Os adventistas e a prática do rebatismo

batismoUm vídeo humorístico de um canal no YouTube viralizou nesta semana e trata do assunto do rebatismo na ótica dos adventistas do sétimo dia. Não se trata de conteúdo ofensivo, e como o próprio autor diz no fim do vídeo, a ideia é criticar as pessoas que não levam a sério a vida cristã e banalizam o rito do batismo. Mas será que existe base bíblica para batizar uma pessoa mais de uma vez?

Como qualquer caricatura, o vídeo tenta destacar um ponto em detrimento da realidade. Na verdade, os adventistas não ensinam que por causa de qualquer pecado a pessoa deva ser rebatizada. Por exemplo, em 1 João 2:1 é dito que não devemos pecar, mas se pecarmos temos um Advogado. Em 1 João 1:9 está escrito que, se confessarmos os nossos pecados, Jesus é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar. O texto bíblico não diz que a cada pecado que cometemos devemos passar novamente pelo batismo; diz, sim, que devemos confessar novamente. A cerimônia do lava-pés estabelecida por Cristo tem esse papel renovador.

Conforme explica o bibliotecário e mantenedor do canal Bíblia Anotada, Vanderlei Ricken, “rebatismo é para casos em que a pessoa decide abandonar os caminhos de Deus e, depois de um ano ou mais, ela ‘cai na real’ e assim como o filho pródigo volta para a casa do Pai, recebendo uma ‘nova roupa’ e um ‘anel’ para atestar a filiação recuperada. Essa demonstração pública de compromisso e mudança de vida é feita por meio do rebatismo”.

Quando a Bíblia fala em “um só batismo” não se refere à quantidade de batismos, mas à forma correta de se batizar. De fato, existem muitos tipos de batismo, porém, apenas um é o correto, o que testifica da entrada no reino de Deus, demonstrando que houve morte para o pecado, sepultamento nas águas e ressurreição para uma nova vida. Daí a necessidade de o batismo ser por imersão, como foi o de Jesus, nosso modelo.

O texto que menciona o “um só batismo” é Efésios 4:5. A primeira coisa a ser analisada é quem é o remetente da carta endereçada aos efésios. Como ocorre normalmente, as cartas do Novo Testamento têm um intróito que contém a apresentação do emissor da carta. Lemos no primeiro verso do livro de Efésios: “Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso, e fiéis em Cristo Jesus.” A carta é de autoria do apóstolo Paulo e levar em conta esse pano de fundo ajuda bastante na compreensão do assunto.

O apóstolo Paulo, ao mencionar “um Senhor, uma só fé, um só batismo”, está enfatizando o aspecto numérico e a quantidade, ou destacando a relevância de cada um? Segundo o pastor e líder de jovens Eleazar Domini, a resposta a essa pergunta está na própria perícope da passagem. No verso seguinte lemos: “Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos, e em todos.” “É óbvio que esse verso não está ensinando que apenas o Pai é Deus, pois estaria em contradição com João 1:1, 14 e diversos outros textos do Antigo e do Novo Testamentos. Em 2 Coríntios 4:4 é dito que o diabo é o deus deste mundo. Tiago apresenta a fé que é morta, aquela que não é acompanhada de obras. Ora, se o texto de Efésios quisesse dar uma ênfase numérica, encontraríamos diversas dificuldades em outras passagens”, compara o pastor Eleazar.

Fica claro que o objetivo de Paulo não era descrever a quantidade de deuses, de credos nem de batismos. O objetivo dele era mostrar que há um Deus verdadeiro, uma fé verdadeira e um batismo verdadeiro.

Quando voltamos a atenção para Atos 19:1-5, encontramos uma experiência muito interessante: “E sucedeu que, enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo, tendo passado por todas as regiões superiores, chegou a Éfeso; e achando ali alguns discípulos, disse-lhes: Recebestes vós já o Espírito Santo quando crestes? E eles disseram-lhe: Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo. E disse-lhes: Em que sois batizados então? E eles disseram: No batismo de João. Porém, Paulo disse: Certamente João batizou com o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele haveria de vir, isto é, em Jesus Cristo. E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus.”

