguidas pelos pilotos e outros profissionais quando observarem “fenômenos aéreos inexplicáveis”, como os militares os chamam. Desde que se soube, há alguns anos, que o Governo dos Estados Unidos financiou um programa secreto para investigar OVNIs entre 2007 e 2012, o interesse dos congressistas em ter acesso a informações mais detalhadas a respeito também aumentou.

“Houve vários relatos de aeronaves não autorizadas ou não identificadas que entraram em nosso espaço aéreo nos últimos anos”, explicou a Marinha em um comunicado ao jornal digital Político. A Marinha também explicou que recebeu uma série de pedidos de informação por parte dos membros do Congresso, razão pela qual os funcionários tiveram de entregar relatórios elaborados por altos funcionários da Inteligência Naval e por pilotos que alertaram sobre os perigos: “Por razões de segurança e proteção, a Marinha leva esses relatórios muito a sério e investiga todas as informações”. O aparecimento de OVNIs ocorre “várias vezes por mês”, disse Joseph Gradisher, porta-voz de um dos escritórios da Marinha ao Washington Post.

A Marinha recebeu críticas por prestar relativamente pouca atenção ao fenômeno dos objetos voadores “inexplicáveis” e por incentivar uma cultura na qual seu pessoal acredita que falar sobre o assunto poderia prejudicar sua carreira. Chris Mellon, ex-diretor de pessoal do Comitê de Inteligência do Senado, disse ao Post que o protocolo atual consiste em que, se surgem anomalias, elas devem ser ignoradas ao invés de exploradas. “Em muitos casos [o pessoal militar] não sabe o que fazer com essa informação, como os dados de satélite. Eles ignoram [os dados] porque não é um avião ou um míssil tradicional.” É precisamente para evitar esse tipo de situação que a Marinha propõe atualizar e formalizar o processo de informação sobre incursões suspeitas.

A nova preocupação surgiu em 2017, quando o The New York Times publicou que o governo norte-americano havia gasto cerca de 600 bilhões de dólares (cerca de 2,37 trilhões de reais) do orçamento do Departamento de Defesa entre 2007 e 2012 em um programa secreto para investigar OVNIs. Mais tarde, o Pentágono reconheceu a existência do Programa de Identificação Avançada de Ameaças Aeroespaciais (Advanced Aerospace Threat Identification Program, em inglês). Em um dos vídeos ao qual o Times teve acesso se via um objeto voador em San Diego (Califórnia) viajando contra ventos de mais de 200 quilômetros por hora. Foi detectado pelos pilotos de dois caças F/A-18 Super Hornet da Marinha, que não deram crédito do que viram.

(El País)

Vídeos em que falo dos OVNIs e a possível relação deles com os eventos finais:

O cristão, as aplicações e as temidas pirâmides financeiras

Captura de Tela 2019-05-21 às 15.08.18É errado o cristão guardar dinheiro, investir no Mercado de Ações, realizar aplicações financeiras de Renda Fixa, ou mesmo se arriscar no mundo das criptomoedas? Quais os limites legais e o que não convém nesse denso, turbulento e incerto mundo de possibilidades? Há investimento livre de risco? Uma coisa é certa: existem investimentos altamente arriscados, tão arriscados que, se possível, enganariam até os escolhidos. Este artigo tem o objetivo de identificar riscos, possíveis negócios fraudulentos, empresas aparentemente sérias, mas cuja finalidade parece estar em harmonia com pirâmides financeiras já desmanteladas pela Polícia Federal no Brasil, FBI nos EUA ou ainda outros órgãos oficiais de prevenções a fraudes no mundo todo. Atualmente, a legislação brasileira protege, ainda que em parte, os investidores. Temos leis, regulamentos e diversos produtos do Mercado Financeiro cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), por exemplo. Dentro da proteção do FGC estão CDBs, LCIs, LCAs, LCs etc. Essa proteção, porém, tem o limite de 250 mil reais por CPF por Instituição Financeira.

Existem outros Investimentos não cobertos pelo FGC, mas que não deixam de ter certa “garantia”. Exemplo disso é o conhecido “Tesouro Direto”, títulos da dívida pública emitidos pelo Tesouro Nacional, cuja garantia é o próprio Governo Brasileiro. A avaliação dessa aplicação deve ser feita não necessariamente com base em ideologias, mas especialmente no compromisso e na responsabilidade que o governo demonstra com o pagamento de suas contas e a austeridade financeira esperada de um chefe de Estado.

As aplicações até aqui descritas são conhecidas como Renda Fixa, ainda que o Tesouro Direto (TD) seja mais bem classificado como Títulos da Dívida Pública. Porém, sua forma de pagamento e cálculo são bem conhecidos e raramente sofrem a volatilidade das rendas variáveis, ainda que haja uma marcação de preços definida pela lógica econômica da Lei da Oferta x Procura, em caso de antecipação do vencimento. No vencimento, o TD paga exatamente o contratado.

