Macron, O Belo da Tarde (me perdoe, Catherine Deneuve…)

paris[Em julho deste ano, fui convidado a apresentar palestras e pregar em duas igrejas de Paris. Foi a primeira vez que estive na charmosa capital francesa. Obviamente que fiquei encantado ao visitar seus principais pontos turísticos, especialmente o Museu do Louvre e – numa “esticadinha” estratégica até Versalhes – o famoso palácio homônimo. De fato, Paris é linda, mas é impossível deixar de notar os efeitos da presença de milhares de pessoas oriundas de países em crise, o mal cheiro dos metrôs, a sujeira em alguns bairros e a crescente falta de liberdade religiosa. Sim, o simples ato de carregar uma Bíblia em público pode causar problemas. O pastor de lá me explicou que a polícia estava tendo problemas com mulheres muçulmanas ao volante. Como usam burca, emprestavam suas carteiras de habilitação para amigas e os oficiais não podiam fazer nada a esse respeito. Pois “baixaram” uma lei proibindo que condutoras de veículos usem burca, e, para ser “justos”, proibiram que qualquer símbolo religioso seja exibido em público. Assim, Bíblias só na bolsa; e orações só nas igrejas, em casa ou em pensamento. O Ocidente cristão se curva aos novos costumes e se vê invadido por pessoas que até poderiam conhecer Jesus, se Ele fosse conhecido dos cristãos nominais de hoje… A Europa e a França, particularmente, vivem um momento complicado. Para ajudar você a compreender o que se passa por lá, pedi ao amigo analista de sistemas Marco Dourado, de Curitiba, que escrevesse uma análise da situação, a qual você pode ler a seguir. – Michelson Borges]

A cada ano, numa estimativa conservadora, vêm entrando na França uma média de 100 mil refugiados, um lumpemproletariado pra Marx nenhum botar defeito. Aí os franceses vão e elegem Emannuel Macron, na tentativa de evitar armadilhas de um extremo e outro do espectro político. Qual o resultado? Macron dá mostras cotidianas (e acintosas) de que não será pautado pelos interesses de seus eleitores, mas pelo politicamente correto, pelos chamados “acordos internacionais” recomendados pela ONU e pelo IPCC (o Painel Climático Internacional). Para “salvar o planeta” ele não titubeia em afundar seu país, talvez até tenha buscado o poder justamente para isso.

Somente nos subúrbios de Paris existem 400 mil imigrantes, sendo que 28% vivem abaixo da linha da pobreza, com o inevitável cortejo de violência, criminalidade, contrabando e sujeira. Paris fede como um gigantesco banheiro de rodoviária abandonada pelas autoridades. Pois vem Macron advogar em favor dos imigrantes ao mesmo tempo em que debocha publicamente da população francesa, como foi o caso de um jovem horticultor graduado que reclamou com ele da impossibilidade de arrumar emprego – o presidente lhe disse que bastava atravessar a rua para arranjar trabalho (aqui no Brasil soaria como dizer ao rapaz para procurar um Posto Ipiranga). Tal escárnio gerou comoção nacional.

Para seguir a agenda ECOmênica, Macron aumentou, desde o início do ano, o preço dos combustíveis (diesel e gasolina) em 23%. E quanto mais se aumenta a carga tributária, mais diminui, de forma sensível, o poder aquisitivo da população, especialmente as pessoas majoritariamente pobres, que não estão organizadas em sindicatos e associações, mas que se unem por meio das redes sociais. Daí se percebe a semelhança dos protestos naquele país com a greve de caminhoneiros do Brasil neste ano.

Os revoltosos franceses, que adotaram como símbolo o colete amarelo (gilets jaunes), são estimados entre 75 mil e 280 mil (cifras aproximadas, mas, com toda evidência, crescentes). Sua ação obrigou Macron a decretar Estado de Emergência. Sua popularidade no início do governo era de 69% – um índice expressivo, que indicava grande otimismo. Hoje, encontra-se – com firme viés de queda – na casa de 29%, patamar de governos impopulares em fim de mandato.

A situação política da França marca o contraste entre governos preocupados com seus cidadãos – caso dos EUA, Áustria, Itália, Polônia, Hungria e, felizmente, o Brasil – e vigaristas a mando de organizações globalistas presididas por burocratas sem alma – anônimos, não eleitos e pragmaticamente indiferentes à soberania dos países.