Dois detalhes importantes nesse texto: (1) o protagonista é Paulo e (2) o grupo visitado é de Éfeso (o mesmo grupo a quem Paulo dirigira sua carta).

O que temos aqui é um grupo de pessoas que ao serem visitadas por Paulo foram questionadas a respeito do Espírito Santo. A resposta deixou o apóstolo intrigado: “Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo.” Se a grande comissão de Cristo ensina que as pessoas devem ser batizadas em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, como aqueles novos discípulos não conheciam o Espírito Santo? A resposta deles provocou a réplica de Paulo: “Em que sois batizados então?” “No batismo de João”, eles responderam. Ao que tudo indica, o desconhecimento desse grupo não era sobre a existência do Espírito Santo em si, mas da atuação efetiva dEle a partir do retorno de Cristo ao Céu.

O Comentário Bíblico de Bruce traz a seguinte explicação: “A pergunta de Paulo ‘Vocês receberam o Espírito Santo quando creram?’ mostra que ele esperava que os discípulos recebessem o Espírito Santo assim que cressem. A resposta (v. 2) não indica que os discípulos não sabiam nada a respeito do Espírito Santo (claramente apresentado no AT e no ensino de João Batista), mas que não tinham ouvido da vinda do Espírito Santo por meio do Messias como prometido por João.”

Para o pastor Eleazar é importante salientar que não havia problema algum com o batismo de João, afinal, foi ele quem batizou o próprio Cristo. O problema estava com os que foram batizados, mas não tiveram pleno conhecimento da verdade, das doutrinas. Paulo então valorizou o batismo deles, mas explicou novas verdades desconhecidas até então, e em seguida eles foram batizados novamente.

Algumas pessoas dizem que aqueles efésios foram batizados com o Espírito Santo. Entretanto, não há evidência alguma no texto que aponte para isso. O texto trata do batismo nas águas. Fala-se do batismo de João, que foi nas águas, e depois é dito que eles foram novamente batizados. Não diz que foram batizados “no Espírito”, ou coisa parecida. O conhecido comentarista Champlin escreveu: “Outros estudiosos pensam que está em foco aqui o batismo do Espirito Santo, e não o batismo em água; mas essa ideia está igualmente errada, e de forma alguma está subentendida no texto sagrado.”

O verso seguinte esclarece ainda mais o assunto: “E impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam diversas línguas, e profetizavam.” “Se o batismo mencionado no verso 5 não fosse o das águas, que necessidade haveria de mencionar no verso seguinte que Paulo impôs sobre eles as mãos para que recebessem o Espírito Santo?”, pergunta o pastor Eleazar.

A narrativa está em ordem cronológica:

  1. Paulo encontra os efésios e questiona o conhecimento deles acerca do Espírito Santo.
  2. Eles declaram não ter conhecimento do assunto.
  3. Paulo pergunta em que foram batizados e a resposta é: no batismo de João.
  4. Paulo explica o assunto para eles e, ao final, eles são batizados.
  5. Paulo impõe-lhes as mãos para que recebam o Espírito Santo.

Não haveria necessidade alguma de mencionar que eles foram batizados no batismo do Espírito, como pretendem alguns, e depois Paulo impor as mãos sobre eles para que recebessem o Espírito Santo.

A ideia de rebatismo em Atos 19 é compartilhada por grandes teólogos não adventistas, como Marshall e Matthew Henry.

Logo, diferentemente do que o vídeo humorístico dá a entender, os adventistas não são os inventores do rebatismo, muito menos rebatizam pessoas por qualquer motivo. O batismo é um dos ritos mais sagrados do cristianismo e é assim que tem que ser tratado.

Michelson Borges

Anúncios