Trump buscará unir povos de todas as religiões

trumpEm sua primeira viagem oficial como presidente ao exterior, o presidente norte-americano Donald Trump vai “buscar unir muçulmanos, judeus e cristãos” em um esforço para combater o terrorismo, afirmou [na] sexta-feira (12) o conselheiro de Segurança Nacional do governo americano, H. R. McMaster. Na sexta-feira (19), Trump viajará para Arábia Saudita, Israel e Itália. Na visita a Israel, ele vai enfatizar os “laços inabaláveis” com o país e seu desejo por “dignidade e autodeterminação” para os palestinos, afirmou McMaster. Na Arábia Saudita, vai “encorajar as autoridades a promover a paz e confrontar o caos e a violência”, disse. Na viagem, o presidente norte-americano também vai reafirmar seu compromisso com a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), completou. Na Itália, Trump se reunirá com o papa Francisco.

(G1 Notícias)

Nota: Muitíssimo interessante a escolha dos países para essa primeira viagem do presidente dos Estados Unidos ao exterior. Assim, ele mantém contato com os mundos islâmico, judeu e católico. E assim Trump se alinha com os interesses do próprio papa, cujo objetivo, entre outros, é o de promover exatamente a união das religiões. Só falta, agora, Francisco convencer Trump a respeito do ECOmenismo (confira aqui), o que não pode ser descartado, já que o magnata tem mudado de opinião com certa facilidade, desde que assumiu a presidência. O protagonismo e o caráter quase messiânico dessas duas figuras importantes fica cada vez mais evidente. Em sua recente viagem a Portugal, o papa Francisco valorizou o culto à Virgem de Fátima, com sua inegável relação positiva com os islâmicos (confira aqui) e evidenciou também um alegado milagre atribuído à santa (confira), o que não podia faltar, claro. A palavra de ordem é “união”, e os “desalinhados” não terão lugar nesse novo mundo. [MB]

Papa vai tentar convencer Trump a mudar de ideia sobre aquecimento global

papaFontes vaticanas disseram [no dia 12] acreditar que o papa Francisco tentará convencer o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a manter os acordos climáticos. O líder católico receberá o magnata no próximo dia 24 de maio, na Itália. “Acho que o papa vai convencê-lo”, afirmou o chanceler da Pontifícia Academia das Ciências, monsenhor Marcelo Sanchez Sorondo. Francisco é o autor da encíclia Laudato Sí, que aborda justamente problemas climáticos, exploração de recursos naturais e colapsos do capitalismo. “Enquanto o papa escrevia sua encíclica, lobistas do setor petroleiro tentavam de tudo para evitar que Francisco falasse que a causa da mudança climática é a atividade humana que utiliza materiais fósseis”, contou Sorondo. “Trump já mudou de ideia várias vezes, sobre várias coisas, espero que mude também sobre o clima”, comentou. Será o primeiro encontro entre Trump, que tomou posse em janeiro, e o papa Francisco. Os dois divergem em uma série de assuntos e a reunião foi marcada praticamente em cima da hora. Recentemente, Jorge Mario Bergoglio também criticou a chamada “mãe de todas as bombas”, explosivo de dez toneladas lançado pelos EUA no Afeganistão.

(UOL Notícias)

Nota 1: De fato, Trump tem mudado de ideia sobre vários assuntos, inclusive a visita ao papa se trata de uma dessas mudanças. Se o presidente norte-americano mudar de ideia quanto à questão do aquecimento global, poderemos ver um alinhamento interessante em uma questão que favorece e muito o futuro decreto dominical. Se duvida, assista ao vídeo abaixo. [MB]

Nota 2: A foto que ilustra esta postagem (acima) é a do presidente de Portugal beijando a mão do papa, provando com isso que esse negócio de Estado laico, na verdade, não existe. [MB]