Por falar em Trump, o cinismo e a cara-de-pau de Macron são tamanhos que ele tentou lacrar o presidente norte-americano durante as comemorações do fim da Primeira Guerra, provocando o ianque ao afirmar que “nacionalismo é diferente de patriotismo”. Levou uma invertida de Trump, que lhe lembrou que, não fosse o “nacionalismo norte-americano”, os franceses estariam hoje falando alemão (nas entrelinhas, entenda-se que a França pode vir a adotar o árabe como idioma oficial). Sim, o bom e velho nacionalismo americano. Afinal, a maior motivação de um soldado em arriscar sua vida não é exatamente conquistar aquilo que ele não tem mas preservar, CONSERVAR o que já possui: sua família, sua propriedade, seus valores, suas tradições, sua cultura, sua história, sua religião, seu estilo de vida – coisas que o sabujismo de Macron está pondo em risco.

Note-se que Macron criticou Bolsonaro por ter, a exemplo de Trump, rechaçado que o Brasil venha a sediar uma dessas conferências para acordo climático. Usou, inclusive, de chantagem, condicionando um acordo comercial União Europeia/Mercosul com a realização do ecoevento. Ótima oportunidade para o Brasil não só pular fora da canoa ideológica furada do Mercosul e focar em acordos bilaterais, como também repudiar uma agenda ecológica intencionalmente vaga, baseada em argumentos não só temerários, mas despudoradamente mentirosos (a esse respeito, leia-se O Império EcológicoOu A Subversão da Ecologia pelo Globalismo, de Pascal Bernadin – 600 páginas altamente documentadas demonstrando que a tal da agenda climática favorece exclusivamente o globalismo em prejuízo da soberania dos países e do bem-estar de suas populações).

Em suma, ou Macron é um absoluto idiota ou um perfeito canalha. Não tem interesse ou capacidade de governar seu país, e ainda se dá o desfrute de querer ensinar a outros governantes o caminho para o desastre. Não é à toa que os franceses, a exemplo dos brasileiros em 2016, só têm uma palavra para o imbecil apátrida: “Fora!” – e olha que os recentes confrontos com a polícia até que estão saindo barato. Por quê? Vejamos.

Pouca gente associa os massacres da Noite de São Bartomeu ao Terror, dois séculos mais tarde – uma safra de sangue que teve engenheiros agrônomos de peso: Rousseau, De Sade, Marat e Robespierre. Não é de admirar que o flagelo do esquerdismo já nasceu extremo naquela mistura de hospício com matadouro. Luciano Ayan lembra que Kurt van Middelaar, em Politicídio, explica como a filosofia francesa se transformou numa forma de justificar o terror: “E da turma do marxismo ocidental, os que mais chutaram o balde vieram de que país? Adivinhe. Maurice Merleau-Ponty, Jean-Paul Sartre e Michel Foucault elogiaram formalmente os genocídios da Rússia. No resto do mundo, esse comportamento era exceção, e muitos questionavam. No meio acadêmico francês, era o padrão. Desde Rousseau é assim.”

Muito provavelmente Macron não perderá a cabeça, não literalmente. Três gerações sob o Estado de Bem-Estar Social amoleceram os carbonários franceses, aquela turma escolada em partir pro quebra-pau. Mas, como diz um ditado aqui no Sul, cachorro que comeu carne de carneiro, ainda que só uma vez, nunca mais esquece do gosto. E isso pode insuflar as matilhas dispersas do resto do Velho Continente.

Anúncios

Câmara aprova direito de aluno se ausentar de prova por crença religiosa

sabadoProjeto de relevância para o respeito à crença religiosa teve importante avanço na tarde de terça-feira, 27. Integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovaram Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara 130, de 2009 (originalmente Projeto de Lei número 2.171, de 2003, de autoria do deputado federal Rubens Otoni). O texto aprovado trata da aplicação de provas e atribuição de frequência a alunos impossibilitados de comparecer à escola por motivos de liberdade de consciência e de crença religiosa. O teor será incorporado, portanto, à legislação por meio da inserção do artigo 7-A na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Na prática, alunos da rede pública ou privada ganham um instrumento de respeito em função da sua consciência e crença. O texto prevê que seja assegurado o direito a estudantes em qualquer nível (exceto os de ensino militar) de se ausentar de prova ou aula marcada para um dia que, segundo seus preceitos religiosos, seja proibido o exercício desse tipo de atividade. Na aprovação da CCJ, estão previstas prestações alternativas como: prova ou aula de reposição, conforme o caso, realizada em data alternativa, no turno do estudo do aluno ou em outro horário agendado e trabalho escrito ou outra modalidade de atividade de pesquisa, com tema, objetivo e data de entrega definidos pela instituição de ensino.