Já as chamadas Rendas Variáveis são, como o próprio nome sugere, imprevisíveis. Na  segunda semana de maio, Donald Trump resolveu iniciar uma guerra, que antigamente se começava com armas, depois passou a ser feita de maneira mais fria, ideológica. Hoje em dia,  o combate foi declarado no Twitter mesmo, e utilizando uma arma muito inusitada: impostos. Mas o que os EUA e a China têm a ver com o Mercado de Ações no Brasil?

Aparentemente tudo, porque a influência de diversas declarações do chefe de Estado Americano, bem como as reações e respostas dos chineses, num mercado totalmente globalizado, interferem drasticamente. Nesse sentido, seria arriscado demais para um cristão entrar nesse mercado lunático? A resposta é não!

É preciso muita ressalva, pois primeiramente Renda Variável não se resume ao Mercado de Ações; há opções que não sofrem tanto com guerras fiscais entre países; outros tipos de papéis dependem de variáveis diferentes para obter valorização. Exemplo disso são os Fundos Imobiliários, que enquanto as ações despencaram na semana que passou, tiveram no geral um bom comportamento.

O mercado de ações, se analisado com mais profundidade, tende a ser um bom negócio de longo prazo, em empresas sólidas, lucrativas, mas, para um cristão, não basta esse tipo de segurança para garantir que seu recurso vai valorizar. É imprescindível saber qual o ramo da empresa: Ela vende bebidas alcoólicas? Fomenta a indústria pornográfica? Está alinhada a ideologias que nada tem a ver com os princípios bíblicos?

Devemos lembrar que um fiel mordomo não é responsável apenas em devolver aquilo que é do Senhor. Um fiel mordomo administra tudo aquilo que reconhece não ser seu. “Tudo que temos e tudo que somos pertence ao Senhor.” Essa é uma bonita frase de efeito, mas seria apenas teoria ou na prática tudo que eu tenho é de fato do Senhor? Se tudo é dEle, não posso realizar práticas escusas em meus negócios, mesmo sendo fiel nos dízimos e ofertas; aquilo que em teoria é meu devo administrar para o Senhor.

Nesse sentido, alguns cristãos estão sendo atraídos por empresas que prometem pagar juros muito acima do praticado no mercado financeiro. Antes de fazer qualquer julgamento é importante ressaltar que muitos que investem nesse tipo de empresa são inocentes, até mesmo alguns recrutadores. Afinal, não conhecem o mercado financeiro, seus riscos e dificuldades e acreditam ser possível realizar o improvável.

Também existe o grupo de defensores desse ramo porque ganham muito dinheiro com as práticas que dão retorno superior se comparadas com o mercado financeiro. É fato, esse tipo de empresa paga mesmo, no início, e normalmente paga bem. Pessoas realmente têm ficado ricas! Entretanto, até quando haverá o lucro exorbitante do investimento e qual o preço envolvido em tais transações?

As promessas são sempre muito tentadoras. Envolvem rendimentos de 5% ao mês, 10% ao mês, mas se você consegue angariar mais pessoas para o “Marketing Multinível”, seus ganhos são exponenciais.

Aqui está o primeiro alerta. Empresas de fachada que alegam trabalhar com criptomoedas, ou mesmo no mercado financeiro, e que atraem clientes que precisam atrair ainda mais clientes. Toda essa dinâmica pode ser indício de Pirâmide Financeira.

O que seria uma Pirâmide Financeira? Uma forma de arrecadar dinheiro previsivelmente não sustentável, que depende basicamente do recrutamento progressivo de outras pessoas para que o esquema continue a gerenciar níveis absurdos. Difere-se de Marketing Multinível justamente por não “vender” nenhum produto, mas trabalhar exclusivamente no recrutamento de novos “investidores”.

Por ser crime no Brasil, as empresas que atuam como pirâmide jamais admitem sua condição, normalmente alegam aplicar em criptomoedas. Porém, uma rápida busca no Google mostra quanto as tais criptomoedas têm rendido. A título de exemplo, uma das mais famosas, a Bitcoin, que em 2017 chegou a valer aproximadamente R$ 70.000,00, iniciou um processo de desvalorização, chegando em dezembro de 2018 a 12 mil Reais.

Como seria possível uma empresa que alega trabalhar com Bitcoin nestes dois anos ter pago a seus investidores 5% ao mês? Ou 79,59% ao ano de Juros Compostos? A resposta lógica seria: impossível. A menos que novos investidores entrassem no negócio, diariamente, num processo tão dependente quanto insustentável.