A Virgem de Fátima, o islã e o muçulmano pagador de promessa

samiDeu no site católico Aleteia: “À medida que nos aproximamos do centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima, um aspecto que geralmente passa despercebido é a sutil conexão dela com o islã. A Santíssima Virgem Maria apareceu aos três pastorzinhos perto da cidade de Fátima, em Portugal, um lugar cujo nome homenageia tanto uma princesa muçulmana quanto a filha de Maomé. Durante o século 12, exércitos cristãos tomaram cidades da Espanha e Portugal, que tinham sido ocupadas por forças muçulmanas. Nesse período, um cavaleiro chamado Gonzalo Hermigues e seus companheiros capturaram uma princesa muçulmana chamada Fátima. Algumas histórias dizem que, depois de ser capturada, Fátima se apaixonou por Gonzalo e pouco depois eles se casaram. Antes, porém, Fátima foi batizada na fé católica e recebeu o nome de Oureana. Diz-se que as cidades portuguesas de Fátima e Ourém recebem esses nomes em homenagem à princesa muçulmana. O interessante é que a princesa muçulmana tinha o nome de uma das filhas de Maomé, Fátima bint Muhammad, mulher de grande reverência no Islã.

“A filha de Maomé também recebeu o título de al-Zahra, ‘a brilhante’, e Maomé, certa vez, disse sobre ela: ‘Você será a mais abençoada de todas as mulheres no paraíso, depois de Maria’ (embora o muçulmanos não compartilhem as mesmas crenças que os católicos em relação à Virgem Maria, eles têm o mais profundo respeito por ela). Segundo o padre Miguel Ángle Ayuso, secretário do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, essa conexão pode ser uma porta para o diálogo.

“Segundo o que foi assinalado no VIII Encontro de Oração Islâmico-Cristã em 2014, ‘a Igreja Católica reconhece que os muçulmanos honram Maria, a Virgem Mãe de Jesus, e, inclusive, a invocam com piedade […]. Maria é mencionada várias vezes no Alcorão. O respeito por ela é tão evidente que, quando ela é mencionada no Islã, acrescenta-se ‘Alayha l-salam’ (a paz esteja com ela). Maria, modelo para muçulmanos e cristãos, é também modelo de diálogo’.

“O venerável Fulton Sheen estabelece uma interessante conexão entre a  reverência dos muçulmanos em relação à Maria, a filha de Maomé e as aparições de Nossa Senhora em Fátima: ‘Por que a Santíssima Virgem Maria, no século 20, deveria ter se manifestado em um insignificante povoado de Fátima, para que todas as gerações futuras a conhecessem como ‘Nossa Senhora de Fátima’? Como nada acontece fora do céu sem a delicadeza de todos os detalhes, creio que a Virgem escolheu ser conhecida como ‘Nossa Senhora de Fátima’ como uma promessa e um sinal de esperança para o povo muçulmano e para assegurar que quem tem respeito por ela algum dia também aceitará o seu Divino Filho.’

“Surpreendentemente, além de atrair os peregrinos cristãos, o santuário de Fátima também atrai um grande número de muçulmanos. Eles querem ver o lugar onde a Virgem Maria apareceu, em uma cidade batizada em homenagem a uma das mulheres mais importantes do islã. Enfim, a Santíssima Virgem Maria chamou, em Fátima, todos os cristãos a rezar pela paz no mundo. Em uma época em que se recorrem à violência em nome do islã, é mais do que necessário recorrer à Nossa Senhora de Fátima. Vamos continuar trabalhando pela paz no mundo e encarar Nossa Senhora como uma ponte entre muçulmanos e cristãos, suplicando que ela coloque fim ao ódio que tem causado tanta violência em todo o mundo.”