Em 1997, o então deputado federal Marcos Vinícius de Campos já havia encaminhado um projeto com o mesmo teor, porém, segundo registros da Câmara Federal, o documento havia sido arquivado em fevereiro de 1999.

A relatora do projeto na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, deputada federal Maria do Rosário, ressaltou, então, o caráter de respeito à liberdade de expressão religiosa. Ela lembrou que a Constituição Federal, no seu artigo 5º, garante que esse tipo de liberdade é inviolável e precisa ser garantido. Acrescentou, ainda, que “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”.

O diretor de Assuntos Públicos da Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul, pastor Helio Carnassale, ressaltou que essa foi uma importante vitória para a liberdade religiosa, especialmente no caso de milhares de estudantes que observam dias religiosos. “Muitos contribuíram para chegarmos até aqui. Quero ressaltar o empenho e apoio dos deputados Rubens Otoni, senador Pedro Chaves, deputada Maria do Rosário, além de Uziel Santana, presidente da Anajure, deputado Leonardo Quintão e de apoios recentes do deputado federal Aguinaldo Ribeiro e da senadora Daniela Ribeiro”, disse. Carnassale lembrou, ainda, o “papel do consultor parlamentar Adiel Lopes, além do advogado Vanderlei Viana e da administração adventista na América do Sul”.

A aprovação na CCJ teve caráter conclusivo, portanto não seguirá para o Plenário da Câmara, mas diretamente para ser ou não sancionada pelo presidente da República. É difícil precisar quantos alunos, por motivo de crença religiosa, serão beneficiados no Brasil com essa medida. Para se ter uma ideia, último levantamento realizado pelo Ministério da Educação apontou que, somente alunos guardadores do sábado, que prestavam o Exame Nacional de Ensino Médio, representavam em torno de 100 mil no País.

(Felipe Lemos, Notícias Adventistas)

As mulheres ignoradas

janainaDuas mulheres tiveram votação tremendamente expressiva para a Câmara dos Deputados: a jornalista Joice Hasselmann (demitida da revista Veja por pressão do ex-presidente Lula), que recebeu mais de um milhão de votos, e sua correligionária, a jurista Janaína Paschoal [foto ao lado], autora do impeachment contra Dilma. Janaína recebeu mais de dois milhões de votos. Curiosamente, nenhuma delas ganhou sequer um parabéns dos movimentos feministas. Será que é por que ambas se alinham à direita no espectro político e defendem uma posição mais conservadora? Acho que não, né? Deve ter sido esquecimento por parte das feministas de enaltecer a eleição dessas duas empoderadas. A propósito, quem ficou no lugar do juiz Sérgio Moro (escolhido para ministro da Defesa do novo governo) à frente da Operação Lava-Jato é também uma mulher: a juíza federal Gabriela Hardt, que mandou prender José Dirceu. Novamente pergunto: Cadê as feministas para comemorar o fato de que outra empoderada assume grande protagonismo em nosso país, em uma função-chave, para a execução da qual é preciso muito pulso? Onde estão as feministas para comemorar a imposição de autoridade da juíza sobre um famoso presidiário que tentou intimidá-la recentemente em uma audiência? Que grande exemplo e motivação Gabriela dá às mulheres e aos homens do nosso país. Mas novamente a resposta é o silêncio daquelas que acham que lutar pelas mulheres significa levantar cartazes por aí e ficar brigando com homens no Facebook…

Será que movimentos feministas estão contaminados por alguma ideologia específica? Acho que não… Deve ser coisa da minha cabeça.

Quero aproveitar este post para falar de outras mulheres injustamente esquecidas. Mulheres cuja missão é infinitamente mais importante que a de uma senadora ou juíza, mas que, por atuar nos bastidores, são ainda mais invisíveis. Vou deixar que a Carla Carolina fale delas:

Quando fomos criadas, Deus concedeu a nós a tarefa mais importante, de maior valor e mais significativa que pode haver sobre a Terra. Foi-nos dada a missão de moldar o caráter da humanidade. Nas palavras de Ellen G. White: “No moldar devidamente o espírito de seus filhos, é confiada às mães a maior missão dada a mortais” (Fundamentos da Educação Cristã, p. 252).

Só existem grandes líderes, pessoas que realmente fizeram a diferença e marcaram a História, porque antes existiram grandes mães e esposas. Mulheres que conduziram seus filhos em caminhos honrados, que ensinaram valores como altruísmo e bondade. Mulheres que apoiaram seus maridos e cumpriram o papel de equilibrar o instinto, muitas vezes irrefreável e ansioso, masculino.