O Fundo Garantidor de Crédito não cobre operações para esse tipo de empresa e é interessante analisar o tipo de propaganda de algumas. Elas exibem com orgulho o fato de que a legislação não as atinge. Dessa maneira, esperam angariar clientes desejosos de fugir de impostos.

Em um ambiente em que não há leis que regulam impostos, haveria leis que regulam outras práticas, digamos, não ortodoxas, para não dizer criminosas? Existem diversas investigações do Ministério Público em torno do assunto; algumas empresas já possuem parecer desfavorável da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que, aliado a uma rápida pesquisa na internet, lança dúvidas sobre algumas dessas instituições. Por isso, a pergunta que fica é: O cristão deveria entrar nesse tipo de negócio, ainda que tenha dúvidas razoáveis?

Imagine aqueles que estarão na base da pirâmide quando ela ruir; a maioria dos investidores, aposentados, trabalhadores, pobres, pessoas que aplicaram todas as suas economias é que serão prejudicados. Se houver dúvida razoável, um cristão não deveria fazer parte desse tipo de negócio.

Qualquer negócio financeiro envolve determinado grau de risco. Nós, cristãos, que acreditamos na Bíblia, podemos encontrar esperança num tipo de investimento completamente isento de riscos, onde nem a traça nem a ferrugem são capazes de consumir, e onde ladrões não minam nem roubam, de acordo com Mateus 7:19-21.

Busquemos em primeiro lugar o conselho da Palavra do Senhor, que é específico quanto a acumular tesouros no Céu, pois “onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mt 6:21). Que Deus lhe conceda sabedoria em suas decisões.

(Márcio Silva é tesoureiro da Associação Sul-Rio-Grandense da IASD; publicado em Notícias Adventistas)

Leia também:Agravamento de tensão EUA-China derruba Ibovespa abaixo de 92 mil pontos”, “PF cumpre mandados contra empresa hamburguense que atua com criptomoedas” e “Operação investiga empresa no RS que promete retorno com investimento em criptomoeda”

Por que abandonei o darwinismo

micAbandonei a ideia da macroevolução e o naturalismo filosófico quando estudava no curso técnico de química, nos anos 1990, em Criciúma, SC, minha cidade natal. Sempre fui amante da ciência. Era leitor voraz de autores como Carl Sagan, Stephen Hawking, Isaac Asimov e outros. Por isso mesmo, sempre fui naturalmente cético. Quando soube que o darwinismo tinha graves insuficiências epistêmicas, fiquei surpreso e passei a estudar o assunto mais a fundo. Resolvi colocar em prática meu ceticismo até as últimas consequências.

Deparei-me com o argumento da complexidade irredutível, de Michael Behe, e com a tremenda dificuldade que o darwinismo tem em explicar a origem da informação complexa e específica. De onde surgiu a informação genética necessária para fazer funcionar a primeira célula? De onde proveio o acréscimo de informação necessária para dar origem a novos planos corporais e às melhorias biológicas? O passo seguinte foi buscar um modelo que me fornecesse respostas ao enigma do código sem o codificador, do design sem o designer, da informação sem a fonte informante.

Fiquei aturdido com a complexidade física do Universo e com a complexidade integrada da vida. Ao constatar uma vez mais que, para existir, a realidade depende de leis e constantes finamente ajustadas. Nessas pesquisas, descobri que o criacionismo é a cosmovisão que associa coerentemente conhecimento científico e conhecimento bíblico.

Então passei a estudar mais detidamente a Bíblia Sagrada, que me diziam ser a Palavra de Deus. Fiquei igualmente surpreso ao constatar que a arqueologia comprova a veracidade histórica desse livro milenar, e que as profecias detalhadamente cumpridas são outra evidência de sua origem singular. Só que essa leitura, esse estudo fez mais por mim do que apenas fornecer informações. À medida que eu estudava o Livro Sagrado, alguma coisa estava mudando em mim, em meu coração, em minha mente…

Nesse estudo, nessa busca, me descobri em boa companhia ao saber que grandes cientistas como Galileu, Copérnico, Newton, Pascal, Pasteur e outros não viam contradição significativa entre a ciência experimental e a teologia judaico-cristã. Usei meu ceticismo, fui atrás das evidências – levassem aonde levassem – e me surpreendi com uma interpretação simples e não anticientífica para as origens. Resultado? Tornei-me criacionista.

Minha busca não termina aqui. A fonte de conhecimento que se abriu diante de meus olhos é eterna como eterno é meu Criador. Encontrá-Lo foi a maior descoberta da minha vida!

Às vezes, é preciso duvidar para crer. Mas vale a pena.

Michelson Borges é jornalista (UFSC), especialista em Teologia (Unasp) e pós-graduando em Biologia Molecular (Cândido Mendes).

Palestra: Nos bastidores da mídia