E o Jornal de Notícias apresentou um exemplo real dessa veneração muçulmana da personagem católica: “Sami Aoun, do Líbano, cumpriu uma promessa de joelhos assim que chegou ao santuário de Fátima. A chuva e as dores não abalaram o jovem muçulmano, que pediu maior união entre as diferentes fés e crenças. O jovem que vive em Beirute parecia que ia sucumbir a cada passo dado de joelhos já doloridos e molhados. Parava, olhava para a frente, depois para o chão, e prosseguia, quase esgotado, enquanto peregrinos procuravam ajudá-lo, fosse com um guarda-chuva para o abrigar do mau tempo, ou oferecendo joelheiras, que recusou sempre. ‘É uma grande sensação. Se calhar sente-se 0,001% do que Jesus sentiu na sua última hora quando foi levado para a cruz’, disse à Lusa Sami Aoun, ainda a recuperar o fôlego, no fim da promessa.

“O jovem de 29 anos já tinha ouvido, em sua terra natal, que ‘a virgem Maria tinha aparecido em Fátima’ e decidiu deslocar-se ao santuário, aproveitando umas férias em Madrid. ‘Mesmo sendo longe, é merecida a visita a este lugar abençoado.’ No percurso, rezou pela mulher, pelo filho que deverá nascer ‘daqui a dois meses’ e por uma maior ‘união entre cristãos e muçulmanos’. Para Sami, o retrato feito dos muçulmanos pela mídia é errado. ‘O muçulmano tem que acreditar primeiro no cristianismo e só depois no islamismo. Porque o cristianismo veio antes e abriu o caminho para todas as pessoas acreditarem em Deus’, frisou. ‘Eu acredito na virgem Maria. Acredito que ela tenha aparecido aqui aos três meninos. Quando vim aqui visitar Fátima e vi as pessoas a fazerem isto [as promessas de joelhos], eu também fiz, pela virgem Maria e por Jesus Cristo. Como muçulmano, acredito em Jesus Cristo e amo-o muito. Nós, muçulmanos, amamos muito [Jesus]; não é como diz a mídia’, frisou Sami, enquanto fazia a promessa de joelhos que se transformou num momento carregado de simbolismo. […]

“Sentada à beira da Capelinha das Aparições ouvindo o terço, Maria Isabel estava impressionada com o rapaz muçulmano cumprindo os últimos passos do esforço. ‘Que Nossa Senhora de Fátima o ajude, a ele e aos amigos, que eles são filhos de Deus como a gente’, desabafou a mulher de 86 anos, natural de Fátima. Quando a promessa estava pela metade, Sami explicou à Lusa que o que fazia era também ‘um gesto’ para mostrar que todos podem ‘viver juntos’. […] Num momento em que o mundo parece tão dividido, é preciso mostrar que todos são ‘irmãos, com o mesmo sangue’, disse à Lusa Hassam, que também acompanhava o jovem libanês em sua promessa. ‘Viemos todos de Adão. Qual é a diferença?’”

Nota: Para entender melhor essa relação da Virgem de Fátima com o islã e as implicações proféticas disso, clique aqui. [MB]

Leia também: “Our Lady of Fatima is coming to the United Nations”

Trump visitará o papa e assina decreto que enfraquece separação igreja-Estado

papa trump[Não, o decreto do título acima não é o dominical, ainda.] A Santa Sé confirmou nesta quinta-feira que o papa Francisco receberá no Vaticano, em 24 de maio, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que depois se reunirá com o secretário de Estado vaticano, o cardeal Pietro Parolin. A Santa Sé explicou em um comunicado que o encontro entre o papa e Trump está previsto para às 8h30 local (3h30, em Brasília) e acontecerá no Palácio Apostólico vaticano. Após a reunião, o governante norte-americano conversará, como é habitual, com o secretário de Estado vaticano, o cardeal Parolin, e com o secretário vaticano de Relações com os Estados, Paul Gallagher. Trump será recebido pelo papa dois dias antes dos chefes de Estado e de Governo do G7, que se reunirão em uma cúpula entre 26 e 27 de maio na cidade siciliana de Taormina (sul). Em 29 de abril, o papa Francisco afirmou sua disponibilidade para receber Trump, como qualquer outro chefe de Estado que solicitar, durante o voo de volta a Roma procedente do Cairo. (Terra)