“Foi Joquebede, a hebreia que, fervorosa na fé, não temeu “o mandamento do rei” (Hebreus 11:23), a mãe de Moisés, libertador de Israel. Foi Ana, a mulher de oração e espírito abnegado, inspirada pelo Céu, que deu à luz Samuel, a criança divinamente instruída, juiz incorruptível, fundador das escolas sagradas de Israel. Foi Isabel, a parenta e especial amiga de Maria de Nazaré, que gerou o precursor do Messias (A Ciência do Bom Viver, p. 372).

Nós nunca precisamos de empoderamento. Somos naturalmente poderosas, capazes de mudanças gigantescas. Anjos dariam suas asas para poder desempenhar um papel tão digno quanto o nosso. Sabendo da importância do papel da mulher, Satanás levanta contra nós artimanhas como o feminismo que nada faz além de nos tornar cada vez mais vítimas do desejo sexual masculino, nada faz além de nos sobrecarregar com cada vez mais responsabilidades, nada faz além de nos colocar constantemente no limite emocional e físico, nos levando ao esgotamento.

O feminismo nos tirou da segurança de nossos lares e nos colocou vulneráveis no mercado de trabalho (que não, não é ruim, mas hoje gira para satisfazer o egoísmo e a ganância), nos tirou o amor dos homens e nos transformou em meros objetos que permanecem no desejo masculino por apenas uma noite; nos tirou do foco e de nossa tão maravilhosa missão. E agora exige que sejamos “supermulheres”, que consigamos ser boas profissionais, boas mães e boas esposas e, quando não damos conta de tudo isso, o feminismo diz-nos que escolher ser boa mãe e esposa é indigno.

O feminismo nos fatigou. O feminismo ignora tudo aquilo que somos e nos obriga a ser aquilo que eles querem que sejamos. Nós fomos criadas para ser a beleza e a doçura em um mundo tão cheio de amargura e feiura. Fomos criadas para ser amadas, mas, mais do que isso, fomos criadas para completar uma obra que ecoa na eternidade.

Mulheres, não troquem isso por empregos, altos salários ou notoriedade no mundo dos homens. Nada disso será levado conosco para o túmulo.

Somos todos da resistência

tristePara viver neste mundo é preciso ter muita resistência. Sexta-feira, dia de finados, minha família e eu participamos de um momento extremamente triste e desalentador. Fomos à cerimônia fúnebre da filha de um grande amigo e ex-colega de trabalho. Ela tinha apenas 24 anos e estava para se formar neste ano. Uma vida inteira pela frente, sonhos e projetos interrompidos pela nossa maior inimiga, aquela inevitável que nos nivela a todos como finitos: a morte. Em momentos de perda como esses, nos damos conta de que tanta coisa é tão insignificante, tão efêmera e às vezes até sem sentido. Cargos, títulos, poder, dinheiro, posições políticas… Em momentos de transe como esse, percebemos nossa finitude e desamparo; o fluxo da vida é interrompido e a dor toma conta da alma; somos confrontados mais uma vez com a realidade de que, como dizem, as coisas mais importantes da vida não são coisas, são pessoas. Graças a Deus, a família do meu amigo é composta por pessoas que se amam, que se abraçam, que cuidam umas das outras. Meu amigo entregou a filha a Deus e tem a firme esperança de que na volta de Cristo Ele ressuscitará a menina, e estarão juntos novamente para sempre.

Foi uma cerimônia muito triste, até porque o inconformismo é ainda maior quando um pai e uma mãe têm que sepultar um filho. Praticamente todos os que foram solidarizar com a família creem na volta de Jesus, o que tornou a cerimônia um momento triste, sim, mas carregado de esperança.

Infelizmente, nem todas as famílias são assim, por isso, quando ocorrem mortes, o desespero é avassalador. Há pais e filhos e irmãos que descem à sepultura brigados. Há amigos que não se viam nem conversavam havia anos, e que são obrigados a se reencontrar nessas tristes ocasiões – um no caixão e o outro cheio de remorsos. Não precisava ser assim. Não devia ser assim.

Nestas eleições, de modo especial, muitas pessoas se desentenderam e até romperam relacionamentos. Não souberam separar a opinião do dono dela. Foi um cenário muito triste cujas consequências serão sentidas por algum tempo ainda – espero que pouco. Não deixe uma ideologia, um partido ou um candidato afastar você de quem ama. Lembre-se: a vida é curta e não compensa perder o que realmente vale a pena por causa de coisas tão pequenas comparadas a uma vida humana. As pessoas são muito mais do que aquilo que elas pensam, do que uma posição política, do que certas escolhas que fazem.

Quero aproveitar este texto para pedir perdão a algumas pessoas que eventualmente tenham se sentido ofendidas por algo que eu disse ou escrevi (e estou fazendo isso de livre e espontânea vontade, porque senti no coração que devia fazê-lo). Em nenhum momento durante a campanha eleitoral defendi esse ou aquele partido, esse ou aquele candidato. Como pastor adventista, nem se esperaria que eu fizesse tal coisa, afinal, devemos evangelizar e amar todas as pessoas – da esquerda, do centro e da direita. Todas são filhas de Deus. Mas em alguns momentos procurei denunciar – como sempre tenho feito há anos – uma ideologia que considero anticristã e perigosa: o marxismo. Em minha opinião, assim como o evolucionismo e o espiritismo, o marxismo afasta as pessoas do Deus da Bíblia, embora apresente algumas ideias boas que, no fundo, são importadas do cristianismo. Assim, não precisamos ser marxistas para desejar a justiça, para combater a pobreza e lutar pela redução das desigualdades. Basta ser cristãos de verdade. E, como cristão, quero dizer que amo a todos, até, evidentemente, aqueles que discordam de mim.

Para viver neste mundo é preciso ter muita resistência. Às vezes, essa resistência envolve segurar a língua e os dedos raivosos sobre o teclado. Resistência para deixar a sabedoria se sobrepor ao ímpeto. Conforme escreveu Zoe Lilly, “o silêncio pode ser o remédio de muita coisa. Use-o quando for necessário. O silêncio também pode ser o veneno de outras coisas. Quebre-o quando for necessário. Sabedoria é discernir a hora dos dois”.

Admitamos que nem sempre é fácil, mas podemos tentar.

Para viver neste mundo é preciso ter muita resistência, especialmente para resistir a nós mesmos e ao mal. Resistir aos nossos impulsos, aos nossos maus desejos, ao pecado. Por isso os apóstolos Tiago e Pedro dizem que devemos resistir ao diabo pela fé, pois assim ele fugirá de nós (Tiago 4:4; 1 Pedro 5:9). E isso não significa que não devamos resistir também ao que está errado na sociedade. Mas, em lugar de gastar tanto tempo para cultivar nossas opiniões políticas (o que não é negativo em si) e propagá-las nas redes sociais, devemos aprofundar nosso relacionamento com Deus, pois é isso o que aumenta a nossa fé, afinal, fé é relacionamento que promove a confiança. É essa convivência com Deus que nos dará sabedoria e serenidade para dialogar sobre ideias sem magoar pessoas; que nos dará bom senso para saber quando silenciar e quando falar (e como falar); para saber que às vezes é melhor manter a amizade em lugar de ganhar uma discussão.

Neste mundo de pecado todos somos da resistência, mas que aprendamos a resistir ao que realmente deve ser resistido, e amar como Jesus nos ensinou a amar.

Michelson Borges

Cristãos da “resistência”? Como assim?

resistencia3Sempre gostei das reuniões de comissão de igreja (quando bem conduzidas e sob a influência do Espírito Santo, evidentemente) porque ali a gente vê a democracia representativa em ação. Isso me impressionou positivamente quando me tornei adventista, nos idos anos 1990. Houve vezes em que em reuniões de comissão eu defendi que as paredes do templo deveriam ser pintadas de branco (exemplo hipotético), mas a proposta vencedora acabou sendo a que defendia a cor bege. A maioria votou nela. Aprovada a proposta, passei a defendê-la como se fosse minha. Não fiquei criticando pelos corredores os que votaram na cor bege. Não fiquei torcendo para que o templo ficasse feio com aquela cor, para depois dizer que eu tinha razão. Na verdade, torci para que ficasse mais bonito, para o bem de todos. Assim devemos nos comportar em uma democracia. Devemos sempre pensar no bem coletivo e até abrir mão de nossos interesses, se eles não forem considerados os da maioria (o que não significa abrir mão de princípios, evidentemente; mas esse é outro assunto).

O presidente Jair Bolsonaro foi eleito pela maioria do povo brasileiro. Pode ser que não concordemos com tudo o que ele diz e faz, mas foi a vontade da maioria. Durante meses todos puderam obter informações sobre os dois candidatos, ler seus programas de governo, comparar suas ideias, tudo de acordo com as regras, como se espera em uma boa democracia. A eleição foi democrática, pelo voto direto e secreto, e Bolsonaro foi o escolhido de 55 milhões de brasileiros. Agora ele é o presidente do Brasil. E se você ama o Brasil e a democracia, o que deveria fazer? Aceitar a realidade, torcer pelo presidente e orar pela nação. Fazer de tudo para que nosso país possa dar certo e avançar.