A Casa Branca deu detalhes dessa primeira viagem oficial de Trump, que inclui mais do que a sede papal. O presidente norte-americano visitará, nesta ordem: Arábia Saudita (interesses petrolífero$, evidentemente), Israel (afago no parceiro número um) e Vaticano (pedir a bênção do papa). Mais parece uma peregrinação religiosa: Islã, Judaísmo e Catolicismo…

Hoje Trump assinou um decreto para aliviar restrições de atividades políticas a organizações religiosas, que são isentas de impostos. O plano era esperado por políticos conservadores desde a posse do republicano, por ser uma promessa antiga de campanha. O principal ponto da ordem executiva deve ser o fim da Emenda Johnson, uma seção do código fiscal que proíbe organizações isentas de taxas, como as igrejas, de apoiarem candidatos políticos abertamente ou financeiramente [o vídeo abaixo tem mais detalhes sobre o assunto]. O fim da regra, em vigor desde 1954, significa uma grande vitória para a direita cristã americana, que apoiou Trump durante a campanha. Mesmo com o decreto, porém, a mudança precisará ser aprovada pelo Congresso. Em fevereiro, o presidente afirmou que “se livraria totalmente” da emenda, com a justificativa de que “a liberdade religiosa é um direito sagrado, mas que está sob séria ameaça”. Sua posição é oposta à intenção inicial da lei, que foi vista como mais um avanço em prol da separação entre Igreja e Estado, quando criada. É esperado que Trump também instrua o procurador-geral Jeff Sessions a iniciar um processo para definir “novas diretrizes” sobre como as agências do governo devem lidar com crenças religiosas em diversas esferas do governo, de acordo com fontes da Presidência. Entre as questões mais recentes está o fim de uma regra que exige que planos de saúde incluam cobertura para métodos contraceptivos. (Veja.com)

E assim vemos Trump se aproximando do papa e se intrometendo em assuntos religiosos nos Estados Unidos, diminuindo, assim, a separação entre a igreja e o Estado. O homem se alinha com a direita cristã (conservadora e dominguista) e adora um decreto… [MB]

Veneração de relíquias fará parte das comemorações em Fátima

reliquiaUm fragmento de osso de uma costela de Francisco Marto e uma mecha de cabelo da sua irmã, Jacinta. São essas as relíquias que estão preservadas na Casa das Candeias, em Fátima, e que serão colocadas à veneração a partir do momento em que os dois pastorzinhos forem canonizados em maio pelo papa Francisco. As relíquias estão conservadas em dois relicários em forma de candeias, numa referência à expressão “candeias que Deus acendeu”, usada por João Paulo II no dia de beatificação, em 2000. Segundo explica a irmã Ângela Coelho, postuladora da causa de canonização dos pastorzinhos, ao Observador, trata-se de relíquias de primeiro grau, uma vez que são partes do próprio corpo dos santos. As relíquias dos santos, objeto de veneração muito comum na Igreja Católica, podem ser de três graus: primeiro, caso sejam partes do corpo do santo; segundo, se forem objetos pessoais usados pelo santo; e terceiro, no caso de serem objetos que foram tocados pelo santo.

Os relicários contendo o fragmento de osso de Francisco e a mecha de cabelo de Jacinta serão apresentados ao papa Francisco – possivelmente até pela família da criança brasileira curada milagrosamente – no momento em que for lida a oração de canonização no recinto do Santuário de Fátima.

O papa Francisco confirmou que os pastorzinhos vão ser canonizados no dia 13 de maio, no Santuário de Fátima. Era a decisão que faltava após a aprovação do milagre da cura de uma criança brasileira, em março.