Quanto aos cristãos, é fácil seguir a Bíblia Sagrada quando ela aprova nossos pensamentos e nossas vontades. Mas e quando ela contraria nosso ponto de vista? O que a Bíblia nos diz para fazer em relação às autoridades constituídas/eleitas? Você sabe:

“Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade” (1 Timóteo 2:1, 2).

“Lembre a todos que se sujeitem aos governantes e às autoridades, sejam obedientes, estejam sempre prontos a fazer tudo o que é bom, não caluniem ninguém, sejam pacíficos, amáveis e mostrem sempre verdadeira mansidão para com todos os homens” (Tito 3:1, 2).

“Por causa do Senhor, sujeitem-se a toda autoridade constituída entre os homens; seja ao rei, como autoridade suprema, seja aos governantes, como por Ele enviados para punir os que praticam o mal e honrar os que praticam o bem. Pois é da vontade de Deus que, praticando o bem, vocês silenciem a ignorância dos insensatos. Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como desculpa para fazer o mal; vivam como servos de Deus. Tratem a todos com o devido respeito: amem os irmãos, temam a Deus e honrem o rei” (1 Pedro 2:13-17).

“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por Ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se opondo contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos” (Romanos 13:1, 2).

“Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser por aqueles que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas, se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência” (Romanos 13:3-5).

Obviamente que, quando as autoridades nos obrigarem a desobedecer à vontade de Deus, valerão outros textos, como Atos 5:29. Aí, nesse caso, deveremos opor resistência pacífica para ser fiéis a Deus. Mas o que alguns descontentes com a vontade da maioria dos brasileiros estão fazendo não é resistência. No mínimo é mimimi de frustrados com a perda do poder ou com o inconformismo pela prevalência democrática de uma ideia que não é a deles. Resistência a um governo que ainda nem começou? Ser contra tudo o que esse governo propuser? Como assim? Isso não é resistência. Isso é querer que tudo dê errado antes mesmo de começar. Isso é pouco se lixar para o Brasil. Isso é batalhar pelo divisionismo.

Mas Jesus não foi um revolucionário? Ele não foi da “resistência”? Já gravei um vídeo sobre isso e peço que você o assista (aqui), mas nunca é demais repetir: não, Jesus não foi um revolucionário. Ele tinha tudo para ser, afinal, o governo de Seu tempo era invasor, cobrava impostos para César, não havia sido eleito nem escolhido. Mas Jesus nunca Se insurgiu contra o Império. Ele sempre deixou claro que Seu reino não é deste mundo e mandou que dessem a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Tomar Jesus como exemplo ou modelo de resistência política é, além de anacrônico, injusto. Em lugar de revolução Ele pregou a conversão. Em lugar de ódio, amor. E o amor dEle não era só de discurso, não. Ele amou na prática. Amou quem concordava com Ele e quem dEle discordava. Amou a todos e morreu por todos.

Recentemente, no Twitter, o comediante e apresentador Danilo Gentili escreveu: “O discurso dos caras agora é: ‘Vamos fiscalizar o governo e meter a boca em tudo o que estiver errado.’ Sim, vamos. Sem dúvida alguma vamos. Mas só lembrando aqui que nos últimos treze anos todo mundo que fez isso foi chamado de fascista.”

Muita gente teve que tolerar treze anos de um governo no qual não votou. Assim é a democracia. Muitas vezes orei e torci por Lula e Dilma. Orei para que eles fizessem o bem para o nosso povo, para que tivéssemos liberdade religiosa e paz. Da mesma forma, exatamente como manda a Bíblia, vou orar por Bolsonaro e por sua equipe de governo, para que tenham sabedoria e compaixão a fim de governar para o povo e para o bem do nosso país.

Não vou fazer resistência ao governo que nem começou, porque não é isso o que meu Mestre e Sua Palavra mandam. Continuarei opondo resistência ao reino das trevas, “porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais” (Efésios 6:12).

Michelson Borges

Alegria, esperança, frustração e um frio na barriga

Estas eleições agitaram o Brasil como fazia tempo não acontecia. Em poucos meses, nosso povo comumente apático quando o assunto era política, graças às redes sociais, passou a discutir política praticamente todos os dias, tendo que aprender a navegar num oceano agitado por fatos e fake news. Nestas eleições vimos quebrado o monopólio das grandes empresas de comunicação e o povo, finalmente, desenvolvendo uma saudável desconfiança da mídia, tendo que aprender a consumir com mais criticidade as informações que lhe chegavam por vários meios. Nestas eleições foi bonito ver o espírito patriótico despertando e fortalecido o desejo de mudança, de moralização, de ruptura com os desmandos de tantos anos de democracia mal usufruída – ou melhor, bem usufruída por parte daqueles que ocupavam o poder, até que a ganância foi interrompida pelas algemas. Tudo isso me trouxe alegria. E despertou também a esperança e o desejo de que a reação em cadeia ajude a tornar nosso país um lugar melhor, mais ordeiro, seguro e progressista. Espero que o novo presidente saiba aproveitar bem esse desejo popular e a “carta branca” que lhe foi colocada nas mãos por milhões de brasileiros.

Anos atrás, votei no Lula, como fizeram milhões de brasileiros que acreditavam na mudança, em uma pátria mais justa em que os líderes realmente se preocupassem com os menos favorecidos, diminuindo, assim, os enormes abismos sociais e as desigualdades típicas da nossa sociedade. Antes de votar nele, em minha juventude e adolescência, usei camiseta do Che Guevara, boton em favor da revolução sandinista, e cria que Jesus havia sido uma espécie de socialista revolucionário. Foi isso o que os ideólogos da Teologia da Libertação nos ensinaram. Religiosos como Leonardo Boff e outros, a quem seguíamos como verdadeiros messias iluminados, pregadores do comunismo como a solução definitiva para as mazelas da humanidade. Na época ainda não podíamos dimensionar nem prever o que aconteceria com Cuba e Venezuela, quando o dinheiroduto russo fosse fechado. Na época eu não sabia que as ditaduras comunistas haviam ceifado a vida de muito, mas muito mais pessoas do que as que foram levadas à morte pelas guerras e pelo nazismo. Graças a Deus, a verdade que liberta (João 8:32) me encontrou e tive os olhos abertos. Para equilibrar minhas “leituras vermelhas”, passei a ler autores conservadores como Theodore Dalrymple, Roger Scruton e outros. Vi então a incompatibilidade do cristianismo com as ideologias que outrora eu defendia.

Infelizmente, muitos amigos dos tempos de militância esquerdista acabaram perdendo a fé, uma vez que depositaram toda a esperança em um “reino” que nunca foi implantado, em messias de carne e osso que fizeram pior do que os governantes a quem criticavam e condenavam. Isso foi extremamente frustrante. Desalentador. Deixou uma geração ideologicamente órfã. Só não me senti assim porque fui acolhido por Jesus e preenchido pela esperança no Reino vindouro, esse, sim, a solução para todos os problemas humanos derivados do pecado. Conheci um Jesus redentor, não revolucionário. Um Jesus não de esquerda, nem de direita. Um Jesus do Alto que veio à Terra para viver entre nós, sofrer como nós (na verdade muito mais do que nós) e oferecer a real esperança e uma teologia que realmente liberta.

Outra fonte de grande frustração para mim foi perceber que dentro da igreja cuja mensagem me libertou, posto que bíblica, começaram a pipocar aqui e acolá jovens com discursos parecidos com aqueles que eu ouvia nos meus tempos de católico da Teologia da Libertação. Jovens defendendo anacrônica e ingenuamente o comunismo e ignorando o fato de que pastores adventistas eram presos, perseguidos e mortos nos regimes comunistas; jovens que talvez nunca tenham ouvido falar de Soljenitsin e o Arquipélago Gulag. Minha impressão é a de que cresceram em uma “bolha adventista”, sem noção de questões políticas, e, de repente, quando se viram em ambientes acadêmicos seculares, frequentemente dominados pelo pensamento marxista gramsciano, pensaram estar finalmente descobrindo a “verdade” (não a que liberta, evidentemente). Caíram no canto da serpente. Aquilo que o diabo não conseguiria por meio do evolucionismo e do espiritualismo, uma vez que adventistas são naturalmente blindados contra essas ideologias, logrou êxito por meio do marxismo, igualmente perigoso para a fé cristã bíblica. Acadêmicos financiados pelas instituições para dentro das quais estão trazendo cavalos de troia ideológicos…

Fiquei também frustrado por ver adventistas – entre eles alguns funcionários da instituição – manifestando com ímpeto suas posições políticas (infelizes) nas redes sociais. Pessoas que praticamente nunca falam sobre profecias, volta de Jesus, sobre doutrinas bíblicas, mas que de repente se tornam arautos desse ou daquele candidato, dessa ou daquela ideologia.