(Observador)

Nota: É interessante notar que Jesus fez questão de não deixar qualquer resquício físico de Sua pessoa, justamente para evitar que algum objeto relacionado a Ele fosse idolatrado, desviando o foco do que realmente importa: a adoração a Deus em espírito e em verdade, e o estudo reverente da Bíblia Sagrada. E é justamente a Bíblia que ordena não adorar ídolos nem idolatrar objetos. A veneração das relíquias dos pastorzinhos relacionados com a aparição de Maria há cem anos contribuirá para que todas as atenções estejam voltadas para Fátima, no mês que vem. Leia o post indicado abaixo e assista ao vídeo para entender as possíveis implicações disso. [MB]

Leia também: “A Virgem de Fátima, a Europa e os muçulmanos”

Rússia proíbe atividades das testemunhas de Jeová e confisca suas propriedades

testemunhasSuprema Corte da Rússia proibiu nesta quinta-feira (20) a atuação da organização Testemunhas de Jeová, de acordo com a agência France Presse. O ministério da Justiça russo havia apresentado uma ação no Supremo Tribunal considerando as Testemunhas de Jeová “uma ameaça para os direitos das pessoas, da ordem pública e da segurança pública”. O juiz Yury Ivanenko afirmou na sentença que a organização “deverá entregar à Federação russa suas propriedades”. Um líder russo das Testemunhas de Jeová, Iaroslav Sivoulski, declarou estar “chocado” com a decisão dos juízes e anunciou que a organização religiosa vai apelar. “Não pensava que algo assim poderia acontecer na Rússia moderna, onde a Constituição garante a liberdade de religião”, disse ele. Em março, o Ministério da Justiça já tinha suspendido as atividades do grupo, acusado de armazenar e difundir literatura religiosa de caráter extremista. Na ocasião, o Centro de Direção das Testemunhas de Jeová na Rússia, que dirige todas as filiais regionais e locais da comunidade religiosa, foi incluído na lista de organizações não governamentais e religiosas que foram suspensas por extremismo.

O porta-voz das Testemunhas de Jeová na Rússia, Ivan Belenko, denunciou na época à agência Efe que a decisão das autoridades russas privaria do direito à liberdade ao culto os 175 mil seguidores que dessa comunidade no país. “Todas as decisões judiciais contra nós se baseiam em uma única acusação: que alguns de nossos livros e discursos estão na lista de literatura extremista que existe neste país”, explicou Belenko.

Belenko afirmou que as decisões de incluir algumas publicações na lista negra “foram tomadas com base em opiniões de falsos especialistas e sentenças judiciais ditadas às costas dos crentes”, ainda segundo a Efe.

O grupo religioso possui 395 centros em todo o país e já travou várias disputas com as autoridades russas nos últimos anos. Em janeiro, o líder da organização na cidade de Dzerzhinsk foi multado por distribuir material considerado extremista pelas autoridades. O governo russo dissolveu em 2004 um ramo da organização, uma decisão que a Corte Europeia de Direitos Humanos considerou em 2010 em violação aos direitos da religião e associação.

(G1 Notícias)

Nota: A liberdade religiosa está seriamente ameaçada na Rússia (e nos países que lhe seguirem o exemplo). Embora possuam crenças e práticas um tanto extravagantes, as testemunhas de Jeová não representam perigo para ninguém. Quem não quiser concordar com elas é só não fazer isso. Quem não quiser ler seus livros e suas revistas é só não ler. E quem não quiser conversar com elas quando lhe batem à porta também tem essa liberdade. Testemunhas de Jeová não se explodem por aí nem organizam atentados terroristas. Testemunhas de Jeová não são pessoas violentas que ameacem a segurança de um país. São cidadãos ordeiros e pacíficos, e merecem estar amparados pelo direito de liberdade religiosa, tanto quanto os cristãos ortodoxos russos e membros de outras igrejas. Se os métodos e a literatura das testemunhas são considerados ofensivos e ameaçadores, essa decisão da Suprema Corte russa abre um precedente que acabará por incluir outras religiões no “pacote”. Assista ao vídeo abaixo para entender o que estou falando. [MB]

 

Liberdade religiosa ameaçada na Rússia