E o frio na barriga? Bem, isso eu senti mais uma vez durante o primeiro discurso do novo presidente eleito (e não foi por medo, não). Nunca (que eu saiba) um presidente da República brasileiro começou e terminou esse momento com uma oração. Na mesa dele, durante o primeiro pronunciamento à nação, havia uma Bíblia. Fica clara a ligação do novo governo com a religião, o que de certa forma parece violar o Estado laico. Claro que para nós cristãos essa tendência moralizante é melhor do que a nefasta ideologia de gênero, a perversão da sexualidade infantil, o aborto indiscriminado e outras barbaridades esquerdistas. A esquerda, se pudesse, destruiria a igreja e a visão de mundo judaico-cristã. Mas a direita que está aí quer ir para outro extremo, vinculando demais a religião aos assuntos de Estado. Nem é preciso dizer o que a aproximação entre igreja e governos trouxe de ruim para os grupos religiosos minoritários ao longo da história. Realmente estávamos entre o fogo e a frigideira…

Na verdade, essa onda direitista moralizante e religiosa já vem sendo observada em outros países, com destaque para os Estados Unidos.

 

Conforme escreveu meu amigo português Filipe Reis, “a questão não é Trump, não é Bolsonaro, não é Salvini, não é Órban nem será nenhum dos novos líderes que podem surgir em vários lugares – a questão central é uma tendência que se acentua cada vez mais ao encontro do cumprimento de uma mudança profética em termos de domínio, predominância e influência local e global. Enquanto rapidamente se aproximam as últimas cenas do grande conflito na Terra, infelizmente muitos insistem em olhar e ficar mais preocupados acerca das circunstâncias voláteis, flexíveis e imprevisíveis da política e da sociedade à nossa volta, do que estudar, analisar e perceber a Bíblia e a profecia, que são o verdadeiro e único guia seguro, o fundamento que traz sentido para todo o resto”.

Outra breve e oportuna reflexão fez meu amigo pastor Moisés Biondo: “Finalmente, essas eleições terminam Ontem! Nem o Bolsonaro, nem o Haddad será o grande perdedor. Perdedores, fracassados serão todos aqueles que abdicaram do amor, perderam o respeito, abriram mão da amizade em nome de uma ideologia (que é falha, seja qual for). Se por causa de um candidato você feriu, desprezou, diminuiu ou se afastou de alguém, o grande derrotado é você.”

Ainda dá tempo de pedir perdão…

Estou feliz, esperançoso, frustrado e com frio na barriga. Mesmo assim, esse coquetel de sentimentos não me impedirá de fazer o que a Bíblia recomenda em 1 Timóteo 2:1, 2: devemos orar pelos nossos governantes. Gostaria de se unir a mim?

Michelson Borges

Apocalipse 13 e as eleições

apoc 13A essa altura em que chegamos das eleições no Brasil, dá para refletir um pouco sobre o que estamos vivenciando como sociedade e arriscar algumas possíveis comparações com o cenário escatológico de Apocalipse 13, que nos aguarda:

Essa tensão pela qual estamos passando agora é um vislumbre do ambiente que viveremos quando a crise final (Lei Dominical) chegar. Haverá polarização idêntica em torno de um tema. Muitos textos, áudios e vídeos circulando nas mídias sociais contendo argumentos e contra-argumentos; testemunhos de pessoas famosas e centenas de outras anônimas declarando de que lado estão; muitos vestindo a camisa do seu “partido”; mensagens sérias e quem sabe outras com humor; diversas fake news comprometendo a imagem da IASD e a reputação de líderes conhecidos; desentendimento e brigas com amigos e familiares…

Além disso, a saturação do tema – sinal de Deus ou da besta – ocorrerá em pouco tempo (ninguém aguenta tanta tensão e foco em um único tema durante um período tão longo).

Por isso penso que deveríamos aproveitar este período que estamos vivenciando como uma grande oportunidade para treinamento: aprender a se posicionar, expressar ideias, desenvolver o discernimento sobre as mensagens que recebemos, saber ouvir os outros, pesquisar a fundo para descobrir a verdade, desenvolver a paciência…

Eu até chego a pensar que sem essa experiência (note que questões de moralidade estão na boca do povo, e até passagens bíblicas estão sendo citadas) o Brasil não estaria preparado para discutir publicamente a grande questão final: Quem você irá escolher? O Deus Criador ou a besta do Apocalipse?

Quando isso vai acontecer eu não sei. Mas experiência em situações polarizadas nós todos teremos. Ora, vem, Senhor Jesus!

Sérgio Santeli é pastor em São Paulo